O Grande e Incomparável Sílvio Bulhões Por:Manoel Severo

Manoel Severo e Sílvio Bulhões

Este maravilhoso e encantador universo do cangaço! Um fenômeno de natureza beligerante que marcou por décadas os conflitos rurais de nosso sertão , com uma força extraordinariamente grande, guarda fortes relações com nossas raízes  e que trouxe tanta dor ao povo do sertão é capaz de nos proporcionar surpresas verdadeiramente fantásticas, uma delas: Sílvio Bulhões; filho dos lendários capitão Corisco e sua intrépida companheira, Dadá.

Conversar com Sílvio Bulhões, conhecer sua história, aproximarmo-nos de seu sentimento é algo de valor inestimável, tanto pela riqueza  e curiosidade histórica de sua vida como pelo grande ser humano que é, capaz de traduzir em poesia uma verdadeira saga de um menino que teve "dois pais e duas mães" aos quais dedicou todo o amor. O pequeno e grande Sílvio, filho de Corisco e Dadá, nasceu duas vezes: "Fui parido nas caatingas por minha mãe Dadá em um parto auxiliado pela cangaceira Moça, de Cirilo, em 1935  e depois tive um novo parto nove dias depois por minha mãe Liquinha, irmã do Padre Bulhões". O homem que teve dois pais: Corisco e Padre Bulhões e duas mães; Dadá e Liquinha; nos recebeu em uma visita inesquecível no ultimo dia 20 de janeiro de 2018, um momento para se guardar eternamente. Conto para vocês... 


Ingrid Rebouças, Manoel Severo, Sílvio Bulhões, Elane e Archimedes Marques

Por volta de 16 horas do domingo , 20 de janeiro, passando pelo centro de Maceió, acompanhado dos escritores Archimedes e Elane Marques e ainda Ingrid Rebouças, chegaríamos a casa do economista Sílvio Bulhões. A recepção ficou a cargo do pequeno e barulhento Haji ; o pequeno cão guarda-costas da família; que nos anunciava não só aos anfitriões mas pelo tamanho do barulho, à toda a vizinhança. Entrando na sala principal da casa , cercado pelas imagens dos pais famosos; Corisco e Dadá;  o abraço aguardado por mim, por tanto tempo em Sílvio Bulhões.

A emoção que se traduzia mútua, seria a tônica principal de mais de duas horas de uma prosa realmente inesquecível. Não foi preciso muita coisa para que Sílvio se sentisse mais que a vontade e se transportasse para os idos dos anos 30 e como num caleidoscópio espetacular pudéssemos juntos com ele, reviver os momentos marcantes de seu nascimento em plena caatinga, depois sua estada no bando por apenas 9 dias, sua chegada à casa do Padre Bulhões, sua infância, as primeiras noções de quem realmente era, as revelações, surpresas, até o dia em que conheceu as fotos dos pais, a viagem para conhecer Dadá, o ato de cremação do pai, as cinzas ao mar,enfim...a grande saga do filho de Corisco se descortinava passo a passo numa narrativa impressionantemente cheia de força e emoção. 


"Amigo Archimedes muito obrigado por trazer à minha casa esse amigo já mais que querido que só conhecia de nome, Manoel Severo. Que prazer e honra receber Severo em minha casa. O trabalho do Cariri Cangaço é fenomenal !" Revelava um emocionado Sílvio Bulhões.

Com a visão comprometida quase por completo; "atualmente vejo muito pouco, apenas vultos e com um pouco mais de esforço consigo identificar se ali ha pessoas, etc etc etc" ; Sílvio Bulhões se supera a partir de uma memória e uma lucidez fora do comum unidos a um caráter reconhecido por todos ao longo de toda sua vida, "cheia de aventuras", como ele próprio gosta de acentuar.   


 Sílvio Bulhões recebe o Diploma de Amigo do Cariri Cangaço
A visita do Cariri Cangaço a Sílvio Bulhões tinha tres objetivos: Primeiro proporcionar a todos esse encontro especialmente precioso, quando a história narrada com a poesia do coração é capaz de nos mostrar um outro lado da moeda, se tratando da crueza do mundo estranho dos cangaceiros; a segunda fazer um convite especial para que Sílvio Bulhões possa estar presente em uma das agendas do Cariri Cangaço, ao que ele asseverou: "Vou me organizar e se a saúde permitir será um grande prazer"; e a terceira de conceder de forma solene ao anfitrião, em nome do Conselho Curador Alcino Alves Costa, o Título de Amigo do Cariri Cangaço. Uma visita inesquecível e que passarei a publicar em duas postagens nos próximos dias neste mesmo blog do Cariri Cangaço.

Manoel Severo
Curador do Cariri Cangaço
Maceió, 20 de Janeiro de 2018

2 comentários:

Iris disse...

Boa noite, em relação ao Sílvio Bulhões, teria como fornecer o endereço dele em Maceió? tenho um amigo que é muito fã da história do cangaço, é o sonho dele conhecer o Silvio. Ficarei muito grata pela informação! Obrigada!

Filomeno Gomes disse...

Eu teria o maior prazer em conhecer e prosear com o Sílvio Bulhões. Sou admirador da coragem e valentia desses nossos irmãos cangaceiros, que fizeram muitas justiças em comparação com o Ministério Público que nada fazem em defesa dos nossos irmãos desprotegidos. Lampião e Curisco juntamente com seus companheiros como Beija-Flor, Bem te vi, Volta Seca, Zé Baiano e outros considero heróis.
Paz e saúde meu irmão Sílvio Bulhões
Filomeno