Antônio Amaury e Zé Rufino no Cariri Cangaço 2010

Fonte: YouTube  Canal:Aderbal Nogueira

Novamente o mestre das imagens, Aderbal Nogueira, nos brinda com mais um momento ímpar de uma de nossas edições do Cariri Cangaço. Desta vez Aderbal nos traz "recortes" da noite de abertura do Cariri Cangaço 2010 em Crato com a Conferência de Antônio Amaury Correa de Araujo contando com uma mesa composta ainda pelos pesquisadores Ivanildo Silveira, o próprio Aderbal, Lemuel Rodrigues e Honório de Medeiros. Logo após a conferência daquela noite houve debate envolvendo vários pesquisadores de todo o Brasil, com destaque para Alcino Alves Costa, Rostand Medeiros e Alfredo Bonessi, essa noite marcou ainda homenagem prestada pelo escritor João de Sousa Lima, ao conferencista da noite, Antonio Amaury Correa de Araujo. Antes de dá inicio a palestra foi apresentado um vídeo mostrando várias imagens da vida do escritor paulista e ao final foi entregue ao mesmo uma Placa Comemorativa por seus mais de 50 anos dedicados ao estudo e pesquisa da temática cangaço.As boas vindas foram do curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo Barbosa.

Para Relembrar
Noite de Abertura do Cariri Cangaço 2010
17 de agosto de 2010, Salão de Atos da URCA, Crato-CE
Imagens: Aderbal Nogueira

Cangaço; uma aula com Bosco André Por:Aderbal Nogueira

Fonte: YouTube  Canal:Aderbal Nogueira

Rapaz; existem destas pessoas que são marcantes. Por onde vão passando deixam o rastro de camaradagem, coleguismo, retidão, alegria, confiança, enfim. Se este "cabra" for do sertão, ainda sobram muito mais adjetivos para elencar. Assim é João Bosco André; espetacular cidadão de Missão Velha e do Mundo... Só para vocês terem uma ideia o homem é primo do Dom Pedro II e amigo pessoal do Papa. Ir ao Cariri e não tirar um ou dois dedos de prosa com o grande "Padre Bosco"; sim, ainda esqueci, o homem foi ordenado Padre no primeiro Cariri Cangaço; é o mesmo que ir a Roma e não ver o Pontífice... Bosco André é assim, uma alma boa e um coração do tamanho do Vale do Cariri. Pesquisador atento, curioso, de uma memória fora do comum; lembra de detalhes simplesmente impressionantes. Impossível não andar pelas ruas de nossa querida Missão Velha ao lado de Bosco, sem que ele vá logo dizendo: "Ali mora fulano, que é irmão de beltrano que fez isso ou aquilo, acolá tinha um armazém que foi desse ou daquele, por aqui passou sicrano em 1923, etc, etc, etc". Bosco André para nossa honra é um dos Conselheiros Cariri Cangaço e hoje nos dá uma aula sobre cangaço e coronelismo no Ceará pelas lentes do competentíssimo documentarista Aderbal Nogueira, Avante !!!

Manoel Severo, 26 de junho de 2020
Cidadão de Missão Velha
Vídeo: Aderbal Nogueira

A Emblemática Foto de Lampião em Limoeiro Por: Herton Cabral


A emblemática pose fotográfica do grupo de Lampião em Limoeiro 
do Norte, do dia 15 de junho de 1927, revela que o intimorato capitão tinha certeza de que não seria incomodado, pelas autoridades cearenses, no retorno do ataque àquela próspera cidade (Mossoró). Alguns estudiosos, talvez como força de expressão, mencionam que Lampião teria ‘invadido’ o Ceará. Ledo engano. As circunstâncias indicam, pelo contrário, que sua entrada pelo município de Limoeiro do Norte fez parte de uma rota de fuga adrede planejada, que derivou para um ousado passeio pelo aludido centro urbano. Perigosamente situada próximo a capital do Estado, cerca de 200 km, Limoeiro do Norte podia ser alcançada, em questão de horas, mesmo por estradas ruins, se uma força policial motorizada, bem armada e municiada tivesse sido deslocada de Fortaleza,  nos dias 13 e 14 daquele mês e ano, para aguardar e dar combate ao grupo, na eventualidade do retorno. 

Dona Francisca, Herton Cabral e Manoel Severo

Afora a superioridade numérica, a possibilidade de vitória se mostraria ainda mais plausível com a corja já esfacelada e desmoralizada pela fragorosa derrota imposta por Rodolfo Fernandes e seus patriotas. O que acontece então? Lampião entra lépido em Limoeiro, passeia, visita igreja, é bem fotografado, toma café e janta, vai ao telégrafo onde conversa e telegrafa. Apresenta-se despreocupado. Tudo isso ocorrendo só dois dias depois de ter tentado matar, violar e roubar e depredar uma cidade inteira. Em singular depoimento, conta o sr. Custódio Saraiva, então Secretário da Prefeitura e juiz municipal limoeirense, que Lampião parecia tranquilo a ponto de até pretender se demorar na cidade, para aguardar a chegada do resgate exigido pela vida do coronel Antônio Gurgel e esposa. Só desistiu do intento ao tomar conhecimento da aproximação, célere, de volantes da Polícia do Rio Grande do Norte e da Paraíba já seguindo em seu encalço. 


Destaque-se que policiais riograndenses e paraibanos chegaram a vizinha Russas, antes das forças cearenses. O fato é que governo cearense sequer podia alegar surpresa com a presença de Lampião em Limoeiro, pois tivera conhecimento antecipado, através do correto prefeito Rodolfo Fernandes, que os cangaçeiros se aproximavam para atacar Mossoró, o que colocava em grande perigo direto todo o médio Jaguaribe. Um governante precavido certamente teria se antecipado ao provável movimento de fuga lampeonica, deslocando de tropas volantes para fechamento das vias de acesso e combate ao grupo de bandoleiros, agindo em coordenação com as demais polícias. Sem esquecer de reforçar as defesas das principais cidades da região. Mas, para quem havia se negado a prestar a ajuda solicitada pelo destacado cel. Rodolfo Fernandes, nada de bom se podia esperar, mesmo que tivesse de renegar a validade das cláusulas de ajuda recíproca assumidas no vigente convênio interestadual de combate ao cangaceirismo. 

Portanto, quando se examina a sequência de fatos, antecedentes e consequentes, percebe-se que um enredo havia sido traçado para facilitar a escapulida do capitão facinoroso. E nessa trama diabólica envolveram-se insignes chefes políticos, destacados oficiais da briosa polícia e, pasme-se, o próprio presidente do estado, alcunhado  ‘Moreirinha’, se enredou, ou foi enredado, no imbróglio montado pelos seus apaniguados, de que resultou na fuga sensacional de Lampião do Ceará. Faltou a esse dirigente vontade política,  pulso e determinação, pois agiu marcando a história política do Ceará com um indelével sinal de nefasto compadrio político. Então, quando tudo confluía para o vesgo ser desbaratado e exterminado em solo cearense, eis que ressurta Lampião, após marchar por mais de oitenta léguas tiranas em lutas e atropelos, para dar continuidade da vida do crime por mais longos onze anos, deixando atrás de si um rastro de centenas de crimes e famílias enlutadas, até ser pego na ratoeira final de Angico.

Fonte: YouTube Canal: Alex Chaves Monteiro

Herton Cabral, pesquisador
Fortaleza, Ceara


Uma Noite para se Guardar na Memória... Fundação da Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço Por:Manoel Severo


Era uma noite de sexta-feira 13! 13 de março de 2020. Ali na acolhedora Aracaju, capital do estado do Sergipe, torrão nordestino , realizava-se a solenidade de posse do mais novo sodalício brasileiro; nascia no auditório Padre Melo do campus Farolândia, da UNIT - Universidade Tiradentes a Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço - ABLAC, composta por 46 acadêmicos titulares e tendo como primeiro presidente o pesquisador e escritor Archimedes Marques

Sem dúvidas um momento precioso, especial, único, e dizendo isso me vem à lembrança as magníficas palavras do Orador Oficial da noite, confrade Geraldo Ferraz: "...uma academia de Letras e Artes digo que se trata de uma instituição de cunho literário e artístico... fazendo valer uma tradição iniciada no Século XVII com a Academia Francesa. O termo "academia" remonta à Academia de Platão - escola fundada pelo célebre filósofo grego nos jardins que um dia teriam pertencido ao herói Akademus "... citação que quase nos transporta no tempo e no espaço nos permitindo entrar em contato com um dos principais mitos da história da civilização:Platão; um dos mais destacados filósofos que já pisou este planeta e que do período clássico da Grécia antiga, continua a nos influenciar e ser referencia nos mais variados campos do conhecimento e da filosofia humana; além dele, Ferraz nos traz Akademus; mitológico herói da Atica, imortalizado pela literatura clássica ocidental.

Mesa Solene na UNIT : Noite de Posse da Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço
Elane Marques, Secretária da ABLAC

Mas porque falar de filósofos clássicos ou heróis mitológicos logo na introdução desse despretensioso artigo, além de traçar paralelo oportuno com as palavras de Geraldo Ferraz ? Ora, naquela noite certamente não estavam conosco Platão nem muito menos Akademus,mas suas essências pareciam pulsar e fazer valer cada minuto do solene lançamento de nossa Academia; um feito heroico que nasceu lá atras do sonho de um filósofo do sertão e que foi acalentado por muitos e muitos e assumido por heróis da caatinga...

Paulo Gastão entre Ingrid Alidiane e Mabbel, no Cariri Cangaço 2009

A Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço nasceu do sonho do pesquisador Paulo Medeiros Gastão; sonhador inveterado, ousado, empreendedor e acima de tudo, apaixonado pela historia, cultura e arte do sertão; sonho esse assumido por seus e nossos amigos, casal Archimedes e Elane Marques, destacados pesquisadores sergipanos da temática cangaço. Parecia que ali se unia a "fome com a vontade de comer", mas com Gastão era sempre assim, eu mesmo lembro das várias construções de nosso Cariri Cangaço e por tantas vezes Paulo Gastão nos fazia viajar e viajar e viajar e invariavelmente realizávamos, era sempre assim : "Severo que tal esse tema, que tal esse palestrante, já falou com sicrano, convide beltrano..." assim era Gastão, capaz de começar um assunto em Mossoró e só parar em Piranhas, e sem respirar.... Certamente ali havia as essências de Platão, de Akademus, de Gastão...contagiando a essência de todos nós.

Lançamento da ABLAC em noite de Cariri Cangaço, 25 de julho de 2019 

O tempo passou e um dia o sonho de Gastão começa a tornar-se realidade pelas mãos de Archimedes e Elane Marques, que com dinamismo, talento e incomparável competência, na noite de 25 de julho de 2019, na cidade do Juazeiro do Norte aqui no meu Ceará e dentro de nosso Cariri Cangaço - 10 Anos, realizam o lançamento da Academia. Particularmente para mim alegria dupla; primeiro por ser um dos acadêmicos fundadores convidados e segundo por testemunhar tão significativo momento, dentro do Cariri Cangaço, sensacional!

Mas voltando a Platão, voltando a Akademus...e trazendo os membros da prestigiada arcádia das Letras e Artes do Cangaço, novamente e particularmente para mim outra grande alegria, renovada e consolidada na noite solene da posse: dos 46 acadêmicos titulares da Academia, 26 são Conselheiros do Cariri Cangaço, mais de 50% de sua composição; isso nos enche de entusiasmo e responsabilidade, nos dando a certeza que estamos no caminho certo. A esses valorosos Conselheiros Cariri Cangaço se somam mais 20 destacadas personalidades do universo das letras e artes do cangaço e assim temos a augusta ABLAC.

Conselheiros Cariri Cangaço empossados como Imortais da Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço; Archimedes Marques, Luiz Ruben, Geraldo Ferraz Louro Teles, 
Ana Lucia e Junior Almeida.
Conselheiros Cariri Cangaço empossados como Imortais da Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço; Rangel Alves da Costa, Narciso Dias, Antônio Vilela, Professor Pereira, Bosco André e Aderbal Nogueira.
Conselheiros Cariri Cangaço empossados como Imortais da Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço; Kiko Monteiro, Edvaldo Feitosa, Elane Marques, João de Sousa Lima, Quirino Silva e Valdir Nogueira.

Escrevo esse artigo motivado preponderantemente pela gratidão, pelas razões já enumeradas acima, ou seja, pelo convite para formar ao lado de ilustre confrades o prestigiado sodalício recém-criado , por ter como patrono o inesquecível Jonas Luiz da Silva, de Icapuí; por seu lançamento acontecer em uma das edições do Cariri Cangaço, por mais da metade de seus membros serem Conselheiros do Cariri Cangaço e ainda na noite solene de posse ter sido convidado para apadrinhar cinco estimados confrades, amigos, companheiros de sonhos e realizações: Ivanildo Silveira, Sousa Neto, Calixto Junior, Wescley Rodrigues e Domingos Paschoal; isso não tem preço. A cada entrega dos fardões, diplomas e colares era como se confirmássemos o sonho de Gastão, que era na verdade, de todos nós. 

Manoel Severo, curador do Cariri Cangaço tendo a honra de apadrinhar os também Conselheiros Cariri Cangaço, empossados como Imortais da Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço; Dr Ivanildo Silveira, Sousa Neto, João Tavares Calixto Junior e Wescley Rodrigues.
Ingrid Rebouças e Manoel Severo em noite de posse da ABLAC

Foi uma noite espetacular, para se guardar na memória e no coração; assim, permitam elencar os acadêmicos da ABLAC; são membros titulares da ABLAC os Conselheiros Cariri Cangaço: Archimedes Marques, Ângelo Osmiro, Ana Lúcia Souza, Aderbal Nogueira, Antônio Vilela, Bosco André, Calixto Junior, Edvaldo Feitosa, Emmanuel Arruda, José Cícero, Junior Almeida, Geraldo Ferraz, Ivanildo Silveira, Juliana Pereira, Kiko Monteiro, Leandro Cardoso, Luiz Rubem, Louro Teles, Manoel Severo, Múcio Procópio, Narciso Dias, Professor Pereira, Rangel Alves da Costa , Raul Meneleu, Sousa Neto e Wescley Rodrigues, tendo ainda os Conselheiros Cariri Cangaço, João de Sousa Lima, Valdir Nogueira e Quirino Silva, empossados como Acadêmicos Correspondentes. 

Personalidade empossadas como Imortais da Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço; Dênis Carvalho, Major Marins, Severino Coelho, Abreu Mendes, Gilmar Farias e Bismarck Oliveira.
Personalidade empossadas como Imortais da Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço; Marcelo Rocha, Wilson Seraine, José Bezerra Lima Irmão, Pedro Sampaio, Amélia Uchôa e Domingos Paschoal.

A esses uniram-se; Dênis Carvalho, Bismarck Oliveira, João Dantas, Severino Cavalcante, Oswaldo Abreu, Gilmar Farias, Voldi Ribeiro, Wilson Seraine, Marcelo Rocha, Marcos Damasceno, Paulo Britto, Major Marins, Sálvio Siqueira, Pedro Sampaio,  Lamartine Lima, Sabino Bassetti, João Paulo, José Bezerra Lima Irmão e Antônio Porfírio. E é como eu disse na noite de posse  "a fundação da ABLAC marca um novo momento do estudo e pesquisa sobre o cangaço e temas nordestinos, nesta noite resgatamos e colocamos em seu verdadeiro patamar esse conjunto de importantes temas que consolidam a força da verdadeira alma nordestina. É uma noite de festa em que vemos unidos a SBEC, o Cariri Cangaço e os principais grupos de estudo com um único objetivo, avante"
 

Manoel Severo
Curador do Cariri Cangaço, 
Acadêmico Fundador da ABLAC
25 de junho de 2020

Memória e Identidade Regional do Cangaço - FAFIC Por:Wescley Rodrigues

Fonte: YouTube Canal:Faculdade FAFIC

Em comemoração ao mês junino a Faculdade FAFIC - Paraíba preparou uma live especial com o tema: "Memória e identidade regional do Cangaço", o convidado foi o Prof. Wescley Rodrigues Dutra, Bacharel em Direito e História; Mestre em História e Doutorando em Letras com foco na Argumentação Jurídica; Wescley Rodrigues é pesquisador, membro da SBEC e da ACLA como também Conselheiro do Cariri Cangaço.

22 de Junho de 2020.

Lamartine Lima e Maranduba !

Lamartine Lima, Elisângela e Manoel Severo

Estimado amigo e brilhante pesquisador e historiador nordestino e curador do Cariri Cangaço Manoel Severo,meus cumprimentos efusivos pelo seu importante artigo sobre o “Fogo da Maranduba”, acontecido em 09/01/1932, (ver em : http://cariricangaco.blogspot.com/2020/04/grandes-artigos-cariri-cangaco-o-fogo.html )  quando as duas forças policiais volantes e emulantes, baiana e pernambucana, comandadas, respectivamente, pelos Oficiais Liberato de Carvalho e Manoel Neto, perfazendo, em conjunto, mais de 90 homens, se confrontaram com os pouco mais de 30 cangaceiros do bando de Lampeão, combate que se tornou célebre pela demonstração de estratégia e tática dada pelos cabras contra a lamentável competição e  desorganização dos soldados (na minha óptica de Oficial Superior com o Curso da Escola de Guerra Naval, onde, entre outras matérias, estudamos Comando, Estratégia e Tática de Batalha), que levou ao desastroso resultado para os defensores da sociedade e a vitória bélica dos bandidos. 

Você teve o cuidado de, amparado em fortes autores de respeitáveis trabalhos, passar em revista os antecedentes daquela luta, desde a geografia regional dali, a situação sócio-política de então sob o domínio do “coronelato” que, através do encadeamento de seus apaniguados, fornecia o apoio logístico a ambos os lados, mantendo-se em equilíbrio para preservar suas propriedades e seu poder pessoal e político, até a audiência dos testemunhos de participantes, descrevendo, com a exatidão possível, o cenário e a sucessão dos acontecimentos, trazendo para o seu leitor a melhor visão daquele fato histórico. Parabéns! 
Abraço, o mais cordial.

Lamartine Lima
Salvador-BA

Ainda sobre Maranduba !


Muito bom e pertinente às comemorações dos 10 anos do blog e 80 anos do mestre Alcino. As citações e fontes estão impecáveis. Maranduba é uma mostra de como a soberba e o orgulho são danosos. Essa disputa de Ego entre Mane Neto e Liberato, além da subestima à Lampião, poderiam ter terminado de maneira bem mais trágica... Não sei como as forças pernambucanas e baianas não entraram em confronto entre eles... meus parabéns mestre Severo! Forte abraço!!
Dênis Carvalho, pesquisador, membro da Academia Brasileira de Letras e Artes de Cangaço; Floresta, Pernambuco


Li ontem à noite, com toda atenção, seu belo trabalho sobre o “Fogo do Maranduba”. Trata-se de extensa e bem elaborada pesquisa, com a citação das fontes, inclusive complementada com notas e fragmentos de pesquisa oral recolhida diretamente no palco da luta. Já havia lido vários relatos dessa grande e mortal batalha entre Lampião e a volante dos nazarenos e a força baiana. Seu relato, porém, foi além do esperado, conseguindo ser mais preciso e bem documentado, inclusive com fotografias atuais e de época. Consegue transportar o leitor para o centro dos acontecimentos, dando um toque de realidade que vai dos primórdios até o desfecho da luta. O trabalho também evidencia, de modo contundente, que as forças legais padeciam de graves deficiências de comando, estratégia e tática que lhe impediam, neste e em outros importantes recontros da luta contra o cangaceirismo, de usar a vantagem numérica, assim como do melhor armamento e fartura de munições para superar o adversário astucioso e valente. A batalha de Maranduba mostrou que não bastava a valentia individual do comandante de volante para vencer Lampião e seus asseclas. Foi uma pena a morte desnecessárias de tantos heroicos policiais e volantes para nada. Parabéns, mestre Severo!
Dr Herton Cabral, pesquisador do cangaço e nordeste
Fortaleza, Ceará


Meu amigo, que preciosidade! Todo o encadeamento dos episódios que culminaram na (no?) Maranduba. Inclusive as entrelinhas da dissimulação de forças políticas, familiares em tênue equilíbrio. Esse texto merece publicação com livro. Sugiro ao amigo dividí-lo em capítulos e publica-lo. Texto extremamente necessário ao pesquisador realmente comprometido.
Leandro Cardoso Fernandes, pesquisador e escritor, Conselheiro Cariri Cangaço;Teresina, Piauí.

Junho de 2020

Foto Histórica por:Leandro Cardoso

Compartilhando essa foto com os amigo do Cariri Cangaço:
O casal Napoleão Franco da Cruz Neves (em cujas terras Lampião assume em 1922 a chefia do bando) e Donana Neves do Jardim (Ana Pereira Neves, irmã de Né da Carnaúba). Ao lado dela se terno escuro um dos vários Pereiras que se homiziaram em suas terras (segundo Dr. Napoleão estava se recuperando de ferimentos sofridos nas pelejas do Pajeú). Atrás dele, Joaquim Pereira Neves, pai do Dr. Napoleão Tavares Neves. A foto é de 1920.

Leandro Cardoso Fernandes
Conselheiro Cariri Cangaço

Do Fundo do Baú : Fuzilados do Leitão no Cariri Cangaço

Fonte: YouTube Canal:Aderbal Nogueira

Um dos pontos altos de qualquer visita para pesquisa sobre o cangaço no município de Barbalha sem dúvidas é a visita ao cenário emblemático do monumento dos Fuzilados do Leitão ; o famoso Alto do Leitão.  Ali, há poucos quilômetros do centro de uma das mais acolhedoras cidades do cariri cearense, "à beira da Estrada da Feira" que ligava Barbalha a Crato, aconteceu a covarde chacina do grupo do cangaceiro Lua Branca, último dos irmãos Marcelinos, pelo Sargento José Antônio da policia do Ceará. O Cariri Cangaço esteve por diversas vezes realizando pesquisa de campo e em 2010 ao lado de grande caravana, proporcionou um dos momentos marcantes daquela edição, ora documentada pela Laser Vídeo do Conselheiro Cariri Cangaço, Aderbal Nogueira, disponibilizada em seu prestigiado canal no You Tube, vale a pena rever. 

O Massacre do Alto do Leitão foi sem dúvidas um dos mais marcantes episódios do cangaço na região do Cariri. No dia 05 de janeiro de 1928 o último dos irmãos Marcelinosnesta época seus dois irmãos: Bom de Veras e João 22 já haviam sido eliminados; conhecido por Lua Brancaseria barbaramente assassinado pelo grupo do sargento José Antônioquando supostamente eram transferidos pela "Estrada da Feira", de Barbalha para cadeia do Crato e dali para Fortaleza. 

Caravana Cariri Cangaço 2010 no Alto do Leitão, Barbalha Ceará

Na oportunidade o mais novo dos Marcelinos era morto, ao lado dos companheiros João e Joaquim GomesPedro Miranda e Manoel Toalha, naquela dia os presos foram tirados da casa de detenção, a cadeia de Barbalha, com o destino ao Crato, o trajeto era feito por uma antiga estrada usada pelos almocreves que transportavam alimentos e outros gêneros oriundos da Serra do Araripe e das redondezas, para a feira do Crato (Estrada da Feira) . Cerca de alguns quilômetros do centro de Barbalha, o inesperado...

O sargento José Antônio junto a seus homens; ordenou que parassem e de posse de enxadas e pás começassem a cavar covas rasas à beira do caminho. O desespero e a coragem do grupo acabou tornando a chacina ainda mais dramática. Uns conseguiram com coragem cavar e esperar o desfecho provável... Outros não conseguiram e tentaram correr em fuga, todos tiveram o mesmo fim: Morte e sepultamento nas covas cavadas pelos próprios presos.  A antiga "Estrada da Feira" ainda guarda suas marcas  por entre as cercas e o que restou da caatinga bruta desses lados do sertão cearense.  

Cariri Cangaço 2010 Alto do Leitão
Por: Manoel Severo
Vídeo Aderbal Nogueira - You Tube

Nasce em Aurora a AALA - Academia Aurorense de Letras e Artes


Aurora, uma das mais tradicionais cidades do sul cearense, encravada no magnifico Vale do Salgado, lançou no último dia 11 de junho, a AALA - Academia Aurorense de Letras e Artes. A data de sua inauguração celebra também os 130 anos de Lei Orgânica do município caririense. A Academia Aurorense de Letras e Artes é composta por 45 acadêmicos; personalidades de destaque no mundo das letras e artes do tradicional rincão cearense.O pesquisador, escritor e Conselheiro Cariri Cangaço, João Tavares Calixto Júnior, é o primeiro presidente do destacado sodalício da Vale do Salgado, para ele "um dos propósitos da AALA é sem dúvidas aproximar os grandes nomes da história do município com os moradores por meio de cursos, oficinas, concursos, palestras, fortalecendo e fomentando ainda mais a cultura e arte de nossa região".

O lançamento se deu de forma virtual pela atual impossibilidade de encontros presenciais. A partir dessa sessão virtual; realizada através da plataforma google meet; intelectuais e entusiastas das artes e literatura filhos da terra, reuniram-se para fundar o prestigiado sodalício. A sessão virtual contou com as presenças de sete integrantes da diretoria; além do presidente, João Tavares Calixto Junior; tivemos ainda o Advogado, Ex Deputado Estadual e Presidente da OAB e também Escritor Paulo Napoleão Gonçalves Quezado (Paulo Quezado), residente em Fortaleza e ocupante do Cargo de Secretário Geral; O Poeta e Monge Beneditino Dom Tito Leite (Cicero Leilton Leite Bezerra) da Ordem de São Bento de Olinda, autor de dois grandes trabalhos poéticos de repercussão internacional, que ocupa o cargo de Vice-Presidente; O Escritor Luiz Cezar Carneiro Rodrigues (Cezar Carneiro), residente em Fortaleza, autor de 10 livros dos gêneros ficção, ficção científica e romance espírita, que ocupa o cargo de Diretor Executivo; o procurador e escritor jurídico Paulo Henrique Leite Gonçalves, residente em Fortaleza, que ocupa o cargo de Diretor de Eventos e Finanças; o Cineasta Lamarck Dias, residente em Fortaleza, que atua com destaque no cinema nacional, ocupante do cargo de Diretor de Comunicação; o Músico e Professor Wagner Layb, residente em Aurora, autor de composições instrumentais e arranjador, ocupante do cargo de 2º Secretário, além do advogado aurorense Dr. Vicente Landim de Macêdo, Acadêmico residente em Brasília, autor de vários livros sobre a trajetória de sua família em Aurora. 
  
João Tavares Calixto Júnior e imagens da Sessão Virtual da AALA

A Academia tem como Patrono perpétuo o Padroeiro do Município, o Senhor Menino Deus. Como Presidente de Honra o Prof. Francisco Tarciso Leite, como Paraninfo o Prof. Luiz Domingos de Luna e como Madrinha, a Prof.ª Severina Luna. São 45 Cadeiras ocupadas por membros titulares e efetivos, sendo que cada cadeira é designada numericamente, com um patrono imutável em homenagem a personagens que tenham se destacado nas letras, artes, educação ou desenvolvimento social no município em vários períodos da história:

Acadêmico(a) Patrono/Patronesse

1. Geraldo Simplício (Nêgo) / Aldemir Martins

2. Paulo Napoleão Gonçalves Quezado / Napoleão Quezado Filgueiras

3. Luiz Cezar Carneiro Rodrigues / Manoel Joaquim Carneiro

4. Antônio Alcymar Monteiro dos Santos / Pompílio Teles de Pontes Mendonça

5. João Tavares Calixto Júnior/   Alferes João Luiz Tavares

6. Des. Maria Nailde Pinheiro Nogueira / Des. Jaime Alencar Araripe

7. Des. Luiz Evaldo Gonçalves Leite / Hermenegildo de Sá Cavalcante

8. Cícero Leilton Leite Bezerra (Dom Tito Leite) / Deoclécio Leite de Macêdo 

9. Pe. Benedito Evaldo Alves (Pe. Evaldo) / Mons. Vicente Augusto Bezerra

10. Madre Maria Aurélia Gonçalves Grecy / Prof.ª Maria do Socorro Alencar Araripe

11. Pe. Sóstenes Tavares de Luna / Pe. Francisco Luna Tavares (Pe. Luna)

12. Vicente Landim de Macêdo / Maria da Soledade Landim (Marica Macêdo)

13. Francisco Barros Sobrinho (Franco Barbosa) / Prof. Luiz Gonçalves Maciel

14. Glória Maria Ramos Tavares  / Francisca Augusta da Silva (Mártir Francisca) 

15. Francisco Gildemir de Sousa Chagas / Benedito José dos Santos

16. Maria Socorro Lucena Lima / Profª. Antônia Raymunda Alves de Lima

17. Vicente Bandeira de Aquino Neto / Pe. Antônio Leite de Oliveira

18. Francisco Newton Quezado Cavalcante / José Nairton Quezado Cavalcante 

19. Luis Marcos Lima Ferreira  / Maestro Esmerindo Cabrinha da Silva

20. Maria Marleide Duarte / Prof.ª Adília Oliveira Lobo

21. Paulo Henrique Leite Gonçalves  / Antônio Gonçalves Ferreira (Cap. Sinhozinho)

22. Raimundo Jean Tavares de Luna (Jean Tavares) / Amarílio Gonçalves Tavares

23. Heitor de Sá Gonçalves (Dr. Heitor Gonçalves) / Dr. José Anastácio Magalhães

24. Antônio Pinto Fernandes (Mestre Antônio) / José Pinto Fernandes

25. José Cícero da Silva / Francisco Leite Serra Azul

26. José Dantas da Silva (Dr. Josenir Dantas) / Pe. José Gonçalves Landim

27. Maria Oderlânia Torquato Leite  / Major Moisés Leite de Figueiredo

28. Pe. Francisco de Barros Barbosa  / Mons. Vicente Pinto Teixeira

29. José Idemário Tavares de Oliveira  / Simplício Carneiro de Oliveira

30. Poeta Ismael Pereira da Silva / Poeta Manoel Pereira

31. José Arimatéia Macêdo  / Pe. Januário Ribeiro Campos

32. Pedro Jorge Pinto de Castro / Francisco Xavier de Souza (Cel. Xavier)

33. Ana Leopoldina Macêdo Quezado /  José Leão Gonçalves (Dom Alberto)

34. Pe. José Wilton Leite / Pe. Francisco Bezerra França (Pe. França)

35. Sebastião Tavares da Cruz (Didi Tavares) / Pe. João Tavares de Lima

36. Francisco Barbosa de Oliveira (Franzé d’Aurora)/  Felismino Correia Lima

37. Samuel Nunes Magalhães José Alves Magalhães

38. Josina Nunes Magalhães Roncisvalle / Agostinho de Oliveira Lima 

39. Afonso Cesário de Sousa / Januário Alves Feitosa

40. Poeta Cícero Saraiva Neto / Juraci Saraiva Menezes

41. Elizete Alves de Albuquerque / Esperança Caetano de Luna

42. Wagner Layb Luna Oliveira / Maestro Ten. Miguel Fernandes Leite

43. Lamarck José dos Santos Dias / Pe. Agostinho Affonso Ferreira

44. Poeta Cícero Cosme Freire da Silva / Dr. José Dácio Leite

45. José Alves do Nascimento / Joaquim Antônio dos Santos (Joaquim Paulino)

A entidade tem por objetivos: congregar pessoas que se dediquem às atividades literárias e artísticas nas mais diversas formas de expressão, realizar estudos e pesquisas na área da literatura local e regional, promover e incentivar a cultura e a aproximação da classe estudantil através da realização de exposições, concursos, cursos e outras atividades de natureza cultural, propagar o culto, o estudo e a exaltação e a divulgação da vida e da obra de personagens históricos e figuras literárias e artísticas que ajudaram a construir a grandeza do município de Aurora. Também objetiva coletar, pesquisar, elaborar e divulgar estudos e informações de cunho cultural, relacionados aos interesses da entidade, e, por fim, promover o aprimoramento da língua pátria nos seus aspectos científico, histórico e artístico por meio de divulgação (impresso e online) das publicações dos acadêmicos em um periódico de circulação anual. A entidade também objetiva outorgar condecorações com o objetivo de reconhecer iniciativas de pessoas físicas e jurídicas na área lítero-cultural, quer como promotores, incentivadores ou agentes de produção do conhecimento com ações voltadas especificamente para o município de Aurora. 

Lançamento da AALA, 11 de Junho de 2020


Grandes Artigos Cariri Cangaço: O FOGO DO MARANDUBA por Manoel Severo


Bem vindos à extraordinária Saga de Maranduba. Permitam dessa forma iniciar um dos mais novos capítulos do blog do Cariri Cangaço em comemoração aos seus dez anos e às mais de 4 milhões de visualizações de nossa página: Grandes Artigos Cariri Cangaço. Também hoje; nesse 17 de junho de 2020; de maneira especial, celebramos os 80 anos de nascimento de nosso Patrono, nosso Mestre, e acima de tudo nosso inesquecível amigo: Alcino Alves Costa, esse Capítulo dedicamos a você querido Caipira de Poço Redondo. Aqui periodicamente estaremos trazendo super artigos contemplando alguns dos mais significativos episódios da saga cangaceira e iniciaremos com o emblemático "Fogo do Maranduba" em 9 de janeiro de 1932. 

Ah Maranduba... Quanto ainda teremos que nos debruçar sobre ti para rebuscar fragmentos da verdade histórica deste que sem dúvidas foi um dos fenômenos mais fortes e intrigantes de toda a historiografia do nordeste: O Cangaço! Ah Maranduba, fazenda Maranduba dos Soares, Maranduba de Poço Redondo, do Sergipe; uma das três pérolas da coroa dos vitoriosos combates entre o rei cego Virgulino e as volantes sertanejas. As outras duas ? Serra Grande, em Pernambuco e Serrote Preto, nas Alagoas.


Alcino Alves Costa e Manoel Severo ao retornar da Maranduba em 2008.

As Terras da Maranduba 

Sergipe viria a se consolidar como um verdadeiro "feudo" do rei do cangaço por todo o período em que durou seu segundo reinado; entre 1929 e 1938. Foi a partir dali que Lampião estabeleceu um novo "estilo" de atuação dos bandos cangaceiros; consolidando a divisão de seu numeroso bando em pequenos grupos comandados por sub chefes, atuando em vários lugares ao mesmo tempo, confundindo e desmobilizando os esforços das forças policiais perseguidoras, como o Mestre Alcino Alves Costa, patrono do Conselho do Cariri Cangaço indica: "O poder de Lampião era tão grande que ele teve a ousadia de dividir partes do Estado de Sergipe nos moldes das antigas sesmarias, colocando seus principais homens, como se fossem sesmeiros, à frente de vastas glebas de terras, por exemplo: na região que compreende os municípios de Frei Paulo, Carira, em Sergipe, e Paripiranga, na Bahia, o domínio de Zé Baiano; em Porto da Folha, Gararu e N. S. da Glória, o senhor daquelas terras era o cangaceiro Mariano, em Poço Redondo e Monte Alegre de Sergipe, o domínio era de Zé Sereno e em Canindé, o poder estava nas mãos de Juriti", enfim.

Seria também em Sergipe que o Rei do Cangaço encontraria seus mais destacados "coiteiros", todos da mais alta "patente", como veremos mais à frente e também em Sergipe teríamos seu último ato: Angico; no antigo município de Porto da Folha; atualmente em território emancipado de Poço Redondo,  berço de Alcino Alves Costa, território de muitas histórias, tradição,  e território onde localiza-se a famosa Maranduba. Seguimos com o próprio Alcino Alves Costa que nos apresenta Maranduba:"O cerrado de Maranduba era, e ainda é, uma das mais faladas caatingas da região sertaneja de Sergipe, mataria grossa: o cipó de leite, bom nome, angico, aroeira, braúna, barriguda, umburana, quixabeira e umbuzeiro, morada do gato, da ema, do caititu, do tatu bola e do peba.  Pastos onde só vaqueiros machos corriam atrás de bois, vaqueiros escolhidos e famosos como os Soares, o maioral Milinho, João Preto, os Teobaldo, os do Cuiabá e os de João Maria: Adolfo e Manezinho Cego, o famoso Manezinho de Rosara.” 




O alto sertão sergipano, grifado em laranja no mapa (Mapa atual de Sergipe) destaca seus sete municípios : Canindé do São Francisco, Poço Redondo, Porto da Folha, Monte Alegre, Nossa Senhora da Glória, Gararu e Nossa Senhora de Lourdes. Na época do Fogo do Maranduba, janeiro de 1932, Poço Redondo pertencia a Porto da Folha.
Sergipe "feudo do rei do cangaço"Feudo é a terra ou uma fonte de renda concedida por um suserano ao vassalo, em troca de fidelidade e ajuda militar. Essa prática desenvolveu-se na alta Idade Média, no governo de Carlos Magno após o fim do Império Romano e foi a base para o estabelecimento de uma aristocracia fundiária.


Maranduba por Ingrid Rebouças em 2018
 Os velhos umbuzeiros da Maranduba, até os dias de hoje, testemunhas mudas do grande combate, foto de 2012.
 Conselheiro Cariri Cangaço, Mucio Procópio e pesquisador Pedro Camelo em visita do Cariri Cangaço a Maranduba em 2012.
Ruínas da antiga casa da fazenda Maranduba.

A grande maioria dos pesquisadores acostumamos a chamar :"Fogo DA Maranduba", mas os do lugar referem-se ao episódio com o substantivo no masculino, ou seja, "fogo DO Maranduba". É Manoel Belarmino; pesquisador e escritor de Poço Redondo; que nos fala: "O Sítio e o Maranduba eram duas fazendas que, no tempo do Cangaço, pertenciam aos Soares, meus antepassados." Quem sai das Alagoas, atravessa o São Francisco e entra em Sergipe por Canindé, pega a rodovia SE 230 rumo a Poço Redondo por cerca de 22 km. Na entrada da cidade se segue por uma estrada de terra à direita por cerca de uns 17 km passando por vários lugarejos e fazendas; inclusive a casa da ex-cangaceira Adília; vislumbrando ao longe a famosa Serra Negra; de João Maria e Zé Rufino; se chega a incomparável fazenda Maranduba, palco de um dos mais espetaculares e sangrentos combates do ciclo lampiônico, o conhecido Fogo do Maranduba, ali somos anfitrionados pela capela de Santa Luzia. 

Capela de Santa Luzia no povoado do Maranduba, sob o por do sol sertanejo; anfitriã dos visitantes do importante cenário da historiografia cangaceira, foto de 2018.

O Fogo do Maranduba sem dúvidas se configura como mais um surpreendente combate onde Virgulino novamente mostraria sua vivacidade e o pleno conhecimento do lugar, além de táticas de combate na caatinga; em alguns desses em ambiente hipoteticamente desfavorável, como era o caso ali na fazenda Maranduba; em função do relevo e da vegetação do lugar, claro que com alterações naturais pela ação do tempo e do homem, hoje mudados. Do cenário da batalha pouco se conservou, a casa da fazenda toda ruiu, a vegetação típica da caatinga da época virou uma grande roça, poucas pedras, as pias secas, apenas os enigmáticos umbuzeiros e a cruz que marca o local do sepultamento dos homens de Nazaré, testemunham contra o tempo, aquela que foi uma das mais significativas vitórias de Virgulino Lampião. 

Curiosamente pesquisando a etimologia da palavra "maranduba" , vamos encontrar que sua formação, em tupi-guarani significa curiosamente e literalmente, 
"noticia da guerra"... Ironia do destino, crueldade na história.

Sergipe e a Grande Rede de Apoio ao Cangaço

O ano era 1932, comecinho de janeiro. O alto sertão sergipano parece que já se acostumara com a presença dos bandos de cangaceiros, indo e vindo, fazendo das fazendas, vilas e lugarejos, suas pousadas inveteradas, sob os auspícios dos "Britto" ,notadamente o doutor Hercílio de Britto; filho do grande coronel Francisco Porfírio de Britto, o maioral de Propriá e responsável pelo franco desenvolvimento da antiga vilinha de Canindé de Baixo, posterior Canindé do São Francisco; como também dos "Carvalho" do poderoso coronel João Maria, da Serra Negra no vizinho estado da Bahia, sem falar no poderoso Antônio Carvalho, ou Antônio Caixeiro da Borda da Mata, pai de Eronildes de Carvalho, capitão do exercito e interventor de Sergipe. Certamente essas "ligações não tão perigosas" mantinha o bando de Lampião totalmente a vontade fazendo de algumas cidades do sertão sergipano, verdadeiros quintais de crueldade e violência, assim foi em Canindé naquele janeiro de 32. 

Hercílio de Britto, sentado ao lado da esposa Dona Ida de Britto, e dos filhos

É Frederico Pernambucano de Mello em seu livro "Guerreiros do Sol" que no revela:"Sergipe... desde de 1929 convertera-se na mais apreciada estação d'águas do Rei do Cangaço... Verdade é que Sergipe sempre  foi um palco aberto às andanças e refúgios de Lampião, permanentemente bafejado ali pela simpatia das influentíssimas famílias Brito e Carvalho, dos municípios de Propriá e Canhoba, chefiadas respectivamente, pelos coronéis Francisco Porfírio de Brito, da fazenda Jundiaí, e seu filho Hercílio, e Antônio Carvalho,o Antônio Caixeiro ou, ainda, Antônio da Borda da Mata - nome de uma de suas quarenta fazendas, situada às margens do São Francisco - e seu filho Eronildes, capitão-médico do exercito, ocupante por mais de uma vez do governo do estado nos anos 30". 

Antônio Caixeiro, pai de Eronildes de Carvalho; o poderoso Antônio da Borda da Mata
 Manoel Severo e Archimedes Marques em visita ao lado de Elane Marques e Ingrid Rebouças à emblemática fazenda Borda da Mata de Antônio Carvalho, o Antônio Caixeiro no  município de Canhoba em Sergipe em 20 de janeiro de 2018.
Logo que se chega ao vilarejo do distrito, sendo acompanhado pelas margens do São Francisco se avista de longe a imponente "Borda da Mata" que se agiganta sobre uma pequena e estratégica elevação, de onde certamente seu mandatário mantinha as terras e os homens sob sua vigilância inconteste. A atmosfera do lugar é simplesmente espetacular, sob o testemunho do grande rio e a brisa forte típica da caatinga, estávamos pisando um solo sagrado da historia nordestina. 
A edificação hoje em ruínas ainda mantém seu glamour e sua força. A Casa Grande reflete o poderio econômico dos Carvalho, os cômodos se sucedem cheios de detalhes de decoração nas antigas paredes, arcos e fachadas principais, permitindo-nos viajar no tempo e voltar aos idos dos anos 20 e 30 quando de Canhoba a dinastia Carvalho, de Antônio Caixeiro e seu filho, Capitão de Exercito, médico e depois interventor do estado, Eronildes de Carvalho, mandavam em Sergipe.  
 Neste chão pisaram os poderosos de Sergipe e suas sombras...os cangaceiros 

Vamos recorrer ao pesquisador Kiko Monteiro; Conselheiro Cariri Cangaço; que nos auxilia e traz o escritor cearense Nertan Macedo quando entrevistou o interventor Eronildes de Carvalho justamente quando da primeira passagem de Virgulino ainda em 1929 na Borda da Mata ao lado de 20 homens e foram "anfitrionados" pelo poderoso coronel. "Lampião conhecia “os Carvalho” desde a sua juventude. Quando percorreu a maioria dos caminhos que viria a fazer mais tarde como bandoleiro. Revendendo nas fronteiras de Alagoas e Sergipe, como simples almocreve conheceu a família. E agora já como poderoso chefe cangaceiro, aproveitou para visitar o Coronel. Sabendo do poder do grande comerciante Lampião pediu abrigo e comida, sendo prontamente atendido, onde lhe foi autorizado o abate de rezes etc, mas que seus moradores e contratados não fossem molestados por seus homens."
Eronildes Ferreira de Carvalho; governador de Sergipe entre 02.04.1935 a 30.06.1941. Nasceu no povoado Borda da Mata em Canhoba, município de Propriá no dia 25 de abril de 1895; Canhoba hoje é Município independente; seus estudos iniciais foram em Maceió no Estado de Alagoas. Em 1911 ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia formando-se em 20 de Dezembro de 1917. Ao regressar a sua terra natal,ocupou vários cargos ligados a área de saúde. Em 1923 iniciou a carreira militar, como segundo-tenente do corpo de Saúde do Exército sendo destinado a servir no 10º Regimento de Cavalaria Independente de Bela Vista em Mato Grosso, sendo transferido logo em seguida para servir no 28º Batalhão de Caçadores em Aracaju, como oficial médico. Ao contrário de Maynard, Eronildes não se envolveu nas revoltas e intentonas de 1924 e 1926. Durante a Intervenção de Maynard no governo (1930-1935) Eronildes manteve-se no 28º Batalhão de Caçadores.Com o golpe de 1937, Eronildes passou a ser Interventor Federal. No inicio ele se identificou bastante com o novo regime, mas, aos poucos foi se afastando, chegando até 1941, quando através de uma carta ao então Presidente Getúlio Vargas colocou seu cargo a disposição, assumindo como interventor o comando do Estado Milton Azevedo. Após a renuncia fixou residência no Rio de janeiro, onde exerceu vários cargos públicos escreveu discursos e relatórios técnicos de saúde pública. Foi casado com a Sra. Ivete de Melo Gois. Faleceu em 18 de março de 1969. https://www.palacioolimpiocampos.se.gov.br 
E continua Kiko Monteiro "Eronildes foi apresentado a Lampião em agosto de 1929, durante os dias em que se restabelecia de uma enfermidade na fazenda Jaramataia propriedade de seu pai no município de Gararu. Algumas biografias dão conta de que esse encontro se deu “antes” de ele estar com Caixeiro. Outras que foi numa visita do interventor até a Borda da Mata. A ordem dos fatores… Em ambas há um mesmo parágrafo: Trocam cumprimentos e o Dr. faz a Lampião uma indagação que entrou para galeria das “máximas cangaceiras: – “Então, como devo chamá-lo, capitão ou coronel? Porque eu também sou capitão e deve haver aqui uma hierarquia – como oficial do exército não posso ser comandado pelo senhor”. Lampião compreendeu a malícia e replicou– “Pois desde já o senhor está promovido a coronel”.
"Lampião e seus cabras passaram quase todo o ano de 1929 em Sergipe, onde na mais perfeita  tranquilidade circulavam da Borda para a Jaramataia. Foram longas conversas, documentadas pela câmera fotográfica de Eronildes. Em 27 de novembro de 1929 foram registrados os momentos em que o cangaceiro posa de perneiras que compunham o uniforme do capitão Eronildes (acima)
Fonte:Lampião Aceso de Kiko Monteiro
 Lampeão e seu o bando, na Jaramataia.
Lampeão e seu grupo montados em cavalos. 
A tragédia das ferrações em Canindé

Naquele distante janeiro de 32, Lampião e seu bando estacionaram em Canindé; atual Canindé do São Francisco; é Luitgarde Barros em seu livro "A Derradeira Gesta" que nos conta:"o lugarejo devia estar mais que guarnecido, já que, cumprindo uma das promessas de 30, o governo tinha distribuído pelotões do exercito por várias localidades do sertão, para o combate ao cangaço. Em Canindé esta sediado um destacamento do exercito sob o comando do Tenente Matos, do 28º B.C.de Aracaju" e continua Luitgarde,"Lampião resolve punir o povo de Canindé mandando avisar por um coiteiro que está arranchado ali perto. O oficial decide ir dar fogo aos cangaceiros, pedindo ao coiteiro que os leve ao esconderijo, se retira do povoado com o sargento Jucá, todos os seus praças e dua volantes de Sergipe comandadas pelo sargento Miranda e tenente Manoel Ramos, deixando o lugar totalmente desguarnecido".

Ali moravam vários membros da família Marques, dentre esses o soldado Vicente Marques que em ocasião passada havia espancado a mãe do cangaceiro José Baiano para que ela denunciasse o paradeiro do filho bandido. O momento da vingança havia chegado... O "gorila de Chorrochó" como era conhecido José Baiano, perpetuaria ali um dos mais bárbaros e cruéis episódios contra a dignidade humana, Alcino Alves Costa chamou de "Tragédia de Canindé do São Francisco". 


Cangaceiro José Baiano, protagonista das "ferrações" em Canindé 

Primeiro foi capturada a irmã do soldado; Maria Marques, a infeliz sertaneja receberia na face a sanha do perverso cangaceiro. Segundo o escritor José Bezerra Lima Irmão em seu "Raposa da Caatinga" : "...Zé Baiano decidiu deixá-la marcada para sempre e mandou que um morador chamado Zé Rosa fosse buscar um ferro de marcar gado. Zé Rosa tinha sido vaqueiro do finado coronel João Brito (João Fernandes de Brito). Trouxe o primeiro ferro que encontrou, o ferro utilizado no passado para marcar os bois de seu falecido patrão, que tinha as letras “J-B”, de João Brito." Aqui, a partir do relato de Bezerra a origem do ferro "JB" que não teria ligação com o nome do cangaceiro. Foram marcadas em ferro da mesma forma mais outras duas mulheres, que possuíam ligações com as forças volantes. 

O fato de perpetrar tão medonho ato em Canindé de Baixo; naquela época ainda um pequeno arruado de cerca de entre 120 e 130 casas, mas já destacado pólo estratégico comercial do couro; inclusive os Britto possuíam curtumes e canoas de toldas para os respectivos transportes a partir dali; denotavam o poder que Virgulino e seus cabras possuíam em Sergipe. Agindo "às claras" sem medo de represálias.

Dona Maria Marques, já em idade avançada, mas com a marca da perversidade de José Baiano naquele janeiro de 1932.

As Volantes

Estavam no encalço dos cangaceiros duas volantes: A volante do tenente Liberato de Carvalho com homens da Bahia e a do tenente Manoel Neto, formada em sua maioria por homens de Pernambuco, notadamente de sua Nazaré. Ambas foram levadas a Canindé pela repercussão avassaladora do trágico episódio das ferrações recém relatadas acima. A ousadia dos bandidos das caatingas chegava ao limite da indignação, principalmente aos homens de Manoel Neto; feras criadas para o combate contra o cangaço.

Os homens das forças volantes reunidas em Canindé deviam partir sem demora no encalço dos cangaceiros, o que para grande parte das duas tropas seria um grande desafio, o que de fato foi;  feito que já vinham em perseguição ferrenha e sem descanso na pistas dos celerados havia dias...Manoel Neto comandava seus homens, dentre esses; inúmeros Nazarenos, desde Jatobá. Já os homens de Liberato de Carvalho, dentre esses; Mané Véio e Zé Rufino; estavam na Malhada da Caiçara quando souberam do acontecido em Canindé . Mais uma vez a estratégia daria lugar ao ódio e ao desejo de vingança, comprometendo  o senso de planejamento para a perseguição e o posterior êxito no combate iminente.

Tenente Liberato de Carvalho, um dos chefes de volantes em Maranduba. 
Irmão do coronel João Maria de Carvalho, do famoso clã Carvalho da Serra Negra; hoje Pedro Alexandre-BA. Foi nomeado comandante das forças unificadas nordestinas no combate ao banditismo.

E Luitgarde Barros, novamente em seu livro "A Derradeira Gesta" escreve: " Liberato de Carvalho é um comandante de volante sui-generis. Sendo oficial do exercito, recebeu o posto de coronel da policia baiana, tendo sido comandante em chefe das Forças Contra o Cangaço no Estado da Bahia.Era natural da Serra Negra, onde viviam seus dois irmãos João Maria e Piduca Alexandre de Carvalho, conhecidos protetores de Lampião". Permitam aqui um parêntese, para a partir da "pena mágica" do Conselheiro Cariri Cangaço, Rangel Alves da Costa, conhecermos um pouco mais o Clã Carvalho: de Liberato, seus irmão João Maria, Piduca e sua Serra Negra, atual município baiano de Pedro Alexandre, ali vizinho a Poço Redondo em Sergipe. E assim escreve o poeta Rangel no artigo "Liberato de Carvalho,Coronel João Maria e Zé Rufino: Quase um poema Drummondiano para Lampião..."

Coronel João Maria da Serra Negra, irmão do tenente Liberato de Carvalho. 

No seu famoso “Quadrilha”, diz o poeta Carlos Drummond de Andrade que “João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história”. Mas o que isto tem a ver com a história de Lampião? Calma. Chegaremos lá, mas anteciparemos um quase poema drummondiano para Lampião: O Tenente Liberato de Carvalho amava seu irmão Coronel João Maria de Carvalho que amava seu compadre Zé Rufino, que amava os dois e que também amava matar cangaceiros. Liberato perseguia o cangaço, João Maria protegia cangaceiro e Zé Rufino ao compadre respeitava. Liberato nunca prendeu Lampião, Zé Rufino nunca arrancou sua cabeça e João Maria viveu seu coronelato sendo amigo de todo mundo.
Um nó apertado demais para ser afrouxado, não é mesmo? Talvez uma história intrincada demais para ser entendida, não é mesmo? Mas explicaremos para que se entenda melhor o tabuleiro de xadrez sob o qual o cangaço se estendia, em meio a labirintos até hoje incompreensíveis a muitos e como frangalhos da história que até o presente não foram devidamente juntados. Acrescente-se, contudo, que o poder de sedução do famoso cangaceiro não só dava nó em pingo d’água como tornava a seu favor o impensável de acontecer. 

José Rufino, um dos maiores perseguidores de cangaceiros, estava presente 
no Fogo do Maranduba. 

E a você, torna-se claramente compreensível que os irmãos Liberato de Carvalho e João Maria de Carvalho, fraternos amigos enraizados na baiana Serra Negra (hoje Pedro Alexandre) tenham atuado de lado opostos perante o cangaço? E que Zé Rufino, com quartel na mesma cidade, fosse tão implacável na caçada aos cangaceiros e ao mesmo tempo devotado a seu compadre João Maria, abertamente protetor e acolhedor não só dos guerreiros do sol como de qualquer um renegado que chegasse à sua varanda?
Liberato Matos de Carvalho (1903-1996), na condição de Tenente-coronel, foi comandante de volante e participou do famoso Fogo da Maranduba (ocorrido em 9 de janeiro de 1932, na fazenda Maranduba, no então distrito sergipano de Poço Redondo), onde seus soldados - ao lado da força pernambucana sob as ordens do tenente Manoel Neto), foram fragorosamente derrotados pelos homens de Lampião. Chegou a ser nomeado comandante das forças unificadas nordestinas no combate ao banditismo.
Seu irmão João Maria de Carvalho (1890-1963), de patente militar e de latifúndio, caracterizou-se como líder local e além-fronteiras, exercendo seu poder de mando não só nos seus domínios baianos como no sertão sergipano, onde era dono de quase uma dezena de grandes propriedades. Tido por muitos como protetor de bandidos, comandante de jagunços e amigo de cangaceiros, a verdade é que exerceu sua primazia coronelista sendo obedecido e respeitado até o fim da vida.
Já o Tenente Zé Rufino (José Osório de Farias, 1906-1969), um ex-sanfoneiro que, segundo dizem, passou a integrar a volante temendo represália de Lampião por não ter aceitado ser cangaceiro e animar a cangaceirada com o seu fole, acabou se constituindo num dos mais implacáveis perseguidores e matadores de cangaceiros, tendo dado cabo de cerca de vinte. Jamais conseguiu, contudo, enfrentar Lampião no olho a olho. Ou talvez sua esperteza falasse mais alto, evitando o confronto direto. Seu quartel-general era situado na baiana Serra Negra, na mesma localidade de mando do Coronel João Maria, de quem era amigo e se fez compadre.
Há de se indagar, então: Havia algum compromisso entre João Maria, seu irmão Liberato e Zé Rufino. E mais: O compromisso firmado entre eles envolvia, não o bando cangaceiro em si, mas a figura de Lampião? Será que Lampião deveria ser preservado por ordem dada por João Maria ao irmão e ao compadre? Sabe-se que Liberato enfrentou Lampião no Fogo da Maranduba e foi derrotado, ainda que as volantes contassem com um número três vezes maior de homens do que cangaceiros. Será que o comando de Liberato não se empenhou suficientemente para a derrocada cangaceira?

Cariri Cangaço em visita à casa do coronel João Maria, em Serra Negra

No seu famoso “Guerreiros do Sol”, relata Frederico Pernambucano de Mello, às fls. 291, uma confissão de Sila (no seu livro Sila: uma cangaceira de Lampião) que, se verdadeira, justificaria o trânsito livre de Lampião perante os irmãos Carvalho e até mesmo por Zé Rufino. Diz Sila que Liberato e Lampião mantinham secretos laços de amizade. Acreditem: secretíssimos laços de amizade! Mais adiante diz o autor:
“De seu irmão, fazendeiro João Maria de Carvalho, chefe político de Serra Negra, Bahia, sempre se soube ser amigo e protetor de bandidos, especialmente de Lampião e seus cabras, com uma atividade de coiteiros bastante intensa, como consta deste livro (referindo-se ao livro de Sila). Quanto a Liberato, seus laços in pectore com o Rei do Cangaço são nada menos que estarrecedores”. Relata ainda o autor que Sila diz no seu livro que após dar a luz seu primeiro filho, Lampião pediu que ela entregasse a criança ao amigo Liberato para criá-la. Não se deve acreditar muito nos testemunhos de Sila. Contudo, há um emaranhado ainda não encaixado bem: Por que o Coronel João Maria atuou livremente na defesa e proteção de cangaceiros, e logo tendo Liberato e Zé Rufino na sua sala?" 

A distância entre Canindé e Maranduba não é tão grande, fazendo um trajeto em linha reta talvez vamos ter ali cerca de 20 km, um pouco menos um pouco mais talvez, considerando que os cangaceiros e volantes chegavam a andar cerca de 40 a 50 km em um único dia... Dessa forma como as volantes possuíam informações seguras do paradeiro de Lampião, partir imediatamente era uma possibilidade. E assim Manoel Neto tomou a decisão e a dianteira, era urgente. 


Aqui transcrevemos em grande estilo; do extraordinário "Lampião Alem da Versão" do grande Alcino Alves Costa; a saga das volantes rumo ao fatídico fogo do Maranduba, assim relata o Caipira de Poço Redondo: "O povoado ribeirinho de Cajueiro é o primeiro a ser visitado. Lá e em seus arredores vive uma leva muito grande de perigosos coiteiros: os Félix, os Rosas, os vaqueiros de Antônio Caixeiro e os da Badia. Toda essa gente sabia do roteiro de Lampião e seu bando. Era uma verdade. Naquelas paragens da beira do lendário rio sertanejo, o grande bandoleiro se considerava em sua própria casa. Mesmo assim, naquela passagem não iria se demorar. Sabia que seria tenazmente perseguido e apesar dos insistentes pedidos de seus comandados que desejavam realizar um baile, na fazenda Santa Cruz não se demorou. Apressado, se embrenhou na mataria. A volante vinha célere em seus pisos. Surge, então, um grave obstáculo no meio da tropa. Sério inconveniente que, como adiante se verá, se tornou em uma total e absoluta tragédia.

E continua Alcino: "Quais os problemas surgidos? Os homens de Pernambuco, veteranos das caatingas, achavam que possuíam uma ascendência muito grande sobre os da Bahia. Estes, na verdade, inexperientes e sem o traquejo dos pernambucanos, eram, como aqueles, valentes ao extremo. Todos eles acostumados com o mundo bravio dos sertões, uma vez que também eram filhos daquelas terras de sofrimento. Orgulhosos, não aceitavam as provocações e nem os “dixotes” dos do sertão do Pajeú. As desavenças aumentaram. O nunca esperado aconteceu. Os comandantes das volantes tomaram posição, cada um em favor de seus comandados. A soberbia do vesgo de Nazaré criava, ainda mais, em Liberato e seus comandados reações que estavam beirando ao desprezo e ao ódio. Se o nazareno queria porque queria demonstrar ser ele e os seus os maiores, os melhores, os realmente valentes; o irmão de João Maria não fazia por menos; asseverava alto e bom som, que sua volante era a que possuía os homens mais valentes do Brasil e do mundo. A porfia se tornou tão severa que não se pensava mais em Lampião, o empenho agora consistia em quem era quem na caça ao lendário bandoleiro.



O despeito e a vaidade dos dois comandantes foram à causa da perdição dessa numerosa tropa. Os perseguidores já ultrapassaram os difíceis carrascos das serras do São Francisco. Agora caminham pelas terras brancas de Poço Redondo. Passam pelas lagoas da Pedra e do Curral. A tarde descamba. O sol vai se escondendo no horizonte. A caterva se destina a fazenda de China, o Recurso. Lampião e seu bando estão nos arredores da Queimada Grande de Piduca Alexandre, um dos irmãos do comandante baiano que está no encalço da malta bandoleira. A jornada está sendo muito forte. Cada componente de uma das volantes não quer, sob pretexto algum, demonstrar fraqueza ou cansaço. Na verdade, o esforço que estão fazendo está deixando a maioria dos soldados completamente sem forças e extenuados. A sede, a fome e o sol escaldante deixam todos relegados a verdadeiros trapos humanos. E era este inesperado fator a grande vantagem dos bandoleiros perseguidos. O sertão está encoberto pelo manto escuro da noite. Os enfraquecidos e combalidos “macacos” já estão desanimados. Formam pequenos e separados grupos, uns bem distantes dos outros. A noite chega e chega com uma escuridão de azeviche. Impossível alguém conseguir caminhar em hora tão imprópria.

Mas, os obstinados comandantes não param. Desprezando todas as normas militares, dominados pelo orgulho, prepotência e empáfia, são impedidos de raciocinar corretamente. Imperdoável atitude que arruinou as volantes, jogando seus componentes numa das maiores tragédias da campanha cangaceira, com muitos feridos e outros mortos. A ordem era mostrar força e coragem, nunca sinais de fraqueza. A noite deixa todos sem saber para que lado seguir. Escutam o tilintar de chocalhos. Conhecem profundamente as coisas sertanejas. Sabem que as campainhas estão no pescoço da “miunça” (cabras ou ovelhas) de alguma fazenda próxima. Caminham na direção dos guizos. Sabiam que se espantassem as criações, elas correriam para o chiqueiro da propriedade que pertenciam. Assim foi feito. Tangidos pelos soldados os animais correm para a fazenda. A tropa se orienta pelo tilintar das sinetas. Horas depois desponta numa grande malhada. Estavam na afamada Queimada Grande.

Os perseguidores estão vencidos pela sede e pela fome. Cansados e estropiados procuram o tão almejado e merecido descanso. Estão morrendo de sede. Saciar a feroz sede e a terrível fome que está destroçando os soldados é a principal e urgente prioridade dos comandantes. A água disponível é muito pouca. O vaqueiro e seus filhos se apressam em ir apanhá-la nas pias ali próximas. Potes e cabaças transportam o precioso liquido. A água é pouca. A soldadesca está morrendo de sede. O velho vaqueiro é pai de Zé Joaquim, o rapaz que anos depois foi barbaramente assassinado pelo perverso Juriti. Antônio Joaquim oferece seus préstimos aos soldados, mas pouco conversa. Cumpre suas obrigações para com os militares sem, no entanto, demonstrar a menor alegria.


O famoso Mané Véio, ou Antônio Jacó, ou Euclides Marques; 
da tropa de Liberato de Carvalho

Já é madrugada e ainda continua chegando “macaco”. Um grupo confirmou que na Lagoa do Vestido e na Lagoa do Cocho ficaram vários companheiros arreados, por não suportarem a sede. Providências teriam que ser tomadas para acabar com o tormento dos companheiros. Os soldados são da Bahia, seu comandante ordena que João Pintadinho e seu irmão Martim sigam imediatamente, acompanhados de um dos filhos de Antônio Joaquim (Manoel) e levem água para os sedentos. O que a tropa não havia percebido era que a sisudez do vaqueiro tinha um motivo altamente justificável; Lampião e sua malta haviam deixado a fazenda naquela tardinha e, com toda certeza, estavam pernoitando pelas redondezas.  Levado por um misterioso pressentimento, Lampião, em vez de pernoitar na grande fazenda de Piduca, que seria a opção coerente e certa, prefere viajar um pouco mais e ir dormir na fazenda Santo Antônio, há uma légua acima da Queimada Grande.

À noite a “força” chega à fazenda do homem da Serra Negra. O combate será iminente. Soldado e bandido estão praticamente juntos.  O relacionamento entre as volantes continua lastimável. Os dois comandantes, em vez de procurar acabar com o problema, deixam de lado os seus deveres e responsabilidades, desprezando a condição de chefes daqueles servidores da lei e da ordem; para, ainda mais, através de suas desmedidas vaidades, aumentarem a animosidade existente entre seus homens, esquecendo que aquela dura missão que lhes fora confiada tinha como especial finalidade o extermínio do flagelo, da peste que destruía tudo, o cangaço. A porfia dos pernambucanos com os baianos havia se tornado num perigoso e grave problema. As volantes eram compostas de homens geniosos e soberbos. Todos, encaprichados, não queriam “dar o braço a torcer”, não permitindo que um se mostrasse mais valente, mais forte, ou ainda, mais capaz do que o outro.


Bravo Nazareno Manoel Neto, o "cachorro azedo" ou "Mané Fumaça"

A vaidade, o capricho e a soberbia foram alguns dos maiores males da gente sertaneja. Naquela mesma noite, mesmo com seus homens cansados e estropiados, Mané Neto, querendo se mostrar o homem de ferro, de sem igual resistência, que tanto alardeava, fez questão que seus comandados seguissem em frente, sem considerar a dramática situação que todos se encontravam. A ordem do militar de Pernambuco era uma afronta, um acinte a dignidade humana; seus comandados e os da Bahia estavam estropiados, esfolados e cansados da penosa caminhada. A noite é avançada. Por que seguir mais além? A ordem teve que ser comprida. A tropa nazarena seguiu em frente, foram dormir na fazenda Poço do Mulungu. Bem perto, menos de meia légua, do local onde Lampião e seu bando dormiam. Cedinho, ainda madrugada, os baianos despertam e viajam. Com eles à vontade de alcançar os pernambucanos ainda pela manhã. Os baianos estão animados, alegres e descontraídos. À noite de descanso havia ajudado bastante. João Batista, zombando de Mané Neto, imita o seu caminhar desmantelado, defeito adquirido desde o combate da Serra Grande quando saiu baleado nas pernas.

No Poço do Mulungu as volantes voltam a ficar juntas. Experientes, começam a sentir um clima de combate. Algo estranho, misterioso e diferente paira no ar. Todos se voltam para os perigos de um tiroteio. A iminente batalha forma uma cadeia de união que até então faltava entre eles. Só agora percebem que estão expostos e sujeitos aos mesmos perigos. A qualquer instante estarão enfrentando a cangaceirada, razão mais do que suficiente para que se unam e se preparem para a terrível luta que os espera. Ainda cedo chegam ao Santo Antônio. É o local aonde a cabroeira dormiu. Madrugadores, os cangaceiros haviam se retirado. Deixam uma verdadeira rodagem. Não se preocupam em esconder a trilha. Não se tem mais dúvida, o tiroteio será sem tardança. Apesar do descanso da noite a soldadesca ainda sofre com os rigores da fortíssima caminhada que estava encetando. Um grande número de soldados, principalmente os da Bahia, está destroçado, sem nenhuma condição física. Muitos deles já haviam atingido o limite máximo de suas resistências, estavam enfraquecidos e combalidos, por conseguinte não tinham condições de acompanhar o ritmo avassalador dos nazarenos que, doidos para se confrontarem com o grande inimigo, se distanciavam cada vez mais dos baianos.

Lampião Chama Luís Pedro e ordena: — Avise ao pessoá qui enquanto nóis num preparar os sentinelas, eu num quero ninguém desequipado, quero todo mundo aperparado e pronto pra uma surpresa. Achu qui a quarquer momento a gente vai ser atacado.

Liberato percebe que seus comandados não estão suportando aquela duríssima jornada e, preocupado, ver seus soldados dispersos e muito afastados uns dos outros. Procurou agrupá-los; porém, temendo a reação de seu colega que bem poderia imaginar que tudo não passava de uma manobra para não enfrentar o rei dos cangaceiros, resolveu silenciar e deixar tudo correr conforme o momento se apresentasse. Jamais daria lugar para o nazareno pensar que ele e os seus teriam medo de enfrentar os facinorosos comandados pelo capitão do cangaço. A trilha é fácil, muito clara. Os bandidos caminham na direção dos cerrados de cipó de leite da Maranduba, braba caatinga de Poço Redondo.

Os “fechados” da Maranduba eram, e ainda são, uns dos mais falados daquela região sertaneja de Sergipe. Mataria grossa: o cipó de leite, o bom nome, o angico, a aroeira, a braúna, a barriguda, a umburana, a quixabeira e o umbuzeiro fazem daqueles desertos, moradia do gato, da ema, do caititu, do tatu-bola e do peba. Baixadas e grotões onde só vaqueiros campeões corriam atrás de bois; corredores famosos como os Soares, o maioral Milinho; João Preto, os Teobaldo, os da Cuiabá e os de João Maria: Adolfo e Manezinho Cego, o famoso Manezinho de Rosara. Bem próximo, naquele emaranhado quase que intransponível de caatinga, está o coito de Lampião. É naquele local que as mulheres cangaceiras esperam seus homens que retornam de mais uma de suas costumeiras razias. Os soldados vão chegando. Chegam numas pias. Espantados, vêem pingos d’água que caem da madeira que cobre a fonte de pedras. À hora havia chegado. Os bandidos estavam nos arredores acoitados. Ao redor do lajedo apenas uns quinze homens das volantes. O grosso da tropa está atrasado. Alguns soldados estão na casa velha da Maranduba e outros ainda nem lá chegaram. Mané Neto, louco por uma desforra, resolve não esperar os retardatários, segue em frente, sabe que os homens de Lampião estão bem próximos, ali naquela mataria. No entanto, não sabe o valente militar que a natureza havia presenteado aquela parte da caatinga com um extraordinário anel, formado por um maravilhoso circulo. Sete umbuzeiros circundam belamente as pias. É uma paisagem de raríssima beleza. É nesse anel modelado por sete umbuzeiros que Lampião se refugia com sua cabroeira." Conclui o Mestre Alcino em seu "Além da Versão"... 

Tenente Manoel Neto: "Nunca vi tanta bala como vi no combate do Maranduba"
  "Outra coisa que se comentava foi que no local em que aconteceu o fogo do Maranduba, durante vários anos, das árvores e dos matos rasteiros não ficaram folhas, tudo era preto, como se tivesse passado um grande fogo. As árvores ficaram completamente descascadas de cima abaixo, de balas” 

Estive em Maranduba por seis vezes; 2008, 2009 e 2010 ao lado de Alcino Alves Costa, em 2012 numa Caravana Cariri Cangaço; ao lado do mesmo Alcino além dos Conselheiros Cariri Cangaço; Juliana Pereira, João de Sousa Lima, Aderbal Nogueira e Múcio Procópio e os pesquisadores, Lívio Ferraz, Afrânio Gomes e Luiz Camelo. Depois mais recentemente em dois grandes eventos do Cariri Cangaço; em 2015 e 2018; quando levamos pela primeira vez ao lendário cenário de Maranduba mais de 200 pesquisadores de todo o Brasil. 


 Conselheiros Cariri Cangaço, Juliana Pereira e Alcino Alves Costa em visita 
do Cariri Cangaço a Maranduba em 2012. 
 Manoel Severo ao lado da Cruz dos Nazarenos em 2012
 Aderbal Nogueira em uma das pias do Maranduba, em 2012
Lívio Ferraz, Afrânio Gomes, Mucio Procópio

Vendo de perto a lendária Maranduba, sua geografia e relevo, vegetação, pisando aquele chão e sob as orientações de Alcino Alves Costa, quase chegávamos a ver como as tropas de Manoel Neto e Liberato de Carvalho se posicionaram e se aproximaram, o recuo estratégico dos cangaceiros; a distribuição dos mesmos em semi-circulo contando com a cumplicidade dos famosos umbuzeiros; só assim vamos entender o quanto foi surpreendente o desempenho e a resistência dos 32 homens de Virgulino contra as forças de baianos e pernambucanos de Manoel Neto e Liberato de Carvalho.

O Fogo do Maranduba pelo pesquisador e colecionador Ivanildo Silveira, Conselheiro Cariri Cangaço, em visita do Cariri Cangaço 
ao Maranduba em 2015. Imagens da Laser Video de Aderbal Nogueira


Fonte: You Tube Canal: Aderbal Nogueira

O Combate

O combate teria iniciado perto do meio dia daquele 09 de janeiro de 1932 e se estendeu até o sol se pôr. Os cangaceiros estariam se preparando para comer e as pias distribuídas no terreno iriam fornecer a água necessária para os próximos caminhos, dispostos sob a sombra dos sete famosos umbuzeiros do lugar. As duas volantes, extropiadas da longa jornada de vários dias, se aproximavam pela caatinga da Maranduba tendo o tenente Manoel Neto na dianteira e no comando de seus homens. Logo em seguida, numa certa distância vinham os baianos de Liberato de Carvalho, esses divididos em dois grupos, um mais à frente ao lado do comandante e um outro mais retardatário. 

É Alcino Alves Costa que nos conta em " Lampião Além da Versão" a chegada dos homens de Manoel Neto: "Os soldados vêm chegando. Chegam a umas pias. Espantados, vêem os pingos de água que caem dos paus em cima das pedras. Sinal de que os bandidos ainda estão por ali mesmo. Ao redor das pias, apenas uns quinze homens, os outros estão atrasados, alguns estão na casa velha do Maranduba e outros ainda nem lá chegaram. Mané Neto, louco por uma desforra, resolve não esperar os retardatários e seguir em frente, sabe que os homens de Lampião estão bem próximos, ali naquela mataria. No entanto, não sabe Mané Neto que a natureza havia presenteado aquela parte da caatinga com um extraordinário anel, formado por um maravilhoso círculo. Sete umbuzeiros circundam belamente as pias, é uma paisagem de raríssima beleza. É nesse anel formado pelos sete umbuzeiros que Lampião se refugia com seus homens. Havia chegado naquele mesmo momento, coisa pra menos de meia hora, demorara-se um pouco nas pias e agora espalhara seus homens pelas sombras dos umbuzeiros. A alegria é geral. Abraços e vivas fazem a felicidade de todos. Os bandidos formam uma só família. Vivem irmanados pela dor e pelo sofrimento. Apenas Lampião não tem alegria. Está taciturno e inquieto. Chama Luís Pedro e ordena: — Avise ao pessoá qui enquanto nóis num preparar os sentinelas, eu num quero ninguém desequipado, quero todo mundo aperparado e pronto pra uma surpresa. Achu qui a quarquer momento a gente vai ser atacado." 

 Manoel Severo apresenta o Fogo do Maranduba no Cariri Cangaço Piranhas 2015 em Poço Redondo, na igreja de Santa Luzia em Maranduba.
Archimedes e Elane Marques e Manoel Severo, no Maranduba em 2015.

E continua Alcino em sua magistral obra: "Mané Neto está saindo das pias e vagarosamente caminha na mataria. Os cangaceiros estão ali a menos de cinquenta metros. A hora da verdade chegou. Escutam as vozes alegres da cabroeira. Rápidos cercam, ou pensam que vão cercar o coito. Acham que os bandidos estão em um umbuzeiro. Jamais poderiam imaginar que ali existissem sete umbuzeiros e que os bandoleiros estivessem espalhados em todos, como também não imaginaram que os bandidos estivessem praticamente preparados para o combate, graças ao poder misterioso de Lampião que previu com precisão o momento do perigo.São exatamente duas horas da tarde. É o dia nove de janeiro de 1932. Estão frente a frente os inimigos mortais. Nazarenos e Lampião se enfrentarão, Liberato e sua força serão os coadjuvantes da tremenda desforra. A oportunidade de vingar-se do desastre da Serra Grande se apresenta e os nazarenos não poderiam deixar fugir esta grande chance. Serra Grande era uma marca dolorosa que feria profundamente a vaidade de Mané Neto; grandioso combate que ficara nos anais da guerra cangaceira, oportunidade em que as forças comandadas por nada menos que seis experientes comandantes, os temidos Arlindo Rocha, Zé Olinda, Gino, Domingos, Euclides Flor e Mané Neto, foram espetacularmente derrotados pelo iluminado cangaceiro da Ingazeira." 

Lampião de forma surpreendente; principalmente pelo tempo que dispôs para montar a defesa; mesmo já havendo distribuído seus homens estrategicamente sob os sete umbuzeiros do lugar para a "bóia", que formavam uma espécie de barreira natural em forma de semi circulo, ficamos a pensar: Até que ponto e em que momento crucial Lampião identificou a aproximação das volantes e que tempo teve para "arquitetar" a ação de seus homens ? Pura intuição? Mesmo sabendo que estava sob perseguição ? Foi nessa fatídica ratoeira na qual acabaram entrando os destemidos homens de Manoel Neto. O famoso comandante nazareno quando percebeu a armadilha,  era tarde demais, imaginou que cercava o bando e acabou sendo cercado. Manoel Neto ficou inicialmente sob o fogo intenso dos cangaceiros que atiravam "de ponto" dos umbuzeiros e posteriormente também sob o fogo cruzado dos companheiros volantes das forças de Liberato de Carvalho, que chagaram depois e atiravam por sobre suas cabeças na direção do que seriam as posições dos cangaceiros. O caos estava estabelecido, era o inferno nas terras da Maranduba. 

Alcino nos conta:"O momento do flagrante já passou. Estarrecidos, os soldados sentem que não conseguiram a vantagem esperada e ainda se dão conta de que já não são os atacantes; sofrem uma medonha investida. O ímpeto e ferocidade dos bandidos são inigualáveis. Começam a ficar desnorteados. Aquilo que parecia ser o início de uma gloriosa vitória começa a ser um terrível e inesperado pesadelo. A luta é de uma atrocidade impressionante. Ali está a nata dos valentões sertanejos. Verdadeiras feras. Verdadeiros suicidas. Mané Neto, o lendário vesgo de Nazaré, mostra-se realmente um valentão. A sua vaidade, a sua soberba, na verdade são nascidas de seu temperamento de ferro e de sua incomparável coragem. Liberato não deixa por menos, é também um gigante sertanejo. Juntamente com o Mané Fumaça, formam uma dupla de desassombrados comandantes que não sabem qual é o significado da palavra medo. Mas apesar da valentia dos comandantes e de seus soldados, o destino da batalha estava selado. A derrota havia se afigurado desde o início da perseguição quando o despeito entre as volantes havia decretado aquele desastre que, no momento do tiroteio, estava se consumando. O verdadeiro e maior desastre foi a chegada dos retardatários..." 

Alcino Alves Costa, o caipira de Poço Redondo.

"Com o estrondar do pesado fogo eles reúnem suas últimas forças e correm para ajudar os companheiros. Não contam com a experiência de Lampião e seu bando que se haviam espalhado deixando os soldados sem saber para que lado atirar. Quando também se envolvem com a luta não discernem o alvo a ser atingido e, na ânsia de socorrer seus companheiros, disparam naqueles que se aproximam, confundidos com os inimigos. Angustiados percebem o fortíssimo e nutrido fogo em que se encontram. O desastre e a tragédia se configuram. Desesperados, Mané Neto e Liberato tentam parar o fogo cerrado de seus próprios comandados. O impossível está acontecendo, desgraçadamente seus melhores homens estão dentro de um corredor mortal, cujo tapete era o sangue de sua própria gente. As baixas começam assustadoramente a subir. Os primeiros atacantes estão sendo dizimados, os homens de Mané Neto são os mais atingidos. Desenha-se o quadro monstruoso de mais uma desastrada derrota.  Dos da Bahia estão na linha da frente, além de Liberato, os valentes de Santa Brígida; Elias Marques, seu filho Procidônio e Mané Véio, os quatro baianos brigam juntos. Um pouco mais ao lado, brigam Mané Neto e João de Anízia, outros estão espalhados e amparados nos troncos das árvores. Os bandidos estão enlouquecidos. Avançam como se fossem feras, atiram e adiantam, negaceiam e progridem, gritam e atiram. Rifles e mosquetões estão em brasa, a sede é torturante, os cangaceiros em cima, endemoniados. De repente, Elias é baleado, Procidônio pergunta se o ferimento é grave, o ferido é um titã, quer lutar ao lado do filho. Responde que não. Foi apenas um ferimento no braço. A luta continua, minutos depois Mané Véio vê Elias caído, corre e ampara o tio colocando-o sobre suas pernas. Antes viu um cangaceiro como um louco pular na frente dos atiradores, parecendo que queria pegar Mané Neto à mão. O bandido está tão próximo que, sem dificuldade alguma, atira e o cangaceiro cai a seus pés. Aproveita e da cabaça do próprio bandoleiro bebe água; retirando a caneca dependurada na mesma cabaça, enche-a de água. Quando sorve o precioso líquido sente um gosto muito grande de sangue. Não se incomoda. Como está morrendo de sede torna a encher a caneca e aí vê a mesma se tingia com o sangue que pingava da cabeça do cangaceiro morto: Sabonete." 


No espetacular "Lampião Entre a Espada e a Lei" do grande escritor Sérgio Dantas vamos encontrar em determinado trecho uma referência curiosa e precisa sobre a forma como os guerreiros das caatingas enfrentaram as volantes na Maranduba: "Os cangaceiros, a usar suas estranhas práticas de luta, assustam os adversários. Como animais, emitem grunidos e urrus horrendos, ao tempo em que se movimentam com rapidez e rodopiam em um estranho balé de guerra, agitando as cabeleiras fartas..." E é novamente Sérgio Dantas que nos traz no mesmo trabalho a transcrição de parte de entrevista do cangaceiro Bananeira presente ao combate, ao jornalista Joel Silveira em 1944: "Em Maranduba foi tiro de fazer medo e Lampião atirando quase de pé, gritando para todos os lados. Eu levei grito a valer de Lampião - atira Bananeira ! Marca o ponto e atira que os macacos estão atirando neles mesmo ! Eu já conhecia brigada com os macacos, mas nunca tinha visto um mundo de tiro como aquele. E se tem medo; se tem muito medo de morrer. No meio do fogo eu fui atingido na perna e me danei a gritar de dor. A bala atingiu de cheio a minha perna direita, que deixou os ossos de fora. Perdi muito sangue e quase desmaiei de sofrimento. Penso que a gente só saiu vivo dali pela experiência de Lampião".

Em nossa segunda visita à Maranduba em 2009, indaguei ao Mestre Alcino: "O que poderia ter sido determinante para a fragorosa derrota das forças volantes em Maranduba ?" Alcino com o olhar perdido na imensão da caatinga do cenário trágico, ponderou: "Severo amigo, será que mesmo depois de tanto tempo perseguido e combatendo Lampião, homens experimentados como Manoel Neto, Liberato de Carvalho, Zé Rufino dentre outros valorosos volantes, haveriam de mais uma vez menosprezar a capacidade estratégica de combate do rei dos cangaceiros ?"

Como em Serra Grande e Serrote Preto, o fogo do Maranduba suscita uma das fartas polêmicas do estudo do cangaço: A genialidade de Lampião. Realmente seria ele o grande estrategista dos combates na selva nordestina? Em Maranduba Lampião estava com 32 homens, as volantes formava entre cerca de 90 e 95 soldados nas tropas de Manoel Neto e Liberato de Carvalho.   
Estratégia pelo dicionário: "Técnicas, táticas, procedimentos,táticasesquemasartifícios, métodos, meios, recursos, maneiras, vias, modos, formas, segredos, ferramentas,mecanismos,artimanhas, artes..."
Estratégia militar "é uma designação abrangente para o planejamento de atuação em uma guerra. Deriva do grego estratego, a estratégia era vista como a arte do general. A estratégia militar lida com o planejamento e condução de campanhas, o movimento e divisão de forças, e a burla do inimigo."  

Rodrigues de Carvalho chegou a afirmar, analisando estas e outras batalhas que Lampião tinha praticado “façanhas de deixar muito curso do Estado Maior com água na boca”. No caso específico de Maranduba, o historiador Rodrigues de Carvalho não hesita em afirmar que, apesar da superioridade em homens e armas, por parte das forças militares, Lampião demonstrou uma superioridade tática sobre seus adversários. Escreve ele: “E a verdade deve ser dita: quem primeiro abandonou o campo de luta foi a força”. E, mais adiante: “O fato é que durante a extensão da tremenda refrega, que foi por toda a tarde, pode dizer-se sem medo de cometer injustiça, o domínio da situação pertenceu ao ardiloso facínora. 

Ex-cangaceiro Labareda, o Ângelo Roque

Vamos nos valer do depoimento de Labareda; cangaceiro Ângelo Roque; que participou do combate , prestado a Estácio Lima e publicado no livro O Mundo Estranho dos Cangaceiros, descreve o que aconteceu, naquele dia, no seu linguajar típico: 
“... "Nóis cheguêmo na caatinga de Maranduba, pru vorta di maio dia, i tratemo di discansá i fazê fogo prôs dicumê, i nóis armoçá. Mas a gente num si descôidava um tico, i nóis sabia qui as volante andava pirigosa. Inquanto nóis discansava, botemo imboscada forte, di déiz cabra pra atacá us macaco qui si proximasse. Nóis cunhicia us terreno daqueles mundão, parmo a parmo. Us macaco num sabia tanto cuma nóis. Todos buraco, pedreguio, levação, pé di pau, pru perto, nóis sabia di ôio-fechado, i pudia tirá di pontaria sem sê vistado. Nisso, vem cheganou’a das maió macacada qui tivemos di infrentá. I us cumandante todo di dispusição prá daná: Manué Neto, qui us cangacêro tamém chamava Mané Fumaça, Odilon, Euclides, Arconso e Afonso Frô. Tamém um Noguêra. Nesse bucadão di macaco tava u Capitão ou Tenente Liberato, du izérto. Dizia us povo qui ele era duro di ruê. I era mesmo. Brigava cuma gente grande, i marvado cumo minino. Mas porém, valente cumo u capêta. Di nada sirvia a gente gostá i tratá com côidado um mano qui êle tinha na Serra Nêga. Essa Força toda dus macaco si pegô mais nóis na Maranduba. Nóis era trinta e dois cabra bom. U Capitão Virgulino tinha di junto, nessa brigada, us principá cangacêro: Virgino, Izequié, Zé Baiano, Luiz Pêdo, i seu criado Labareda. Dus maiorá só fartava mesmo Curisco sempre gostô di trabaiá sozinho, num grupo isculido dicangacêro, mais Dadá. Briguemo na Maranduba a tarde toda i nóis cum as vantage cumpreta das pusição, apôis us macaco num pudia vê nóis. A volante di Nazaré deve tê murrido quaji toda. Caiu, tamém, matado di ua vêis, um dus Frô, qui si bem mi alembro, foi u Afonso. Cumpade Lampião chegô pra di junto do finado i abriu di faca a capanga dêle, i achô um papé qui tinha iscrito um decreto dizeno qu ele já tinha dado vinte i quatro combate cum u cumpade Lampião. Veio morrê nu vinte i cinco. A valia qui tivemo nessa brigada foi us iscundirijo. Morrero, aí, trêiz cangacêro i trêiz ficô baliado. Us istrago qui fizemo nessa brigada foi danado ! Matemo macaco di horrô !”


"Como consequência imediata do confronto em Maranduba, o Estado de Sergipe reage. Através da imprensa, a interventoria faz a curiosa proclamação ao povo: A Diretoria de Segurança Pública, conhecedora de que o grupo de Lampião é apontado como o autor de assassínios, roubos e atrocidades sem conta, faz ciente as todas as vítimas, a necessidade das mesmas comparecerem ás respectivas delegacias policiais,a fim de serem submetidas a exame de corpo de delito direto e indireto, depois de que serão instaurados os processos nos termos da legislação em vigor. A medida visa a punição legal de Lampião, caso seja capturado". (A Tarde, fevereiro de 1932)." é Sérgio Dantas que nos apresenta a pérola acima, e o mesmo Dantas arremata: "O apelo, claro, não surte qualquer efeito". Eita Maranduba !

O Cariri Cangaço na Maranduba

Em 2015, pela primeira vez uma caravana contando com mais de 200 pesquisadores visita a Maranduba. Dentro da Programação do Cariri Cangaço Piranhas 2015, tivemos esse importante momento em Maranduba, coordenado pelos Conselheiros Cariri Cangaço, Archimedes e Elane Marques. A programação contou com a apresentação do Fogo do Maranduba pelo curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo, em seguida uma visita ao cenário do combate com a presença de dezenas de pesquisadores e por fim uma benção em memória das vítimas da refrega; na cruz dos Nazarenos; efetivada pelo capelão do Cariri Cangaço, padre Agostinho. 


Fonte: YouTube Canal: Maria Bonita
Momento em que o Capelão do Cariri Cangaço eleva preces pelas vítimas do Fogo do Maranduba no Cariri Cangaço 2015

Fonte: You Tube Canal:Maria Bonita de Raul Meneleu 

Mais uma vez e novamente as forças volantes viriam a cometer os mesmos erros de combates anteriores e acabaram envolvidos por várias linhas de tiros, engenhosamente armada por Lampião e seus cangaceiros. Será que a perversidade do selvagem ato dos cangaceiros em Canindé unido ao cansaço de longa perseguição ao bando acabou de alguma forma interferido na lucidez e zelo dos comandantes das tropas diante da eminente possibilidade de "pegar" Lampião ? E novamente a coragem invulgar de Manoel Neto, dita "beirando a loucura" iria traduzir-se em imprudência e novamente o fator numérico se fez de rogado e a superioridade numérica dos soldados não se mostrou eficaz.

É Conselheiro Cariri Cangaço, Manoel Belarmino, que nos conta: "Oito soldados das volantes morrem ali. Da tropa de Liberato da Serra Negra morreram Pedrinho de Paripiranga, Manoel Ventura, João de Anizia e Elias Marques. Da tropa de Manoel Neto, dos nazarenos, morreram ali entre os sete pés de umbuzeiro do Maranduba mais quatro soldados das volantes: Hercílio Nogueira, Adalgiso Nogueira, João Cavalcante e Antônio Benedito da Silva. Apenas dois cangaceiros da parte de Lampião foram mortos nesse combate, Sabonete e Caatingueira e o cangaceiro Quina-Quina ficou gravemente ferido, vindo a óbito dias depois do evento Fogo do Maranduba." Mais uma vez o rei do cangaço viria impor dor e desespero a seus principais inimigos, ao final, dentre os muitos que tombaram sem vida, confirmados 4 homens de Nazaré: Hercílio de Souza Nogueira e seu irmão Adalgiso de Souza Nogueira (primos dos irmãos Flor), João Cavalcanti de Albuquerque (tio de Neco Gregório) e Antônio Benedito da Silva (irmão por parte de mãe de Lulu Nogueira, filho de Odilon Flor). Entre os soldados, além dos oito mortos ,oito acabaram feridos, já entre os cangaceiros , tres mortes e quatro ficaram feridos.


 Imagens do Cariri Cangaço 2015 na Maranduba
 Elisângela e Lamartine Lima e Manoel Severo
 Manoel Severo e Conselheiros Cariri Cangaço; Cristina Couto e Celsinho Rodrigues
 Lívio Ferraz e Conselheiros Cariri Cangaço, Wescley Rodrigues, 
Juliana Pereira e Kiko Monteiro.
 Josué Santana, Joventino, Manoel Severo e Neli Conceição 
Testemunhas mudas que se perpetuam ao longo do tempo...
 Abreu Mendes, Cristina Couto, José Romero, Manoel Severo, Jeová, Maria Cecília, 
Neli Conceição e Rui Gabriel
Conselheiros Cariri Cangaço, Luiz Ruben e Aderbal Nogueira
Sálvio Siqueira, e Ednaldo e Gilmar Leite
Tomaz Cisne, Ana Lucia e Ingrid Rebouças
Afrânio Gomes, Ana Lucia, Juliana Pereira e Wescley Rodrigues
Manoel Severo e Patrícia Brasil

Em 2018, concretizando um antigo sonho de Alcino Alves Costa, o Cariri Cangaço chega desta vez, de forma oficial a Poço Redondo com a realização no mês de junho, mês de aniversário do Caipira, o Cariri Cangaço Poço Redondo, infelizmente o Mestre Alcino já não estava entre nós, mas o evento foi todo dedicado à sua memória e a seu legado. Como coordenadores do evento, dois Conselheiros filhos do lugar: Rangel Alves da Costa e Manoel Belarmino; além de Maria Oliveira e a gestão municipal tendo a frente Junior Chagas e grande equipe, mais uma vez tivemos a visita emblemática à Maranduba, desta vez com 230 pessoas. A programação constou de recepção pelo Grupo Cultural e de Teatro Raízes Nordestinas tendo a frente Rafaela Alves, conferência sobre o Fogo do Maranduba com o Conselheiro Cariri Cangaço, Ivanildo Silveira, visita e inauguração dos Marcos Históricos por Junior Chagas e toda comitiva, por fim, bençãos pelo capelão do Cariri Cangaço, Padre Agostinho. 

Rafaela Alves, Manoel Belarmino e Manoel Severo no Maranduba.

Em junho de 2018 o Cariri Cangaço realizou mais um grande seminário, desta vez nas terras sergipanas de Poço Redondo, dentro da programação: O Fogo do Maranduba; veja como foi a recepção à caravana Cariri Cangaço no Maranduba. Imagens de Robério Santos


Fonte: You Tube Canal: O  Cangaço na Literatura por: Robério Santos


 Conselheiro Cariri Cangaço Ivanildo Silveira em conferência na fazenda Maranduba no Cariri Cangaço Poço Redondo 2018

Mais do Cariri Cangaço Poço Redondo 2018 em terras da fazenda Maranduba, por Robério Santos em O Cangaço na Literatura

Fonte: You Tube  Canal: O Cangaço na Literatura.


Rangel Alves da Costa, Conselheiro Cariri Cangaço; filho de Alcino Alves Costa, Patrono de nosso Conselho Curador. 

Maranduba de Poço Redondo, Poço Redondo capital do cangaço... Rangel Alves da Costa; Conselheiro Cariri Cangaço; revela: "Segundo os relatos históricos, Lampião parecia mesmo ter escolhido Poço Redondo como uma segunda casa sua. A primeira era a caatinga, com varanda de xiquexique e assento de mandacaru. Mas a família era grande, era muita, espalhada por todos os sertões nordestinos. E em Poço Redondo mantinha amigos fiéis, tinha acolhida, comida à mesa, tudo o que precisasse. E também a simpatia de tantos jovens que decidiram entrar para o seu bando.Num misto de temor e reverência, aliado ao fato de que o homem sempre estava por ali desafiando as volantes, verdade é que mais de trinta filhos de Poço Redondo seguiram a trilha do bando de Lampião. Mocinhas muitas novinhas, ainda na adolescência, se encantavam com aqueles “artistas” das caatingas e seguiam seus destinos de amor cangaceiro. Assim foi com Adília, Sila, Enedina, Rosinha e outras. Dentre os meninos de Poço Redondo estavam, por exemplo, Cajazeira, Canário, Elétrico, Mergulho, Novo Tempo e Zabelê."

 Caravana Cariri Cangaço Poço Redondo 2018 visita Maranduba
 Camilo Lemos, Manoel Severo, Luiz Ruben...
Manoel Severo, Manoel Belarmino, Luiz Ruben...

Já passaram quase 90 anos e Maranduba ainda mantem os velhos umbuzeiros, testemunhas mudas da grande batalha, do horror e da genialidade do rei Lampião, bem ali, perto da enigmática "Cruz dos Nazarenos"; onde foram sepultados 4 valorosos filhos de Nazaré; foi construído pela prefeitura municipal de Poço Redondo o Marco Histórico da Cruz dos Nazarenos, inaugurado na edição do Cariri Cangaço Poço Redondo em junho de 2018, numa homenagem justa e oportuna aos verdadeiros heróis do sertão, pelo prefeito Junior Chagas. 

Junior Chagas e Manoel Severo: Marco em memória dos Nazarenos 
mortos no Fogo do Maranduba 
 Padre Agostinho e a benção no Marco da Cruz dos Nazarenos em Maranduba

Com a palavra o Conselheiro Cariri Cangaço, filho de Poço Redondo e do inesquecível Alcino Alves Costa; Rangel Alves da Costa: "Um sertão de vira-mundo. O espantoso de arrepiar. Terrível batalha, confronto devastador, mas onde Lampião, dividindo estrategicamente seu bando, conseguiu vencer as volantes comandadas por nada menos que dois titãs perseguidores do cangaço: o nazareno Mané Neto e o baiano Liberato de Carvalho. Dizem que as volantes ficaram tão atabalhoadas com as artimanhas de Virgulino Capitão que eles mesmos se atiravam pensando ter avistado as sombras cangaceiras. É cangaceiro, então atiravam. Mas era não. Era a sede de Lampião e a disputa entre os comandantes que fazia com que estes lançassem seus homens sem a devida precaução perante a astuta cangaceirada. Esta, a cabroeira dona do seu sertão, preá do mato e cobra de toca, conhecedora como ninguém do seu chão e de seus labirintos, recuava e atacava, atacava e recuava, enquanto os da volante, sem mais saber o que fazer ante a saraivada de balas, apenas perguntavam: QUE TIRO FOI ESSE?"... E assim foi o Fogo do Maranduba, Avante !

Texto e Organização : Manoel Severo Barbosa, 
Curador do Cariri Cangaço , 17 de Junho de 2020.


Colaboração sob pesquisa imprescindível em textos e consultas aos escritores; Conselheiros do Cariri Cangaço; Rangel Alves da Costa e Manoel Belarmino, de Poço Redondo, Sergipe; Archimedes Marques e Raul Meneleu, de Aracaju, Sergipe ; Kiko Monteiro de Lagarto, Sergipe ; Ivanildo Silveira de Natal, Rio Grande do Norte, e ainda do escritor  José Bezerra Lima Irmão, de Salvador e do pesquisador Hildebrando Neto "Netinho Flor" de Nazaré. 

Preciosas e extensas transcrições de textos de Alcino Alves Costa em seu "Lampião Além da Versão", vitais para compreender esse importante episódio. Luitgarde Barros em seu "A Derradeira Gesta"; Frederico Pernambucano de Mello em seu "Guerreiros do Sol" e o grande Dr. Sérgio Dantas em seu "Lampião Entre a Espada e a Lei"

Vídeos dos pesquisadores, Conselheiros Cariri Cangaço, Aderbal Nogueira e Raul Meneleu e ainda pesquisador Robério Santos, o Cangaço na Literatura.