Fortaleza

Espetacular Noite de Abertura do Cariri Cangaço Fortaleza 2018

Noite de Abertura do Cariri Cangaço Fortaleza 2018

O auditório Murilo Aguiar, da Assembléia Legislativa do estado do Ceará, recebeu na noite desta quinta-feira, dia 26 de abril de 2018, a solenidade de abertura do Cariri Cangaço Fortaleza; primeira iniciativa do empreendimento em uma capital. o Cariri Cangaço já realizou 19 grandes seminários em mais de 22 cidades nordestinas ,mas nunca havia chegado a uma capital. "Nada mais natural começarmos por nossa casa, Fortaleza , capital do Ceará, berço do Cariri Cangaço" completa Manoel Severo, curador do Cariri Cangaço.


Deputado Heitor Ferrer preside a Mesa de Abertura da Solenidade
Eduardo Renno, João de Lemos, João Arruda, Manoel Severo, Heitor Ferrer, Raimundo Matos, Ubiratan Aguiar, Benedito Vasconcelos e Cristina Couto
A Mesa Solene da noite de abertura foi presidida pelo deputado estadual Heitor Ferrer, representando o presidente da Assembléia Legislativa e contou ainda com as presenças do deputado federal Raimundo Gomes de Matos; representando o Congresso Nacional e a Comissão de Cultural da Câmara dos Deputados, do ministro Ubiratan Diniz Aguiar; presidente da Academia Brasileira de Letras, do professor João Arruda; representando o prefeito de Fortaleza, do professor Benedito Vasconcelos; presidente da SBEC, do dr. João de Lemos; presidente do Instituto dos Advogados do Ceará, de Cristina Couto; presidente da Academia Lavrense de Letras e de Eduardo Renno; vice-presidente da Academia Cearense de Cinema.

A solenidade foi aberta pelo deputado Heitor Ferrer que ressaltou a "extraordinária iniciativa do empreendimento Cariri Cangaço em seu trabalho de aprofundar o estudo da historia e das tradições nordestinas, fazendo da cultura uma das molas mestras para a transformação da sociedade, é uma honra  para a Assembléia Legislativa do Ceará acolher o Cariri Cangaço".  Logo em seguida à  execução do hino nacional brasileiro, o promotor de justiça do estado do Rio Grande do Norte, colecionador e pesquisador, conselheiro Cariri Cangaço, Ivanildo Silveira fez a apresentação do Cariri Cangaço a todos os presentes.


 "A capital do Ceará, Fortaleza, recebe a partir de hoje até o domingo, dia 29 próximo, destacados estudiosos, pesquisadores e escritores de temas ligados a história do nordeste no Brasil. O Cariri Cangaço Fortaleza  2018 apresenta um qualificado fórum de debates que terá como tema principal O “Coronelismo”.O evento já se configura como a maior iniciativa do gênero já realizada em uma capital do país. O Cariri Cangaço está sendo construído a partir de grande articulação envolvendo vários segmentos culturais, estudantis e acadêmicos do estado e também da região; tendo a frente o Instituto Cariri do Brasil e o Grupo de Estudos do Cangaço do Ceará, com o apoio da  Sociedade Brasileira Estudos do Cangaço, da Academia Cearense de Letras e da Academia Lavrense de Letras; além de diversos parceiros institucionais,ora representados nesta noite de abertura nesta Assembléia Legislativa", concluiu Ivanildo Silveira 
na apresentação do evento.

Deputado Federal Raimundo Gomes de Matos


Em seguida fez uso da palavra, representando a Câmara dos Deputados o deputado federal Raimundo Gomes de Matos que renovou o compromisso da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados; da qual é um dos componentes, "em permanecer atento às demandas da área da cultura e na defesa intransigente do fortalecimento dos recursos destinados ao segmento nos orçamentos de estado" ressaltou ainda o "trabalho digno de reconhecimento do Cariri Cangaço, tendo a frente meu conterrâneo Manoel Severo, que faz esse trabalho reunindo pesquisadores de todo o Brasil, hoje presentes em Fortaleza"



Ministro Ubiratan Diniz Aguiar


Já o ministro Ubiratan Diniz Aguiar, presidente da Academia Cearense de Letras, em suas palavras ressaltou "a esperança contida em iniciativas como o Cariri Cangaço, reunindo verdadeiros abnegados defensores da cultura num trabalho sério e responsável", Ubiratan Aguiar lembrou ainda sua luta a partir de Projeto de sua autoria na Câmara dos Deputados que tem em seu bojo a mudança constitucional dos recursos destinados à cultura " como também festejou Fortaleza por receber o evento, e ainda fez um convite para no próximo mês de agosto, todas as entidades ali reunidas e representadas pelo Cariri Cangaço, estarem participando no Teatro José de Alencar de um manifesto encabeçado pela Academia Cearense de Letras em defesa da cultura.



 Conselheiros Juliana Pereira e Ângelo Osmiro
 Ministro Ubiratan Aguiar e Juliana Pereira
 Professor João Arruda recebe o Diploma em nome do ex-reitor da UFC, 
Roberto Cláudio Frota Bezerra
 Eduardo Renno, recebe o Diploma em nome de Regis Frota
 Raphael Pessoa recebe o Diploma em nome de Valdetário Monteiro
Paulo Quezado, Juliana Pereira e Ângelo Osmiro


A noite de abertura foi também marcada pela tradicional homenagem do Conselho Curador Alcino Alves Costa à personalidades que se destacam na defesa da cultura e das artes, distinção conferida a cada edição do Cariri Cangaço. Os Conselheiros Juliana Pereira e Ângelo Osmiro entregaram os diplomas de "Amigo do Cariri Cangaço" ao presidente da Academia Cearense de Letras, ministro Ubiratan Diniz Aguiar; ao ex-reitor da Universidade Federal do Ceará, professor Roberto Claudio Frota Bezerra; ao conselheiro federal da OAB, Valdetário Monteiro; ao presidente da Academia Cearense de Cinema, Regis Frota e ao renomado advogado cearense do Vale do Salgado, Paulo Quezado.



Na oportunidade o curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo Barbosa, foi homenageado pelo pesquisador, escritor e artista plástico; Archimedes Marques e sua esposa, também escritora, Elane Marques, com uma estatueta confeccionada em papel machê, de sua autoria que retrata o fundador do Cariri Cangaço. "Tenho que ter muita gratidão ao Archimedes porque além de me presentear com esse espetacular trabalho, ainda me proporcionou uma lipo me deixando bem esbelto, rsrs" agradece Manoel Severo.

Elane e Archimedes Marques e a homenagem a Manoel Severo


Dando prosseguimento à noite de abertura o curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo, apresentou as boas vindas a todos os convidados do evento, vindos de todos as regiões do país para reverenciar mais uma vez a cultura, a historia e as tradições nordestinas. "Hoje nesta assembléia legislativa temos a grande honra de inaugurar mais uma etapa desafiadora de nosso Cariri Cangaço, o empreendimento chega pela primeira vez a uma capital, com um formato diferente, com um publico diferente, com sentimentos diferentes, mas com a mesma força e o mesmo entusiasmo de sempre."

E continua Manoel Severo, "vamos a partir de uma programação dinâmica e construída com todo o cuidado, contemplar todos os públicos" e conclui "além das conferências e debates teremos lançamento de livros, cordéis, exibição de filme, exposição de artesanato, apresentações artísticas, enfim, sem falar que visitaremos e temos como anfitriões, verdadeiros templos da cultura do Ceará, como a Casa de José de Alencar, o Palácio da Luz e o Cine Teatro São Luiz, sejam todos muitos bem vindo ao Cariri Cangaço Fortaleza". 



Manoel Severo na noite de abertura do Cariri Cangaço Fortaleza

Por fim Manoel Severo convidou ao palco da assembléia legislativa os pequenos notáveis do Cariri Cangaço; as talentosas sanfoneirinhas, Cecília do Acordeon, de Redenção-CE e Deisielly do Acordeon, de Ocara-CE, além da poetiza Francine Maria de Ibiapina-CE; Pedro Lucas, o menino do museu, de Crato-CE e Pedro Popoff o menino do cordel e do baião de Bauru-SP, que transformaram a noite de abertura do Cariri Cangaço Fortaleza na mais autentica festa do forró e do baião da verdadeira alma nordestina.

Pedro Popoff e Manoel Severo
Paulo Vanderlei, Pedro Lucas, Rodrigo Honorato, Pedro Popoff, Deisielly do Acordeon, Francine Maria e Cecília do Acordeon

Veja na íntegra toda a Solenidade de Abertura do 
Cariri Cangaço Fortaleza 2018

Solenidade de Abertura do Cariri Cangaço Fortaleza 2018
Assembléia Legislativa do Estado do Ceará
Imagens Laser Video - Aderbal Nogueira - YouTube

A Assembléia Legislativa do estado do Ceará, recebeu sem dúvidas uma das mais autênticas manifestações da integração da cultura brasileira. 13 estados brasileiros estavam representados na abertura do Cariri Cangaço Fortaleza. Personalidades das mais variadas manifestações culturais e artísticas num encontro antológico, sem fronteiras, sem distinção de raça, cor, idade, sexo, pensamento... Apenas paixão; paixão pelo nosso chão, nossas raízes, nossa nação, a isso chamamos Cariri Cangaço: Onde o Brasil de Alma Nordestina se Encontra.

Cariri Cangaço Fortaleza
Noite de Abertura, Auditório Murilo Aguiar 
Assembléia Legislativa do Ceará
Quinta-Feira, 26 de abril de 2018

Casa José de Alencar Recebe o Cariri Cangaço Fortaleza 2018


O segundo dia de Cariri Cangaço Fortaleza teve como anfitriã a Universidade Federal do Ceará - UFC. Nas dependências da Casa José de Alencar, no bairro Alagadiço Novo em Fortaleza, os convidados do evento tiveram a oportunidade de conhecer um dos mais significativos e importantes equipamentos turísticos do Ceará, berço do principal ícone da literatura cearense, o escritor José Martiniano de Alencar, nascido aqui em maio de 1829. José de Alencar, notável como escritor, foi o fundador do romance de temática nacional, autor do célebre romance Iracema e patrono da cadeira fundada por Machado de Assis na Academia Brasileira de Letras.

Casa de José de Alencar, situada no Sítio Alagadiço Novo, foi adquirida em 1965 pela Universidade Federal do Ceará (UFC), durante gestão do Reitor Antonio Martins Filho. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), preserva, promove e difunde a obra do grande romancista cearense. Além das ruínas arqueológicas e da edificação histórica, o conjunto arquitetônico abriga a Pinacoteca Floriano Teixeira, a Biblioteca Braga Montenegro, o Museu Artur Ramos e a Coleção Luísa Ramos. O Centro de Treinamento Prof. Martins Filho atende à UFC e a outras 
instituições públicas e privadas.
Archimedes Marques e a Exposição Cangaço em Papel Machê
Poeta Geraldo Amâncio e Daniel Walker
 Poeta e xilogravurista Nonato Araujo
Cecília do Acordeon e Nonato Araujo
 Nando Poeta do Rio Grande do Norte
Paulo de Tarso, o poeta de Tauá
Rita Pinheiro a Garimpeira da Cultura, Manoel Severo e a "saia que vai rodar o mundo"... 
Francine Maria e Lili Conceição
No bosque que dá acesso a entrada do auditório principal da Casa José de Alencar os convidados foram recebidos com uma espetacular feira de cordéis, xilogravuras, livros, cds, gravuras, fotos, artesanatos e uma exposição de obras em papel machê, retratando figuras da historiografia cangaceira do artista plástico sergipano Archimedes Marques. Além de Archimedes Marques nos deram o prazer de estarem expondo na grande festa do Cariri Cangaço os espetaculares artistas Nonato Araujo, Edson Oliveira, Pedro Sampaio, Geraldo Amâncio, Leopoldo Kavisner, Francisco de Assis AS, Paulo de Tarso, Ivonete Morais, dentre outros.


Pedro Lucas, Cecília do Acordeon, Deisielly do Acordeon e Pedro Popoff na abertura do segundo dia de Cariri Cangaço em Fortaleza
 Pedro Mota Popoff e o lançamento de seu cordel no Cariri Cangaço Fortaleza
 Quirino Silva e o Cariri Cangaço Fortaleza na Casa José de Alencar

A abertura do segundo dia teve como primeira apresentação o lançamento de cordel por parte do pequeno e talentoso Pedro Mota Popoff, menino do cordel e do baião, apaixonado por nordeste, Lampião e Luiz Gonzaga, logo seguido pelas apresentações nas sanfonas de Cecília do Acordeon, Deisielly do Acordeon, e ainda Francine Maria e Pedro Lucas Feitosa, o baião tomou conta do berço de Alencar.

Nesta mesma manhã a SBEC-Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço, representada pelo presidente Benedito Vasconcelos, fez a entrega da Comenda Alcino Alves Costa a tres personalidades que se destacam pela defesa da pesquisa do cangaço no Brasil; a ilustre comenda foi concedida ao presidente do GPEC, pesquisador Narciso Dias, a filha dos ex-cangaceiros, Moreno e Durvinha, Neli Conceição e ao pesquisador paraibano, Wescley Rodrigues.

 Manoel Severo, Narciso Dias e Benedito Vasconcelos: Comenda da SBEC
Juliana Pereira que recebeu a comenda em nome de Wescley Rodrigues das mãos de Cristina Couto e Benedito Vasconcelos 
Lili Conceição, Professor Pereira e Benedito Vasconcelos
 Alcino Alves Costa, Patrono da Comenda da SBEC
Narciso Dias e Wescley Rodrigues

Veja na integra : SBEC entrega Comenda Alcino Alves Costa no Cariri Cangaço Fortaleza 2018
Imagens Por Laser Video de Aderbal Nogueira - Youtube

Em seguida o Conselho Curador conferiu ao diretor da Casa José de Alencar - UFC, professor Frederico Pontes, o Diploma de "Amigo do Cariri Cangaço", em suas palavras o professor Fred Pontes ressaltou o espetacular trabalho desenvolvido pelo Cariri Cangaço e pela grandeza do empreendimento, "então é uma grande satisfação receber ao meu amigo e irmão Severo e todo o Cariri Cangaço aqui na Casa José de Alencar" finaliza Fred Pontes.

Ingrid Rebouças e professor Frederico Pontes

A manhã do segundo dia de Cariri Cangaço Fortaleza teve ainda o lançamento do segundo volume de Lampião e o cangaço na Historiografia de Sergipe pelo escritor Archimedes Marques, que lembrou: "neste segundo volume passeamos sobre a estada, a passagem, a vida das cangaceiras naqueles inóspitos tempos, suas dores e seus amores nas guerras do cangaço e também após esse tempo para aquelas sobreviventes. A história de Carira, seus arruaceiros, seus bandoleiros, seus pistoleiros, os cangaceiros e policiais que por ali atuaram, também é minuciada e melhor estudada com a participação inequívoca de historiadores locais de renome que remontam esse tempo.Laranjeiras, a histórica e linda Laranjeiras dos amores e horrores, não poderia ficar de fora, pois além de tudo, há a grande possibilidade de Lampião ali ter pisado, até mais de uma vez, para tratamento do seu olho junto ao médico Dr. Antônio Militão de Bragança. Nesse sentido a história, a ficção e as suposições se misturam para melhor compreensão do leitor."


 O auditório principal da UFC- Casa José de Alencar recebeu o segundo dia de 
Cariri Cangaço Fortaleza 2018
Ingrid Rebouças e Aderbal Nogueira

A primeira conferência do dia teve como tema principal Coronelismo e sua Capilaridade Histórica com a professora mestra da Universidade Regional do Cariri - URCA, Fátima Pinho, que numa apresentação magistral proporcionou a todos um olhar lucido sobre o fenômeno do coronelismo brasileiro e nordestino, passando pelos mais variados conceitos históricos e a visão da imprensa sobre esse importante recorte da vida e da história de nossos rincões.


Professora Fátima Pinho e o Coronelismo no Cariri Cangaço Fortaleza 2018
 Manoel Severo e Fátima Pinho; Coronelismo e Padre Cícero na imprensa...
"Brilhante conferencia - CORONELISMO E SUA CAPILARIDADE HISTÓRICA, proferida por Fátima Pinho, professora da Universidade Regional do Cariri (URCA), campus do Crato-CE e doutoranda pela Universidade Federal Fluminense (UFF), que também trouxe o tema PADRE CÍCERO NA IMPRENSA. O conteúdo começou a ser exposto pelo conceito de coronelismo, referenciado nas obras de Víctor Nunes Leal, Maria Isaura Pereira de Queiroz, José Murilo de Carvalho, Joaryvar Macedo, além de Outros; o fenômeno contemplado na literatura, e, até o coronelismo local, onde foi destacado o contexto de atuação de Padre Cícero no Cariri cearense". Pesquisador Carlos Alberto, Natal -RN

Veja na Íntegra a Conferência de Fátima Pinho:
Professora Fátima Pinho no Cariri Cangaço Fortaleza 2018 por 
Laser Video de Aderbal Nogueira
YouTube

coronelismo continuou como a tônica forte da manha do Cariri Cangaço na Casa José de Alencar. Após a brilhante conferência da professora Fátima Pinho, o Conselho Curador prestou uma das mais justas homenagens da comunidade que pesquisa temas nordestinos; foi conferido ao pesquisador e escritor Joaquim Lobo de Macedo, Joaryvar Macedo, o Título de Personalidade Eterna do Sertão, honraria entregue pelos Conselheiros Bosco André e Cristina Couto, recebida pelas mãos de sua esposa, dona Rosalba Macedo, o genro Hélio Santos e as netas Ana e Clara. 

 Conselheiros Cariri Cangaço, Cristina Couto e Bosco André: 
Homenagem a Joaryvar Macedo
 Dona Rosalba Macedo recebe o Diploma em nome da família
Hélio Santos, genro de Joaryvar Macedo, fala em nome da família do homenageado

"Sem nenhuma dúvida, foi Joaryvar Macedo uma das personalidades mais ilustres das letras cearenses e um dos mais eruditos historiadores do Ceará, cuja formação histórica pesquisou com a argúcia e o devotamento de um beneditino. Em todos os seus trabalhos de pesquisa Joaryvar Macedo primou por um estilo eloquente. E sempre que expendiu juízos em torno de fatos históricos ele o fez com a melhor clareza de raciocínio. A sua linguagem literária revela-se, em todo o seu percurso, recheada de filamentos retóricos, demonstrando-nos o seu autor possuir a dotação de um clássico, sendo ele um moderno." Poeta e escritor Dimas Macedo

O final da manhã marcou outro sensacional momento do Cariri Cangaço Fortaleza que teve como protagonista o professor Francisco Pinheiro, com uma apresentação sobre as Fontes para a Historia do Ceará Colonial; trabalho capitaneado por sua equipe e que reside na transição da documentação do arquivo histórico ultramarino período 1619-1825Com uma apresentação precisa e cheia de detalhes, Pinheiro nos transportou, através de vasta documentação manuscrita; objeto de sua pesquisa; aos idos do cotidiano dos anos 1600, 1700 e 1800. 

Eram transcrições de vários atos da sociedade da época, retratando entre outros: Nomeações para cargos na Colônia, atos da igreja e até inquéritos policiais. "Há uma vasta documentação neste nosso trabalho que talvez ajude os pesquisadores do tema , principalmente documentos entre os séculos XVIII e XIX" revela o professor Pinheiro.


 Manoel Severo e Professor Pinheiro no Cariri Cangaço Fortaleza 2018
Professor Pinheiro recebe das mãos de Jonas Luiz da Silva, de Icapuí, 
seu Diploma do Cariri Cangaço
Veja na íntegra a Conferência do Professor Pinheiro:

Professor Pinheiro no Cariri Cangaço Fortaleza 2018, imagens por Laser Vídeo 
de Aderbal Nogueira, Canal YouTube


O almoço aconteceu no próprio restaurante da Casa José de Alencar; sob o comando da cozinha de dona Ana Célia; os convidados do Cariri Cangaço provaram das mais deliciosas iguarias da culinária cearense e nordestina. "Severo vocês arrebentaram a boca do balão com este maravilhoso cardápio, valeu cara !" festejou uma entusiasmada Luitgarde Barros. "Tudo foi feito com muito amor e carinho para receber os convidados do Cariri Cangaço, que bom que todos gostaram." comemora a dama da cozinha regional, Ana Célia. 


A tarde recomeçou com apresentações artísticas de peso; genuínas representações da verdadeira alma nordestina: os talentosos paraibanos Quirino Silva e Célia Maria em apresentação de Virgulino e Maria Bonita, a esplendida garimpeira da cultura, baiana Rita Pinheiro e a Vida Dura do Sertãoencantando a todos com uma arte intrigante, reflexiva e de atitude e por fim o toque infantil da alma sertaneja com a apresentação de Francine Maria, com direito a um dueto ao lado da espetacular pesquisadora Luitgarde Barros.


 Os geniais e talentosos Quirino Silva e Célia Maria no Cariri Cangaço Fortaleza 2018
 A Garimpeira da Cultura, Rita Pinheiro: Arte reflexiva e de atitute
 Francine Maria e Luitgarde Barros; o encontro de gerações e talentos do sertão

O renomado jurista Paulo Quezado foi o primeiro conferencista da tarde. Com uma temática polêmica e arrebatadora, Quezado nos levarias às terras do Vale do Salgado e ao município de Aurora. Ali tendo como protagonista o Sítio Coxá , suas minas de ouro e a Ordem Santa Cruz; dos penitentes, e Virgulino Ferreira da Silva. A conferência Lampião Decurião:Mito e Mistério , traz a incrível historia da iniciação do rei do cangaço à Ordem do Penitentes da Santa Cruz e sua Baraúna Sagrada. 


 Paulo Quezado e "Lampião Decurião"
Paulo Quezado e Manoel Severo no Cariri Cangaço Fortaleza 2018 
"No século XIX, a Ordem Santa Cruz, já estava bem consolidada na região do cariri, principalmente, nas cidades de Barbalha e Aurora ainda vila, com a ameaça de bandoleiros pagãos, não restou alternativa senão convidar o simpático da Ordem o irmão Lampião, ainda como postulante dos votos sacros da Igreja Rural Laica no Cariri. Com a chagada do aspirante, nós da ordem achamos por bem fazer a iniciação, o que foi feito no dia 3 de junho, 1927 na Braúna Santa – Aurora-CE - presentes solenidade litúrgica os Irmãos Izaias Arruda, Massilon Leite, Zé Cardoso e outros, bem como todas as foranias do cariri." Luiz Domingos de Luna-  http://lavrasce.blogspot.com.br/

Veja na Íntegra a Conferência de Paulo Quezado:
Paulo Quezado no Cariri Cangaço Fortaleza 2018, imagens por Laser Video de Aderbal Nogueira, canal YouTube


Professora Rúbia Lóssio: Aplicativo sobre o Cangaço

A apresentação do aplicativo Lampião Herói ou Bandido, tendo a frente os professores Rúbia Lóssio, Herlon Cortez e Renata Kallina ; todos da Universidade Leão Sampaio de Juazeiro do Norte - Ceará, dos cursos de Serviço Social e Análises de Sistemas; foi apresentado na mesma tarde para o público presente ao Cariri Cangaço Fortaleza pela professora Rúbia Lóssio e o estudante de tecnologia Hiago Fernandes, que fizeram uma exposição dos principais objetivos e da metodologia para a construção do referido aplicativo para Smartfones."A ideia do aplicativo é unir tecnologia , educação e história, sabemos que é um grande e ousado desafio por isso seria vital a parceria do Cariri Cangaço e dos pesquisadores, para construirmos algo inovador e responsável" completa Rúbia Lóssio. 


 Rúbia Lóssio professora da UniLeão, Juazeiro do Norte
"O aplicativo vai ter um bonequinho; tipo avatar; de Lampião e a ideia é que as crianças possam ir montando toda a roupa e indumentária do personagem e a cada peça que será colocada aparecem links de imagens, textos, enfim, que possam ir elucidando a historia do cangaço nordestino" Hiago Fernandes.

Veja na íntegra a Apresentação do Aplicativo pela professora Rúbia Lóssio
Apresentação do Aplicativo por Rúbia Lóssio
Imagens por Laser Video de Aderbal Nogueira - YouTube


Manoel Severo e Bosco André: Missão Velha e os Terésios chegam 
fortes ao Cariri Cangaço

O portal do Cariri, terra dos Terésios; Missão Velha, se fez presente em grande estilo na tarde do segundo dia de Cariri Cangaço Fortaleza, com o lançamento da obra do memorialista, pesquisador e escritor João Bosco André. Documentos para a História de Missão Velha, resultado de 48 anos de pesquisa do mestre caririense nos traz "as raízes da gleba, dados do município, formação administrativa e religiosa, evolução política, o poder da roça, geografia rural, lampião pelas terras de Missão Velha, filhos ilustres, destaques no campo da saúde e da educação, pioneirismo na indústria, etc, dividido em 17 capítulos e mais de 300 páginas." Uma obra prima não só sobre Missão Velha, mas sobre toda agênese do próprio cariri e sul cearense.

Bosco André nos trouxe com muita propriedade histórias espetaculares dos principais expoentes do coronelismo do sul cearense, Coronel Santana, Joca do Brejão, Izaias Arruda, Senhor Dantas, Edson Olegário, foram alguns personagens presentes a conferência de Bosco no Cariri Cangaço Fortaleza 2018. 


Veja na íntegra a Conferencia de Bosco André: 

Bosco Andre no Cariri Cangaço Fortaleza 2018 com imagens da Laser Video de Aderbal Nogueira - Canal YouTube

A última conferência da tarde teve o professor, poeta e escritor de Quixeramobim Bruno Paulino, lançando seu livro Pequenos Assombros. Bruno Paulino brindou ainda aos convidados do Cariri Cangaço Fortaleza com um olhar diferenciado sobre Antônio Vicente Mendes Maciel; o Conselheiro; a partir de sua terra natal, o município de Quixeramobim no sertão central cearense. 


 Bruno Paulino e a parceria para o Cariri Cangaço chegar ao berço de Conselheiro: Quixeramobim
"A GUERRA DE CANUDOS NARRADA PELOS SERTÕES, "A Gaiola de Ouro", de Euclides da Cunha, esplanada por Bruno Paulino, de Quixeramobim-CE. O jovem e talentoso Professor destacou a importância d'Os Sertões na narrativa da Guerra de Canudos, a atuação de Antônio Conselheiro a partir da Terra Quixeramobinense, a visão dos cordelistas, etc. O Livro Os Sertões, também conhecido por "A Gaiola de Ouro", nas palavras de José Calasans. E no final um excelente debate." Pesquisador Carlos Alberto, Natal-RN
Manoel Severo e professor Bruno Paulino: Conselheiro Vivo !
Barros Alves e o legado de Conselheiro
Luitgarde Barros

Conselheirista assumido, Bruno Paulino é o próprio entusiasmo quando se trata de reverenciar a memória e o legado do ilustre conterrâneo, um dos ícones do messianismo nordestino. Paulino é um dos organizadores do movimento Conselheiro Vivo que acontece anualmente em Quixeramobim. "A ideia é aproximarmos o Cariri Cangaço ao movimento Conselheiro Vivo e fazermos um grande evento no sertão central, em Quixeramobim unindo ainda mais a verdadeira alma nordestina" acentua Manoel Severo. A apresentação do professor Bruno Paulino ainda contou com a luxuosa contribuição dos pesquisadores Barros Alves, Carlos Alberto e Luitgarde Barros.

"Hoje, Quixeramobim tem o evento Conselheiro Vivo, que envolve escolas e movimentos sociais e rememora a vida do beato, no dia 13 de março, feriado na cidade. Conselheiro ensina que o sertão é possível" afirma Bruno Paulino. 

Veja na íntegra a Conferência de Bruno Paulino:

Professor Bruno Paulino e o Conselheiro de Quixeramobim...
Fonte Youtube - Canal Aderbal Nogueira


E no final um excelente debate com a participação especial da professora Luitgarde Barros: 


Luitgarde Barros no debate sobre o Conselheiro de Quixeramobim...

O sol se pondo anunciava o encerramento do segundo e precioso dia de Cariri Cangaço Fortaleza 2018. Os bosques da Casa de José de Alencar recebiam agora os convidados para o mais autêntico café sertanejo com muita tapioca, cuscuz, bolo de milho, canjica e pé de moleque. "Ora o Severo colocou na programação um tal de coffee break, mas tá na hora mesmo é da merenda !!!" reclamavam os vaqueiros da história.

Cariri Cangaço Fortaleza
Segundo dia, Auditório da UFC 
Casa José de Alencar
Sexta-Feira, 27 de abril de 2018

Academia Cearense de Letras Recebe o Cariri Cangaço Fortaleza 2018


A tarde do último dia 28 de abril de 2018; um sábado de sol na capital do Ceará, testemunhou a chegada em grande estilo do Cariri Cangaço a um dos mais preciosos templos da intelectualidade nordestina. Nos salões nobres da Academia Cearense de Letras; no majestoso Palácio da Luz; aconteceu o terceiro dia do Cariri Cangaço Fortaleza 2018.

Pesquisadores e escritores dos temas cangaço,coronelismo e messianismo promoveram um encontro antológico com o templo das letras da capital alencarina. O cordel, a xilogravura, as artes plásticas, a poesia, a cantoria, o som precioso do acordeon, enfim; celebravam no Cariri Cangaço Fortaleza o encontro da verdadeira alma nordestina.   


"A Academia Cearense de Letras, fundada em 15 de Agosto de 1894, é a mais antiga de todas as academias de letras do País, anterior mesmo a Academia Brasileira de Letras, fundada em 1897.Sua sede é o Palácio da Luz, possivelmente o mais antigo prédio público de Fortaleza, feito ao redor de 1781. Com palaciana arquitetura, foi a sede do Governo do Estado do Ceará, por mais de um século e meio.  A entidade abriga quatorze outras entidades do gênero literário, do Estado, que não possuem sede própria, havendo-se tornado, portanto, em movimentado centro cultural. Possui excelente estrutura acadêmica, a qual foi restaurada e requalificada , com auditórios, salões de honra, importante biblioteca com 25.000 livros, área externa para encontros literários;, chamada de Jardim dos Poetas; importantes obras de arte, quadros de pintores famosos etc.Por ela tem passado, seja como patronos, seja como sócio efetivos, filhos ilustres, tais como José de Alencar, Farias Brito, Clóvis Bevilacqua, Capistrano de Abreu e Rachel de Queiroz, entre tantos outros." José Augusto Bezerra, 
acadêmico e ex-presidente.

 Performance do ator Aldo Anísio na recepção dos convidados 
do Cariri Cangaço Fortaleza 2018

O Cariri Cangaço Fortaleza reservou uma programação especialíssima para seu terceiro dia. O evento reservou para a Academia Cearense de Letras; conferências, lançamentos de livros, feira de cordel e de literatura do cangaço e nordestina, além de várias apresentações artísticas das mais variadas naturezas da cultura nordestina, seguido de coquetel aos presentes, em seu encerramento. Antes mesmo da abertura oficial do evento, todos os presentes foram acolhidos por espetacular performance teatral do grande ator cearense Aldo Anísio.

Pedrinho Popoff, Cecília do Acordeon, Deisielly do Acordeon, Francine Maria e 
Pedro Lucas nas boas vindas aos convidados
Grande Festa na abertura do Cariri Cangaço Fortaleza nos salões da 
Academia Cearense de Letras 

Os convidados do evento foram recepcionados no hall de entrada por um cortejo da mais significativa demonstração da força das letras e da poesia nordestina: A Academia Maria Ester de Leitura e Escrita, composta por jovens entre 15 e 18 anos, brindaram a todos com uma espetacular apresentação de algumas das mais festejadas composições e poemas brasileiros que retratam a grandeza de nossa gente e de nossa terra. Ao lado deles, os meninos do Cariri Cangaço; Cecília e Deisiely, no acordeon e os Pedros; Popoff e Lucas; além de Francine Maria, deram o tom festivo e sertanejo à abertura do terceiro dia de Cariri Cangaço reverenciando o grande rei do baião Luiz Gonzaga.

 Apresentação de Luxo dos jovens da Academia Maria Ester de Leitura e Escrita
Construído com o auxilio de mão-de-obra indígena, o Palácio da Luz serviu inicialmente de residência ao capitão-mor Antônio de Castro Viana. Pertenceu posteriormente à Câmara Municipal, sendo depois vendido ao Estado para abrigar o Governo, pela Provisão Régia de 27 de julho de 1814;edificação do século XIX, o Palácio é um polígono com frentes para a rua Sena Madureira, Praça General Tibúrcio e Rua do Rosário e fundos para a rua Guilherme Rocha- Centro da cidade de Fortaleza. A parte oriental do edifício, onde funcionava o gabinete do Presidente, é de um andar em consequência da depressão do terreno, e a parte ocidental, que é térrea, era destinada à Secretaria do Interior. O lado sul da edificação era ocupado pela residência dos Presidentes do Estado.


Ainda na primeira metade do século XIX, a edificação passou por várias transformações, em 1839, foram realizados alguns acréscimos que levaram a edificação até a rua de baixo, atual Rua Sena Madureira. Em 1847, o Presidente Ignácio Correia de Vasconcelos, construiu uma muralha de 384 palmos de extensão para sustentar o aterro do largo do palácio (a conhecida Praça dos Leões). Com essa medida, o largo se transformou numa espécie de passeio público, pois foram levantados pilares na referida muralha, guarnecendo-a de assentos e gradaria de ferro e no centro uma escadaria para dar passagem para a rua de baixo. O Palácio foi, por 162 anos (1808-1960), a sede do Governo do Ceará. Nesse majestoso prédio, construído na época do Brasil Colônia, passaram mais de 100 governantes e seus familiares, os quais presenciaram os momentos supremos da história do estado do Ceará. Como disse Gustavo Barroso: “Ele por si só representa uma peregrinação ao passado, em 1989, o então presidente da Academia Cearense de Letras (a mais antiga instituição do gênero no país, fundada a 15 de agosto de 1894), acadêmico Cláudio Martins, conseguiu junto ao governador 
Tasso Jereissati o Palácio da Luz para ser a sede da Academia Cearense de Letras.

 Os salões da Academia Cearense de Letras recebe a imensa família Cariri Cangaço

A Mesa solene contou com o curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo; com a representante da Academia Cearense de Letras, escritora Regina Fiúza; com o presidente do Grupo de Estudos do Cangaço do Ceará, escritor Ângelo Osmiro; com o presidente do Instituto dos Advogados do Ceará, João de Lemos; com o presidente da Sociedade Cearense de Geografia e Historia, jornalista Vicente Alencar; com a presidente da Academia Lavrense de Letras, escritora Cristina Couto e com o presidente da Academia Canindeense de Letras, poeta Klevisson Viana.


Regina Fiuza, Manoel Severo, Angelo Osmiro, Vicente Alencar e João de Lemos
João de Lemos, Vicente Alencar, Ângelo Osmiro, Manoel Severo, Regina Fiúza e Klevisson Viana

O primeiro momento da solenidade foi a entrega dos Diplomas de "Amigo do Cariri Cangaço" a personalidades do universo cultural do estado do Ceará e do nordeste, os agraciados receberam das mãos dos Conselheiros; Jorge Remígio, Archimedes e Elane Marques e ainda da historiadora Noádia Costa. Os diplomas foram concedidos à pesquisadora e escritora Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros, à escritora Regina Fiúza, ao cineasta Jonas Luis da Silva, de Icapuí, ao jornalista Vicente Alencar, às educadoras Fátima Lemos e Nenenzinha Mangueira e ao advogado Rômulo Alexandre Soares. Na mesma oportunidade o Cariri Cangaço concedeu o Diploma à Academia Maria Ester de Leitura e Escrita, pelos relevantes serviços prestados a cultura e formação dos jovens cearenses.


Manoel Severo apresenta os agraciados com o Diploma do Cariri Cangaço
 Archimedes e Elane Marques, Jorge Remídio e Noádia Costa; 
responsáveis pela entrega dos Diplomas 
 Luitgarde Barros recebe seu Diploma de "Amiga do Cariri Cangaço"
 O reconhecimento do Cariri Cangaço à grande Dama da pesquisa de temas nordestinos, Luitgarde Barros
 Jornalista e radialista Vicente Alencar, presidente da 
Sociedade Cearense de Geografia e História
 Cineasta e educador Jonas Luis da Silva, de Icapuí, ao lado de Jorge Remígio
 Noadia Costa e escritora Regina Fiúza, diretora administrativa da 
Academia Cearense de Letras
 Dr Rômulo Alexandre Soares da Câmara Brasil-Portugal ao lado de Archimedes Marques
 Educadora Fátima Lemos, diretora do colégio Maria Ester e membro da Academia Lavrense de Letras, e Educadora Isabele Pinheiro, coordenadora da Academia Maria Ester de Leitura e Escrita, recebem das mãos de Elane Marques.
Educadora Nenenzinha Mangueira, ex-secretária de educação de Lavras da Mangabeira, diretora do colégio Dom Quintino e membro da Academia Lavrense de Letras; entusiasta do Cariri Cangaço, recebeu das mãos da historiadora Noádia Costa.

Em seguida a Academia Lavrense de Letras, através de sua presidente, escritora Cristina Couto, concedeu o Título de Sócio Honorário e de Honra ao Mérito a várias personalidades de destaque do universo das letras e cultura do nordeste. Os agraciados; Professor Benedito Vasconcelos, escritor Ângelo Osmiro, advogado Paulo Quezado, advogado Rômulo Alexandre e Poeta Geraldo Amâncio, foram saudados pela presidente da Academia; e ainda por Fátima Lemos, Manoel Severo, Linda Lemos, Nenenzinha Mangueira e João de Lemos.


 Presidente da Academia Lavrense de Letras e Conselheira Cariri Cangaço, escritora Cristina Couto apresenta os agraciados da tarde
  Senhora Renata Soares e Dr Rômulo Alexandre Soares
 Fátima Lemos entrega o Título a Dr Rômulo Alexandre Soares
 Presidente do Grupo de Estudos do Cangaço do Ceará, escritor Ângelo Osmiro, recebe das mãos dos acadêmicos Juarez Leitão e Regina Fiúza o Título da ALL.
 Poeta Barros Alves e educadora Nenenzinha Mangueira entregam Título 
ao Dr Paulo Quezado 
 Presidente do Instituto dos Advogados do Brasil, Dr João de Lemos 
saúda o poeta Geraldo Amâncio
João de Lemos, Geraldo Amâncio e Cristina Couto

A primeira conferência da tarde teve como tema, "Padre Cícero Romão Batista" sob a responsabilidade de uma das maiores autoridades na temática, do Brasil; Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros, do Rio de Janeiro. A seu lado tres legendas do estudo do santo padre nordestino; poeta Barros Alves,  de Fortaleza, escritor e pesquisador Daniel Walker, de Juazeiro do Norte e escritor e pesquisador Urbano Silva, de Caruaru, protagonizaram um dos mais importantes momentos de todo o Cariri Cangaço em sua edição alencarina.


 Professora Luitgarde Oliveira Cavalcante Barros e a figura mítica de 
Padre Cícero Romão Batista

Sem sombras de dúvidas uma das mais significativas e ao mesmo tempo polêmicas personalidades de nosso nordeste e porque não dizer do Brasil, foi o santo padre do Juazeiro do Norte, o cearense do século. O Cícero Romão Batista nascido no Crato, ordenado em Fortaleza e que realizando sua Missão sacerdotal no antigo "Tabuleiro Grande" viria a se tornar a figura mais estudada do clero brasileiro, com mais de cinco centenas de publicações a seu respeito, despertando amor e ódio entre todos aqueles que entraram em contato com sua controversa historia e legado.

Dentre os muitos e muitos episódios marcantes na vida de Padre Cícero que vieram a se tornar emblemáticos para a história não só do Ceará, mas do nordeste como um todo, a mesa presidida por Luitgarde Barros destacaria os mitos e as verdades do polêmico episódio da concessão da "patente de capitão" a Virgulino Ferreira em 1926. "Só aquele que desconhece totalmente a história e não buscou realizar uma pesquisa séria e criteriosa poderá creditar a Padre Cícero essa infame patente de capitão a um bandido".


 Pesquisador, poeta e comunicador, professor Urbano Silva de Caruaru e a força do Ceará  a partir de seus tres grandes mitos: Padre Ibiapina, Antônio Conselheiro 
e Padre Cícero
 Pesquisador e escritor Daniel Walker de Juazeiro do Norte, uma das maiores autoridades do país tratando-se da pesquisa sobre Padre Cícero 
Comunicador, pesquisador, poeta e escritor Barros Alves, de Fortaleza: "Beato de meu padim desde criança"

Na oportunidade e dentro da programação do Cariri Cangaço Fortaleza a professora Luitgarde Oliveira Cavalcante Barros realizou o lançamento da mais nova edição de uma de suas mais festejadas obras sobre a literatura do tema cangaço, "A Derradeira Gesta - Lampião e Nazarenos Guerreando no Sertão." Apoiada na literatura antropológica sobre o cangaço, em acervos de documentos e entrevistas, Luitgarde Barros conta que Lampião era membro de uma família de pequenos proprietários e que entrou na vida do crime ainda na adolescência. 

"O cangaço não é de origem pobre, mas nasce de proprietários remediados, comerciantes e donos de tropas de cavalos e burros. O próprio Virgulino Ferreira, antes de tornar-se Lampião, possuía terras e animais. Mas ainda jovem, em 1916, começou a agir como cangaceiro, sendo cabra dos Porcino, uma família criminosa  que agia em Alagoas", afirma, referindo-se ao grupo dos irmãos Pedro, Antonio e Manuel Porcino.


Luitgarde Barros autografa a mais nova edição de "A Derradeira Gesta- Lampião e Nazarenos Guerreando no Sertão..."
"No seu livro de maior impacto a professora Luitgarde presta relevante serviço à memória nacional, desmistificando o suposto heroísmo do bando de Lampião. Vale a pena reproduzir o comentário da professora Lena Medeiros de Menezes, titular de História da UERJ: Analisando o cangaço a partir de suas entranhas, a autora coloca toda a sua erudição, seu rigor científico e sua emoção, trilogia que garante a excelência da obra, na construção de uma história vista de baixo, que permite colocar em foco a luta entre Ferreiras e Nazarenos em um quadro mais amplo de significados."

Dando prosseguimento à programação, o médico e escritor Helvécio Feitosa, lançou seu livro A Raposa do Pajeú, que contou com a apresentação do também médico, Roger Murilo Soares.  Helvécio Feitosa em sua fala nos aproximou um pouco deste espetacular personagem Capitão Simplício Pereira da Silva, "a obra trata-se de uma pesquisa histórica, biográfica e genealógica, que tem como personagem central o Capitão, e depois Tenente-Coronel da Guarda Nacional, Simplício Pereira da Silva, figura lendária no sertão pernambucano."

Dr Roger Murilo Soares apresenta "Raposa do Pajeú" de Helvécio Feitosa
Luitgarde Barros e Helvécio Feitosa
 Helvécio Feitosa e Manoel Severo
E continua Helvécio, "o Capitão Simplício, também conhecido entre os desafetos pela alcunha de “Peinha de Mão” (uma referência à sua baixa estatura), participou de todas as lutas importantes da época em que viveu (primeira metade do século XIX), na Ribeira do Pajeú de Flores e no Cariri cearense. Foi o Senhor absoluto de “famosas legendas guerreiras e árbitro da elegância beliciosa de seu tempo”. Não se tem conhecimento de outro sertanejo mais célebre em sua época do que Simplício Pereira, cuja história e estórias não têm fim no sertão. Não há registro de nenhuma rebelião, de nenhuma luta famosa em sua época, da qual o Capitão Simplício Pereira não tenha tomado parte, a começar pelas brigas em sua fazenda Cachoeira, com os índios Mináus, Xocós ou Cariris."


Fádina e Istvan Major entregam a Manoel Severo na Academia Cearense de Letras 
um exemplar da arte em miniatura do artista plástico Istvan Major, representando um pequeno cangaceiro montado.

Uma das mais espetaculares e sangrentas sagas nordestinas se fez presente no Cariri Cangaço Fortaleza 2018 com o lançamento de O Império dos Rifles, do pesquisador e escritor exuense, Bibi Saraiva. Sensacional obra que nos traz a história de um dos mais emblemáticos conflitos familiares do Brasil: Alencar x Sampaio e Saraiva, nas terras de Exu, no Araripe pernambucano.


Considerado pelo jornal New York Times dos Estados Unidos como a mais longa, sangrenta e famosa luta familiar da América do Sul, a “síndrome de Exu”, “hecatombe de Exu” ou simplesmente “Guerra de Exu”, protagonizada pelas famílias Alencar, Sampaio e Saraiva e seus agregados, surgiu durante as primeiras lutas nativistas no interior do Nordeste em um duelo travado pelo general Sampaio, governador das Armas do Ceará e Bárbara Pereira de Alencar, cognominada heroína da Revolução Pernambucana de 1817. Esse histórico pugilato, se estendeu até meados da década de 80, ganhando notoriedade no meio do jornalismo policial mundial.

Escritor Francisco Robério Saraiva Fontes, ou Bibi Saraiva e o seu Império dos Rifles


O Império dos Rifles; de Bibi Saraiva; já com sua mais nova edição; revisada e ampliada; no forno, terá o prefácio luxuoso da pesquisadora Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros, que revelou: "Tenho contato com essa história da luta de Exu já há muito tempo e agora o Cariri Cangaço me coloca diante do ilustre escritor Bibi Saraiva que me pede para prefaciar a mais nova edição de seu livro; meu Deus !!! Como são as coisas deste mundo, desafio aceito." 

 Cristina Couto e o lançamento de "Tragédia de Princesa: O caso Dr. Ildefonso Augusto de Lacerda Leite"

Cristina Couto, pesquisadora e escritora, presidente da Academia Lavrense de Letras e Conselheira do Cariri Cangaço, lançou sua obra A Tragédia de Princesa: O caso Dr. Ildefonso Augusto de Lacerda Leite que procura elucidar, através de um trabalho exaustivo de pesquisa, um dos mais clássicos casos de assassinato nos sertões nordestinos, quando o neto de uma das mais proeminentes matronas sertanejas, dona Fideralina Augusto, de Lavras da Mangabeira no Ceará é barbaramente morto nas terras de outro grande potentado sertanejo, coronel José Pereira; em Princesa Isabel, Paraíba.


 Poeta Geraldo Amâncio e o lançamento de "Fideralina - A matriarca de ferro"
A pequena Francine Maria e a apresentação do cordel de Geraldo Amâncio sobre a vida e a morte de Antônio Conselheiro

A programação do Cariri Cangaço Fortaleza ainda reservaria surpresas para a tarde noite na Academia Cearense de Letras. Um dos mais importantes ícones da cantoria e poesia popular nordestina; ao lado de Cego Aderaldo e Patativa do Assaré; o poeta de Cedro, Geraldo Amâncio realizou o lançamento de sua obra "Fideralina a Matriarca de Ferro" e brindou aos presentes com algumas de suas antológicas composições.

Chico Pedroza, Geraldo Amâncio e Manoel Severo no Cariri Cangaço Fortaleza

"Geraldo Amâncio, cearense de Cedro, é um dos grandes da poesia e da cantoria, expressão das mais sofisticadas das artes do povo. Esse admirável cantador tem a sagacidade repentista de um Pinto do Monteiro, a erudição de João Martins de Athayde e Leandro Gomes de Barros, a aura mítica e o empreendedorismo de um Cego Aderaldo, a jocosidade de um Louro Branco e a consciência social de um Patativa do Assaré. A história desse artista do povo mescla-se, assim, com a melhor herança cultural nordestina. É um multicampeão em festivais e congressos de cantoria, obtendo mais de 150 primeiros lugares, em mais de 200 festivais competitivos de que participou. Tal fato demonstra que, além da inspiração e da grande capacidade de improviso, é dono de memória e domínio da técnica de cantoria realmente extraordinários."
Rosemberg Cariry

Ian Fermon, lança seu primeiro cordel dentro da programação do 
Cariri Cangaço Fortaleza

Nos momentos finais deste terceiro dia de Cariri Cangaço Fortaleza 2018, a Academia Cearense de Letras ainda iria testemunhar a apresentação de outro pequeno artista da cultura do nordeste, o jovem Ian Fermon de Fortaleza, um pesquisador mirim, dedicado a historiografia do cangaço e as coisas do sertão, lançou um seu primeiro cordel, mostrando a todos o talento da mais nova geração de artistas do Ceará. "Era um grande sonho me apresentar no Cariri Cangaço, sonho agora realizado, foi emocionante, apesar de todo meu nervosismo" revela um animado Ian Fermon.

Cariri Cangaço Fortaleza 
Terceiro dia, Academia Cearense de Letras 
Palácio da Luz
Sábado, 28 de abril de 2018

Cine São Luiz e o Cariri Cangaço 2018: Onde Nascem os Bravos !


Em mais um momento cheio de significado o Cariri Cangaço inova e se consolida como um dos mais genuínos fóruns de debates e aprofundamento sobre a historiografia do cangaço e temas capilares do universo nordestino. O evento em Fortaleza que já havia sido acolhido pela Assembléia Legislativa do Ceará, pela Universidade Federal através da Casa José de Alencar e pela Academia Cearense de Letras teria na noite de seu terceiro dia na capital cearense mais um grande anfitrião: O majestoso Cine- Teatro São Luiz, localizado na mais famosa praça alencarina; a praça do Ferreira; centro de Fortaleza.


O Cine-Teatro São Luiz, localizado no centro da cidade de Fortaleza, capital do Ceará , tem capacidade para 1.050 pessoas e teve sua construção iniciada em 1939 pelo Grupo Severiano Ribeiro, sob projeto de Humberto da Justa Menescal. A decoração, o teto e as paredes laterais ficaram a cargo de Osório Pereira e Marcelino Guido Budini. No local, funcionava o Cine Politheama, também do grupo, e era vizinho à residência da família Severiano Ribeiro, que foi parcialmente destruida para abrigar passagem lateral do prédio, na Praça do Ferreira. Em  1958, a edificação foi concluída e inaugurada. Sua primeira sessão foi em 26 de Março, com a exibição do filme Anastácia, a princesa esquecida, e a renda foi revertida em benefício da Campanha de Benfeitores da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza e do Asilo do Bom Pastor. Estiveram presentes à solenidade as autoridades locais e o Senhor Luiz Severiano Ribeiro, idealizador e proprietário do Cinema São Luiz. A programação ainda se estendeu por um mês, tendo projeção de filmes diariamente. 
O edifício possui um hall, cujas escadarias têm piso e revestimento em mármore de Carara, além de três grandes lustres de cristal importados da Checoslováquia. A edificação passou por algumas modificações para acompanhar as inovações tecnológicas, como a implantação de equipamento de som mais moderno, climatização e adaptação a portadores de necessidades especiais.Em 1995, o São Luiz passou a ser o principal espaço de apresentação do Cine Ceará. É também espaço para outros festivais de cinema que ocorrem em Fortaleza. Em 2014, foi revitalizado e reinaugurado pelo Governo do Estado do Ceará, que comprou o cinema, o qual passou a abrigar, ainda, um escritório da Secretaria de Cultura do Ceará. 
.
Na programação; com entrada franca aos convidados; a presentação em grande estilo da película Onde Nascem os Bravos, de Daniell Abrew; ator, cineasta, roteirista e produtor. Daniell é cearense de Quixeramobim e aos 7 anos de idade iniciou seus primeiros trabalhos cinematográficos em curta-metragem na fazenda do avô localizada no interior do Ceará, em Quixeramobim, onde passou a maior parte de sua infância. Em 2005 foi diretor de Centopeia, o primeiro longa-metragem do gênero ficção-científica do Ceará lançado nas salas de cinema em 2008 e relançado em 15 de janeiro de 2010 no próprio Cine São Luiz.
 
 
Jonas Luis da Silva, de Icapuí, Manoel Severo e Daniell Abrew  e a recepção aos convidados do Cariri Cangaço no Cine Teatro São Luiz.

Com Manoel Severo, curador do Cariri Cangaço, como mestre de cerimonia na noite cinematográfica do Cariri Cangaço Fortaleza, o filme e o diretor foram apresentados pelo cineasta e produtor Jonas Luiz da Silva, de Icapuí, que falou da trajetória de Daniell Abrew desde os tempos iniciais de um sonhador espetacular até os dias de hoje como consagrado cineasta de uma nova geração de cineastas cearenses, para logo em seguida o próprio Daniell Abrew dá as boas vindas aos convidados do Cariri Cangaço Fortaleza.

 
 
 
Jonas Luis da Silva, de Icapuí, Manoel Severo e Daniell Abrew  e a apresentação de 
Onde Nascem os Bravos dentro do Cariri Cangaço Fortaleza 2018.

A película de forma ousada para a temática, não apresenta nenhum diálogo ao longo de seus 85 minutos de exibição. Com trilha sonora e música, originais e uma fotografia instigante e preciosa prende a atenção do expectador do começo ao seu final na trama envolvente entre os personagens Mumbaça e Alfinete. Com orçamento tímido e desafiador, com gravações realizadas de forma colaborativa, Onde Nascem os Bravos se destaca por mostrar o orgulho de levar para as salas de cinema de todo o país um produto final de qualidade, criatividade e ousadia. 


 
"Mumbaca, um ex-soldado de uma força volante que se tornara bandoleiro, no final do século XX, distante do crime e da violência que se alastrava pelo Nordeste, tem sua esposa cruelmente assassinada pelo famigerado cangaceiro Alfinete. Perdidos nas matas inóspitas do sertão e separados pelo ofício, os dois travam uma batalha particular ao passo que enfrentam as intempéries da natureza e os limites da sobrevivência..."



Os convidados do Cariri Cangaço conheceram de perto o novo cinema cearense. Onde Nascem os Bravos, a película apresentada na noite; que tem Daniell Abrew na direção e também assinando o roteiro além de atuar como ator e protogonista principal do filme; é a primeira película de uma trilogia que já se destaca pela linguagem e ousadia do projeto. "A ideia é levarmos os outros filmes da trilogia para as edições futuras do Cariri Cangaço" comenta o festejado diretor Daniell Abrew.

Cariri Cangaço Fortaleza
Cine Teatro São Luiz, Fortaleza
28 de Abril de 2018

Memorial Luiz Gonzaga e o Cariri Cangaço Fortaleza 2018


A manhã do último dia de Cariri Cangaço Fortaleza 2018; domingo 29 de abril; teve o grande Rei do Baião Luiz Gonzaga como nosso anfitrião. Sob o comando do gonzaguiano Marcelo Leal e seu Memorial Luiz Gonzaga no bairro do Parreão em Fortaleza os convidados do evento puderam celebrar o maior ícone de nossa cultura nordestina.



Um espetacular café da manhã sertanejo preparado pela anfitriã; dona Nair de Lima; reuniu apaixonados pelas tradições nordestinas de todo o Brasil, o domingo de Cariri Cangaço reuniu em torno de Gonzaga e de uma mesa tipicamente nordestina; tapioca, bolo de milho, mungunzá, pé de moleque, aluá, canjica, pamonha, cajuína e muito mais; pesquisadores, escritores, artistas, cordelistas, poetas, que celebraram a integração da alma nordestina.



“Até os meus 15 anos, passei todas as férias escolares na fazenda do meu avô em Quixeramobim. Foi lá que eu dancei quadrilha, vi a asa branca ir embora em anos de seca e a vi voltar quando a chuva chegava. Meu tio sanfoneiro me colocava na garupa de uma burra e me levava para o forró. E sempre, guardando as proporções, pude vivenciar aquilo que Luiz Gonzaga viveu em Exu, no sertão de Pernambuco, e colocou em suas canções”, revela o proprietário do Memorial um apaixonado gonzaguiano, Marcelo Leal.

Por ocasião da abertura da visita, Manoel Severo, curador do Cariri Cangaço, recebeu das mãos do curador do Memorial Luiz Gonzaga, pesquisador Marcelo Leal, a Estatueta e o Diploma; Comemorativos ao Centenário de Luiz Gonzaga; que ressaltou o "trabalho realizado pelo Cariri Cangaço em todo o nordeste na divulgação e consolidação da historia, cultura e tradições nordestinas."


 
 
 

Marcelo Leal mantém o memorial desde 2010 e sua inauguração oficial de seu deu apenas em 2012, no dia 22 de outubro, dia do aniversario do organizador. "Escolhi o ano de 2012 para celebrar o centenário do rei do baião". A visita ao Memorial aconteceu em grupos de 10 em 10 pessoas que puderam sob a orientação do anfitrião Marcelo Leal conhecer o conjunto precioso de artefatos, relíquias, artesanato, discos, imagens, quadros, enfim, um acervo considerável distribuído em oito salas temáticas

 
 

Ao final uma grande apresentação do mais autêntico baião de raiz, do grande Luiz Gonzaga fez a festa com as apresentações de Cecília do Acordeon, Francine Maria, Deisielly do Acordeon, Pedro Popoff, e ainda Nonato Araujo e o grande músico José Alderi, o Estrela do Norte.


 
 
 


Cariri Cangaço Fortaleza
Memorial Luiz Gonzaga - Marcelo Leal
29 de Abril de 2018

Nenhum comentário: