PADRE CICERO volta aos Grandes Encontros Cariri Cangaço: 150 de Ordenação Sacerdotal


PADRE CICERO volta aos Grandes Encontros Cariri Cangaço: Sem sombras de dúvidas uma das mais significativas e ao mesmo tempo polêmicas personalidades de nosso nordeste e porque não dizer do Brasil, foi o santo padre do Juazeiro do Norte, o cearense do século. O Cícero Romão Batista nascido no Crato, ordenado em Fortaleza e que realizando sua Missão sacerdotal no antigo "Tabuleiro Grande" viria a se tornar a figura mais estudada do clero brasileiro, com mais de cinco centenas de publicações a seu respeito, despertando amor e ódio entre todos aqueles que entraram em contato com sua controversa historia e legado. Para debater os 150 Anos de sua Ordenação Sacerdotal, Manoel Severo Barbosa recebe os renomados pesquisadores da vida e da obra de Cicero Romão Batista; Jose Carlos Santos, Fatima Pinho e Renato Dantas, além da presença preciosa do Reitor da Basílica de Nossa Senhora das Dores, padre Cicero José, ou seja: IMPERDIVEL, Nesta sexta-feira dia 27, as 20 horas em nosso Canal do YouTube. Ate lá !!!



DIA 27 DE NOVEMBRO DE 2020 - AS 20 HORAS

CANAL DO YOU TUBE DO CARIRI CANGAÇO


O Cangaceirismo e a Rixa entre "Arrudas" e "Moreiras" em Aurora Por:João Tavares Calixto Junior


Na região sul cearense que compreende os municípios de Aurora e Missão Velha, tendo o distrito de Ingazeiras ao centro, começaram a surgir, no início do ano de 1921, os mesmos comentários que levaram Isaías Arruda de Figueiredo a sair de Cedro (CE): a prática de extravio de gado e saque a pequenos comércios locais.

A primeira queixa registrada após a volta do futuro mandão regional a sua terra natal, Aurora, foi a dos irmãos Moreira, já no fim de 1921, nas proximidades do distrito de Boa Esperança, hoje Iara, município de Barro (Ceará), próximo da fronteira com a Paraíba. Foi assim que se referiu a este fato o ex coletor de impostos José Soares de Gouveia, em interessante artigo sobre o cangaço no Nordeste brasileiro em "O Jornal" (Rio de Janeiro, 21 de agosto de 1927, p.3):
“(...) Isaías refugiou-se então com sua família na Vila de Aurora, e inimizando-se com a família Moreira, atacou- a no povoado próximo de Boa Esperança com os seus cangaceiros. Roubou e transportou para Aurora todo o estabelecimento comercial do Sr. Antônio Moreira, que hoje cobra do estado do Ceará 140 contos de indenização (...)”. É importante salientar que a questão com os Moreiras se iniciou a partir de queixa prestada por Antônio Moreira, que era negociante, contra Isaías Arruda, então delegado de polícia de Aurora, o que lhe fez ser exonerado logo após isso.

Isaias Arruda
Isaías supôs que o motivo da denúncia se deu em virtude de ter atirado e causado tumulto no dia da eleição, em 21 de fevereiro de 1921, o que lhe fez ter perdido o cargo, o seu primeiro emprego, na realidade. Antônio Moreira de Oliveira era amigo e compadre do Dr. Daniel Cardoso, que havia se candidatado e perdido a eleição para deputado, ocorrida em fevereiro de 1921 e por isso ficou ressentido pelo prejuízo que este candidato sofrera (BRAZIL, 1923).
Depois disto, Isaías intrigando-se com Antônio Moreira, continuou com perseguições e hostilidades que culminaram com o saque realizado em seu comércio em dezembro de 1921. Para os Arrudas, foi este um “acerto de contas” pelo prejuízo que Moreira dera a Isaías em virtude da exoneração.
Em 6 de janeiro de 1922 Isaías Arruda entra em confronto com policiais nas proximidades do mercado público em Aurora, no que se acreditou ter sido vingança dos Moreiras, vinda de Boa Esperança.
Isaías, acusado de atentar contra a força policial da vila e contra a vida do soldado Francisco Paulino Sobrinho, viu ser aberto processo contra ele e alguns dos seus, dois dias depois; e já no dia 30, foi expedido mandado de prisão preventiva pelo suplente de juiz substituto em exercício da vila d’Aurora, Justino Alves Feitosa, o mesmo que iria ser padrinho de sua filha Orlandina, em 1924. Foram apontados, além de Isaías Arruda, o seu irmão Lino Arruda, seu primo José Cardoso de Figueiredo, seu sobrinho Manoel Furtado de Figueiredo, Antônio Padeiro, José Bernardo e Vicente do Carmo.

Joao Tavares Calixto Junior e Manoel Severo

Cinco testemunhas foram intimadas e ouvidas neste processo: Antônio Jaime Araripe, comerciante, 29 anos de idade, natural de Jardim; Eduardo da Silva Leite, proprietário na vila d’Aurora, natural do Rio Grande do Norte; Gabino Bezerra de Barros, solteiro, comerciante, natural do Pernambuco; Alfredo de Castro Jucá, solteiro, 18 anos, comerciante, natural de Iguatu e Moisés Vilela de Oliveira, solteiro, de 32 anos, comerciante e natural da vila d’Aurora.
Após ouvidas as testemunhas, aos 13 de janeiro (1922), o promotor de justiça adjunto Emídio Cabral de Almeida resolve não dar prosseguimento à denúncia e o inquérito foi arquivado.
Nos depoimentos, informaram as testemunhas que Isaías Arruda encontrava-se na calçada dos fundos do hotel de Gabino Bezerra de Barros (hoje Av. Santos Dumont, Centro da cidade), quando se aproximaram cerca de seis soldados, que adentraram ao comércio de Gabino afim de comprarem aguardente e cigarros. Na entrada, um deles cumprimentou Isaías de forma cordial, tendo um outro, demonstrado hostilidade ao se referir a Isaías, e com isto, houve discussão seguida de troca de tiros. Foram unânimes, as testemunhas, ao se referirem à seguinte sequência de eventos:
1 – Que houve discussão na calçada de Gabino Bezerra entre Isaías e os policiais; 2 – Que houve tiros de revólver após a discussão; 3 – Que houve descarga de vários tiros de mauser e rifle; 4 – Que houve tiros nas paredes da casa de Isaías (que ficava próxima ao local do desentendimento), e que foram quebradas as portas da casa, inclusive as do interior.


Antônio Jaime Araripe, primeira testemunha a depor, informou que soube estar acompanhado de Isaías Arruda apenas o seu irmão Lino Arruda, além de Vicente do Carmo e quanto aos outros, não sabia se estavam no confronto. Gabino Bezerra afirmou que viu as mulheres da família de Isaías pedindo socorro e afirmando que não havia ninguém no interior da casa, estando elas sozinhas. Disse também que antes do tiroteio Isaías estava na casa dele, testemunha, que este estava desarmado e que depois que quebraram as portas da casa ouviu dois soldados discutindo entre si, tendo dessa discussão resultado dois tiros. Daí, segundo Gabino, chegou o tenente Raimundinho e levou os policiais para o quartel.
Moisés Vilela de Oliveira informou que na hora do crime estava na casa de Firmino Leite, quando passaram pela rua, de seis a oito soldados. Com ele, Moisés, estava José Bernardo, a quem os soldados lhe perguntaram se já era cangaceiro, ao que José Bernardo respondeu que não, dizendo aos soldados que estes tinham vindo de Boa Esperança, sob encomenda.
Pela leitura dos depoimentos das testemunhas, principalmente os de Antônio Jaime Araripe e Moisés Vilela, o promotor concluiu que a luta que travou Isaías Arruda e algumas praças do destacamento policial da vila foi provocada pelos policiais, e não por Isaías Arruda. Para o promotor, houve agressão por parte dos soldados a Isaías, o qual foi obrigado a se defender.
“A primeira testemunha alegou também que uma das praças aludidas, ao mesmo tempo que um seu companheiro dava a Isaías respeitosamente dirigia ao denunciado palavra insulta, ao que se seguiu o conflito referido, vendo-se Isaías obrigado a lançar mão de revólver para se defender. Assim sendo, impossível considerá-lo, assim como aos demais denunciados, como incursos na sanção do art. 294 do cod. Penal, combinado com o art. 13 do mesmo código.
Não se enquadra neste processo a figura jurídica do crime de tentativa de homicídio por não estar conforme a prova dos autos e pelas circunstâncias de que se cercou o fato delituoso. Nenhuma das testemunhas afirmou ter sido o soldado Francisco Paulino
Sobrinho, ferido por Isaías nem tão pouco os demais denunciados terem atacado o destacamento policial, fazendo diversas descargas de rifle. Além do mais, a 5ª testemunha depôs por ouvir dizer que depois do tiroteio houve luta entre dois soldados, os quais chegaram a atirar um contra o outro. Dou parecer, pois, que não havendo provas dos autos pelas quais se possa afirmar que os denunciados sujeitos á sanção do art. 294 do código penal combinado com o art. 13 do mesmo código, que os mesmos sejam
impronunciados, baseado não só nos depoimentos das testemunhas, como também no princípio de que na incerteza ninguém deve ser punido”. (Autos do Inquérito policial e processo-crime contra Isaías Arruda de Figueiredo e outros, Aurora, 1922, p.14-16).
No entanto, conforme consta no processo (p.2) foi procedido exame de corpo de delito no soldado Francisco Paulino Sobrinho, que era natural de Fortaleza e nada tinha de parentesco com os Paulinos de Aurora. Reinaldo Leite de Oliveira foi nomeado para proceder como escrivão ad hoc e intimar José Dias Neto e Luiz Altino de Andrade para atuarem como peritos no exame de corpo de delito, a pedido do delegado militar Crisóstomo Borges.
Em depoimento, o soldado afirma que no dia e hora já ditos, ele e outros do destacamento foram ao mercado a fim de fazerem uma refeição ao que encontraram com Isaías Arruda. Sem conhecê-lo, deu “boa noite”, ao que lhe respondeu Isaías Arruda: “Vocês sabem com quem estão falando, cachorros? ”, e foi logo sacando um revólver, de onde começou a enrasca.
De certo, não houve confronto sangrento entre Moreiras e Arrudas em 7 de janeiro de 1922, na sede da vila d’Aurora, como anunciado, inclusive, pelo próprio presidente do Estado Justiniano Serpa, que ao falar por telegrama com o Presidente da República sobre um outro episódio com tiroteio e mortes ocorrido em Lavras, justifica este, de Aurora.
Esclareça-se, aqui, que a data do confronto foi 6 de janeiro e não 7 de janeiro, no mesmo dia da hecatombe de Lavras episódio sangrento que ficou conhecido também como dia do barulho. O combate de Aurora foi travado com policiais e não com os irmãos Moreira que, no entanto, tiveram seus nomes apontados como mandantes da vindita contra Isaías Arruda, fato este, que se utilizou o Promotor de Justiça para requerer o arquivamento do processo contra os Arrudas.
João Tavares Calixto Junior, pesquisador e escritor
Conselheiro Cariri Cangaço, Juazeiro do Norte-CE

BRAZIL. Anais da Câmara dos Deputados. Congresso
Nacional, vol, 2, Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa
Nacional, 1923.
CALIXTO JÚNIOR, J.T. Vida e Morte de Isaías Arruda - Sangue dos Paulinos, abrigos de Lampião. Fortaleza, Expressão Gráfica, 2019

A Maria do Capitão Chega aos Grandes Encontros Cariri Cangaço

MARIA BONITA, a Maria do Capitão, a Rainha do Cangaço é nossa convidada especial para os Grandes Encontros Cariri Cangaço desta próxima sexta-feira, dia 20 de Novembro de 2020 no Canal do YouTube do Cariri Cangaço. Manoel Severo recebe o pesquisador e escritor Joao de Sousa Lima, presidente do IGH Paulo Afonso, Conselheiro Cariri Cangaço, para conhecermos mais de perto a história desta mulher da terra do condor, que mudou os rumos do cangaço de Virgulino Ferreira.

Entre Caneta e Bacamarte - A Saga de Fideralina, nos Grandes Encontros Cariri Cangaço.

"Conhecida como figura de destaque do coronelismo, cujo espírito encarnou com a sua armadura de guerreira, Fideralina sempre levou às últimas consequências as vinditas com os seus adversários, ganhando ou perdendo as demandas com as quais se envolveu. Falecida aos 16 de janeiro de 1919, foi casada com o major Ildefonso Correia Lima, e entre os fatos marcantes da sua trajetória podem ser enumerados: a detenção do poder político supremo, em Lavras da Mangabeira, e a derrubada do seu próprio filho, Honório Correia Lima, da chefia da Intendência local.

Senhora de vastos domínios territoriais e de grande vocação para o exercício da política, em Lavras estabeleceu residência em casarão localizado na então Rua Grande, hoje Major Ildefonso, e sua vivenda de campo foi construída no sítio Tatu do mesmo município, ostentando, além da casa-grande, a senzala, a capela e o engenho, símbolos máximos da autonomia do sistema latifundiário. Vastíssima tem sido a crônica histórica a seu respeito, valendo destacar algumas opiniões de abalizados conhecedores da nossa história política, selecionadas entre a complexa bibliografia que regista a sua trajetória. Em torno de sua pessoa disse Antônio Barroso Pontes: “Dona Fideralina, que na sua época dominou toda a região sul do Ceará”. E Joaryvar Macedo: “Mulher forte, Dona Fideralina tornou-se uma das maiores expressões da política cearense do seu tempo". O autor do texto, Dimas Macedo e Cristina Couto, são os convidados de Manoel Severo para esta noite ímpar, sobre uma das mais preciosas personagens do coronelismo sertanejo: Entre Caneta e Bacamarte - A Saga de Fideralina.

Serra do Catolé, Gruta de Lampião e a Pedra do Reino nas Andanças de Optato Gueiros Por:Valdir Nogueira

2º tenente da Força Pública do Estado de Pernambuco, Optato Gueiros, temível caçador de cangaceiros, alcunha que recebeu por ter combatido de modo valoroso os bandos do cangaço, por sua rígida fama, após a hecatombe de outubro de 1922, que ceifou a vida do coronel Luiz Gonzaga Gomes Ferraz, foi nomeado delegado de Belmonte por ato do governo do Estado no dia 18 de julho de 1923. Em suas incursões de trabalho, no combate ao banditismo, pelas veredas tidas como perigosas no solo belmontense, um diálogo seu com um morador da Serra do Catolé transformou-se em curioso relato do livro das suas memórias do tempo do cangaço intitulado: “Lampião – Memórias de um oficial ex-comandante de forças volantes”.

Eis um trecho do diálogo:
“Pelo fim do ano de 1922, o major Teófanes Ferraz Torres, em um encontro na Serra das Panelas, feriu Lampião no pé esquerdo. Ai foram mortos Cícero Costa e Lavandeira.
Nesse encontro, foi o grupo completamente destroçado. Lampião não pode fugir e, escondido por baixo de uma espessa moita, esteve para se entregar algumas vezes. Dele, se aproximavam soldados de vez em quando, a ponto de, se avançassem mais uns cinco metros, o encontrariam estendido com um pé esmigalhado por uma bala.


GRUTA DE LAMPIÃO, também conhecida como “Casa de Pedra”, local altamente estratégico dada a sua localização, na parte mais alta da Serra do Catolé em São José do Belmonte. Antes era apenas uma furna de onça, depois que o rei do cangaço ali esteve em decorrência do tratamento de um tiro no pé, ficou o local conhecido como “Gruta de Lampião”. De lá tem-se uma visão magnífica da “Ilumiara Pedra do Reino”.

Mais de um ano depois desses acontecimentos, conquistei a amizade e confiança do velho João Menezes, da encosta da Serra do Catolé, que me revelou o seguinte:
- O senhor sabe; quem mora, como eu, num ermo deste, tem que fazer o que não quer, pra poder passar. O senhor está vendo aquela pedra grande na ponta da serra? Disse o velho.
- Sim estou vendo, respondi.
- Pois bem, continuou, por traz daquela pedra, pelo lado esquerdo, há um “sucavão”, que comporta vinte homens. É uma furna de onça. Ali passou Lampião quarenta dias, se tratando do balaço que arrebentou-lhe o pé. Eu não sei como aquele pé ainda emendou, pois o osso ficou um facho...”
E a conversa continuou:
“- Seu João, como vive o senhor numa solidão dessa, sendo visitado somente por tropas volantes e cangaceiros? Aduzi, ao mudar o assunto.
- Vivo muito bem seu tenente. A minha ocupação aqui é tirar catolé e mandar vender nas feiras. As minhas andadas nunca passam desta encosta de Serra à Pedra do Reino.
- E que Pedra do Reino é esta seu João, perguntei.
- Há! ... isso é uma história comprida. Quem pode lhe contar tudo é o velho João Menino da ponta da Serra, e o major Quincas Leonel, da Oiticica. Eles lhe “debulham” tim tim, por tim tim. Já os ouvi contar a homens de posição, de passagem em casa deles.
- E o senhor não gravou nada?
- A história é mais ou menos assim: Há uns sessenta anos passados, um João Antônio dos Santos, juntou na Pedra do Reino, umas quatrocentas pessoas entre homens mulheres e crianças, e botou na cabeça deles que Dom Sebastião iria surgir na Pedra do Reino, montado num cavalo branco, mas, para isso, para que o rei aparecesse logo, seria necessário matar muitas crianças e mulheres e aspergir o sangue na pedra. O povo se deixou levar pelas pregações e os pais entregavam os filhos, que eram logo sangrados em cima da pedra. E assim muitas crianças, em número elevadíssimo, e mulheres, foram mortas com a maior indiferença e sangue frio.
Cariri Cangaço em visita à Gruta de Lampião em São José de Belmonte

As forças do governo e civis armados, em número de quatrocentos, mais ou menos, atacaram o arraial sebastianista, na Pedra do Reino. Houve uma luta de um dia todo, até que, depois de muitas baixas, conseguiram tomar a Pedra do Reino e acabar com o fanatismo”.
Valdir José Nogueira de Moura,
Conselheiro Cariri Cangaço
São José de Belmonte, 08/11/2020

OS FLÔR DE NAZARÉ - No Rastro de Lampião nos Grandes Encontros Cariri Cangaço


OS FLÔR DE NAZARÉ - No Rastro de Lampião nos Grandes Encontros Cariri Cangaço, nesta sexta !!! A atual Nazaré do Pico, já foi Carqueja, que já foi Nazaré. A vila que nasceu da antiga fazenda Algodões, foi o resultado de um sonho do filho do professor Domingos Soriano Ferraz, "Manu" ; que via nascer naquele lugar uma vila. Dali até a realização do sonho foi rápido. Ao sonho se uniram outros jovens e entre esses, os filhos de João Flor, era agosto de 1917 quando foi inaugurada a primeira feira de Nazaré. Depois dos primeiros embates entre os "filhos de Zé Ferreira" com Zé Saturnino, a família mudou para os arredores de Nazaré, já estamos em 1919 e a fazenda Poço do Nêgo era a nova morada do futuro rei do cangaço. Dali para frente o conflito entre Virgulino e seus irmãos com o povo de Nazaré só aumentaria e viria a se tornar uma verdadeira saga, envolvendo mais de 100 integrantes do afamado vilarejo que entraram na luta contra o cangaço.

Neste primeiro programa Ao Vivo dos Grandes Encontros Cariri Cangaço sobre a Vila mais famosa do cangaço: Nazaré do Pico, Manoel Severo; curador do Cariri Cangaço; recebe tres descendentes destes valorosos e encardidos nazarenos: Fabiano Ferraz, Euclides Neto e Odilon Nogueira; netos respectivamente dos comandantes nazarenos: Manoel, Euclides e Odilon Flor; para nos trazer o primeiro capítulo desta saga, é nesta sexta, dia 06 de novembro as 20horas, até lá !!!

O Fogo da Piçarra e a Morte de Sabino nos Grandes Encontros Cariri Cangaço


Hoje, os Grandes Encontros Cariri Cangaço nos traz mais um episódio marcante da historiografia do cangaço no estado do Ceará. Um ou outro desavisado poderia imaginar que não houve presença forte do cangaço no estado cearense, ledo engano, aqui por nossas bandas, mas especificamente na região do cariri, sul do estado, tivemos a presença marcante do cangaço através de personagens emblemáticos notadamente dentro do ciclo de Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião. Poderíamos citar o Coronel Santana da Serra do Mato, o Major Zé Inácio do Barro, o Coronel Isaias Arruda de Missão Velha dentre outros, sem falar num dos mais importantes ícones desse recorte do momento histórico que estudamos: seu Antônio Leite Teixeira, o conhecido “seu Toim da Piçarra”; personagem principal de nosso artigo de hoje com destaque para o famoso “Fogo da Piçarra” aonde viria a perder a vida o lugar-tenente do rei do cangaço, Sabino das Abóboras em 27 de março de 1928. Seu Antônio da Piçarra passou de anjo a demônio diante do rei vesgo de Vila Bela.

A Fazenda Piçarra localiza-se no município de Porteiras, extremo sul do estado do Ceará, a 570 km da capital Fortaleza. A Piçarra está encravada na região limítrofe entre os estados do Ceara, de Pernambuco e da Paraíba, portanto extraordinariamente bem localizada do ponto de vista estratégico, pois se configurava como ponto de passagem constante de mascates, almocreves, viajantes e... Grupos cangaceiros. Ali é o lar da família Leite Teixeira, berço de seu Antônio Leite Teixeira, o Antônio da Piçarra. Terra boa, propícia para a agricultura e pecuária, na Piçarra de seu Antônio havia um engenho de cana de açúcar, um grande rebanho de gado, tanto bovino como ovino, cavalos e burros para a lida diária, muita água, enfim, um paraíso sertanejo encravado entre os municípios cearenses de Porteiras, Brejo Santo e Jati. 

A Fazenda Piçarra também veio a ser palco de um dos episódios mais marcantes do cangaço de Lampião: O Fogo que seguiu com a morte do cangaceiro Sabino Gomes em março de 1928. Para contar a saga de Seu Toim da Piçarra e o enigmático cerco e morte de Sabino, Manoel Severo, curador do Cariri Cangaço, recebe o pesquisador Wilton Santana Filho, neto que foi criado por Antônio da Piçarra e seu confidente ao longo de anos, tudo isso nesta sexta, dia 30 as 20 horas no canal do You Tube do Cariri Cangaço.

Grandes Encontros Cariri Cangaço - O Fogo da Piçarra e a Morte de Sabino, nesta sexta-feira, dia 30 de outubro as 20 horas.

Cangaço no Cordel-Origens, Formação e Narrativas em noite de Grandes Encontros Cariri Cangaço


Os universos do Romanceiro, das Cantorias e do Cordel invadem os Grandes Encontros Cariri Cangaço. Manoel Severo, curador do Cariri Cangaço, recebe nesta sexta-feira, dia 23, os pesquisadores, Kydelmir Dantas da Paraíba e Carlos Alberto Silva do Rio Grande do Norte; para um bate-papo especial sobre a magia e talento dos poetas sertanejos de todos os tempos, imortalizados por suas magnificas obras e pelo legado deixado. 

Nomes como Leandro Gomes de Barros, Silvino Pirauá de Lima, João Martins de Athayde e famosa família Batista de, Francisco das Chagas, Pedro, Sabino e Antônio, passando pela extraordinária Serra do Teixeira; a verdadeira Matriz da Cantoria; serão personagens de destaque de mais esse momento Ao Vivo do Cariri Cangaço. 

Grandes Encontros Cariri Cangaço

Cangaço no Cordel - Origens, Formação e Narrativas

Sexta, 23 de Outubro de 2020 às 20 horas

Canal do YouTube do Cariri Cangaço

Cangaço, um Movimento Eterno Por:Jailton dos Santos Filho

Se falarmos em identificação, encontramos relatos de apoio e idolatrismo. Se tratarmos de repúdio, temos depoimentos de revolta e injustiça. Diante da ambiguidade presenciada no estudo de um tema tão significante à história nordestina, e consequentemente, brasileira, é preciso ressaltar o legado histórico, acadêmico e cultural que o cangaço oferece. A condição salutar da literatura na construção social nos faz refletir sobre a perpetuação dos escritos que não deixam definhar o legado (heroico ou covarde) dos bandoleiros (ou justiceiros?) que rasgavam as caatingas e exacerbavam as falhas de um sistema governamental para justificar suas ações

O ser humano, dotado de imperfeições, tem na sua imprevisibilidade uma característica que nos intriga diariamente, não cabendo aos interessados tentar compreender os motivos pelos quais levaram homens e mulheres a praticar atrocidades e benfeitorias em nome de uma ideia. Resta-nos, desse modo, o aguçar da curiosidade na contemplação dos estudos voltados à atuação e consolidação de tal movimento revolucionário. A história, como ciência da memória, sustenta-se do empenho daqueles que vivem em prol do resgate e valorização do passado no intuito da construção do futuro. 

A iniciativa promovida pelo Cariri Cangaço, em especial na live “Lampião em Sergipe”, é um dos afluentes que compõe o majestoso rio que flui no ritmo dos cangaceiros. Desta feita, a minha posição de leigo me faz exaltar àqueles que se debruçam em manter viva, nas memórias e nos registros, uma história que personifica o amado torrão nordestino. Meus agradecimentos aos pesquisadores Manoel Severo, Archimedes Marques e João Paulo Carvalho por suas inestimáveis contribuições à preservação dessa corrente ideológica, fonte de inesgotável riqueza material e imaterial. Viva ao Nordeste! Viva ao Cangaço!

Jailton dos Santos Filho, Presidente do GEEL- Grupo Enforcadense de Estudos Literários.

Lampião em Sergipe é hoje nos Grandes Encontros Cariri Cangaço


Sergipe viria a se consolidar como um verdadeiro "feudo" do rei do cangaço por todo o período em que durou seu segundo reinado; entre 1929 e 1938. Foi a partir dali que Lampião estabeleceu um novo "estilo" de atuação dos bandos cangaceiros; consolidando a divisão de seu numeroso bando em pequenos grupos comandados por sub chefes, atuando em vários lugares ao mesmo tempo, confundindo e desmobilizando os esforços das forças policiais perseguidoras, como o Mestre Alcino Alves Costa, patrono do Conselho do Cariri Cangaço indica: "O poder de Lampião era tão grande que ele teve a ousadia de dividir partes do Estado de Sergipe nos moldes das antigas sesmarias, colocando seus principais homens, como se fossem sesmeiros, à frente de vastas glebas de terras".

Seria também em Sergipe que o Rei do Cangaço encontraria seus mais destacados "coiteiros", todos da mais alta "patente" e também em Sergipe teríamos seu último ato: Angico; no antigo município de Porto da Folha; atualmente em território emancipado de Poço Redondo, berço de Alcino Alves Costa, território de muitas histórias, tradição, e território onde localiza-se a famosa Maranduba , além de episódios marcantes como a "Ferração em Canindé", O "Fogo do Coité", "A Morte de Zé Baiano", entre outros eletrizantes capítulos da historiografia do Cangaço. Para nos contar tudo isso e muito mais,

Manoel Severo Barbosa, curador do Cariri Cangaço, recebe logo mais as 20 h , os pesquisadores e escritores; Archimedes Marques e João Paulo Carvalho; para mais um Ao Vivo no Canal do Cariri Cangaço no You Tube, com o tema: Lampião em Sergipe-Historiografia. Imperdível.


Floresta - Terra de Bravos nos Grandes Encontros Cariri Cangaço


O município de Floresta, a tradicional "Terra dos Tamarindos”, a “Filha do Pajeú”, ou ainda : “Floresta do Navio”; encravado em uma das mais importantes regiões de nosso sertão pernambucano, com história marcante e pujante desde os tempos quando era primitivamente ocupada por aldeia indígena, catequizada pelas primeiras missões dos jesuítas e capuchinhos franceses, passando pelas fazendas Curralinho, Paus Pretos e Fazenda Grande, ainda no século XVIII às margens do Rio Pajeú, e desaguando como o principal berço combatente ao banditismo rural – o Cangaço; através de seus filhos, os mais ferrenhos e tenazes perseguidores de Lampião. Para contar a historia dessa extraordinária terra, Manoel Severo, curador do Cariri Cangaço, recebe na noite de hoje, os pesquisadores e escritores; Cristiano Ferraz e Leonardo Gominho; para mais um sensacional Ao Vivo no canal do YouTube do Cariri Cangaço.

"Para nós que fazemos o Cariri Cangaço e para mim em especial que tive, como uma das maiores honras de minha vida, a permissão e o presente de receber o Título de "Cidadão Honorário de Floresta"; proposição da querida amiga Bia Numeriano; é uma grande honra reviver a extraordinária historia da Saga Florestana, desde suas raízes até os dias de hoje, notadamente dentro da historiografia do combate ao cangaço, ainda mais com os convidados mais que especiais, amigos queridos, experts no assunto; Cristiano Ferraz e Leonardo Gominho; esse será o primeiro de uma série de programas "ao vivo" sobre Floresta, quando ainda teremos capítulos especiais ainda com Floresta e Nazaré do Pico e com os grandes pesquisadores; Denis Carvalho, Fabiano Ferraz, Odilon Nogueira, Euclides Neto, Zinho Flor, Netinho Flor, Cristina Amaral e Rubelvan Lira, vale a pena esperar, avante Floresta e Nazaré." Manoel Severo.


"FLORESTA-TERRA DE BRAVOS"
nesta sexta, dia09 de Outubro as 20 horas. Imperdivel !
VENHA CONOSCO, FAÇA SUA INSCRIÇÃO E ATIVE AS NOTIFICAÇÕES.

Os Coronéis do Crato Por:Armando Rafael

Cel. Antônio Luís Alves Pequeno, o 2º com este nome.

Há uma vazio na historiografia do Crato! De uma maneira geral os coronéis de Crato foram homens bons, progressistas, e mesmo quando brigaram entre si não mandaram matar os desafetos como acontecia com outros coronéis nordestinos... Até agora nenhum historiador escreveu sobre os coronéis Antônio Luís Alves Pequeno. Houve três coronéis com o nome de Antônio Luís Alves Pequeno, avô, filho e neto. O segundo deles, sem desmerecer os outros dois, foi um homem extraordinário! Sua biografia bem merece uma tese de doutorado...

Este coronel era um abastado comerciante com matrícula no Tribunal do Comércio de Recife. Para a capital pernambucana ele viajava costumeiramente indo de cavalo até Aracati ou Fortaleza. De lá pegava um navio com destino a Recife, à época o maior empório comercial do Norte do Brasil, onde comprava mercadorias para abastecer sua loja, a maior de Crato. As mercadorias vinham pelo mar de Recife até Aracati. Desta cidade – em carros de boi, que atravessavam todo o Ceará – seguiam em direção a Crato.  

O coronel Antônio Luís vendia muitos produtos na sua loja, dentre eles: tecidos, livros, ferragens, remédios, louças, charutos, rapé, vinhos, remédios e até manteiga que vinha acondicionada em barris. Graças à hospitalidade que o abastado coronel ofereceu ao Bispo do Ceará, nas vezes em que este visitou Crato surgiu entre os dois um clima recíproco de admiração e respeito. Mais do que isso, viraram compadres e amigos. Basta lembrar a atuação do coronel, junto ao bispo, em favor do seminarista Cícero Romão Batista, este afilhado de crisma de Antônio Luís. Quando ficou órfão do pai, em 1862, o jovem Cícero Romão Batista teve de interromper seus estudos, no Colégio do Padre Rolim, em Cajazeiras (PB). Retornando a Crato, Cícero, então com dezoito anos, acompanhou as dificuldades financeiras da mãe viúva e das duas irmãs órfãs de pai.

Armando Rafael

A partir daí, o coronel Antônio Luís tomou sob sua proteção os estudos do afilhado. Em 1864 o jovem Cícero Romão Batista foi matriculado no Seminário da Prainha, em Fortaleza. Como a família de Cícero não dispunha de recursos financeiros para pagar as despesas com o estudo, o coronel Antônio Luís conseguiu com Dom Luís que seu afilhado fosse matriculado gratuitamente. Entretanto, já em 1868, o reitor do Seminário, o padre francês Pedro Chevalier, resolveu dispensar o seminarista Cícero, taxando-o de aluno fraco em teologia, além de dado à leitura de obras de ocultismo.  Mas, oficialmente, a desculpa para a dispensa de Cícero foi a falta de recursos do Seminário, para manter o estudante gratuitamente.

Segundo Nertan Macedo: “O coronel Antônio Luís montou no seu cavalo e atravessou o sertão do Ceará para garantir a educação do afilhado. Cícero pôde, então, passar à condição de pensionista e concluir o curso. Em novembro de 1870, o reitor Pedro Chevalier fazia ver a Dom Luís Antônio dos Santos que Cícero não estava em condições de ser ordenado, alegando tratar-se de um moço teimoso e dado a visões do outro mundo. Mas o prestígio do padrinho, junto ao bispo, valeu-lhe, mais uma vez, e Cícero, no dia 30 de novembro de 1870, recebia a ordem do presbiteriato, voltando para Crato, a fim de ensinar latim, na escola do primo José Joaquim”.

Armando Rafael , pesquisador e escritor - Crato, Ceará.
Fonte: http://blogdosanharol.blogspot.com/2016/05/noticias-comentarios-de-armando-rafael.html