Uma cajuina para Tio Heli Cortesia:Wilson Seraine

.

A canção “Cajuína”, de Caetano Veloso, belíssimo baião metafísico que levanta a indagação essencial do homem neste mundo (“Existirmos. A que será que se destina?”) foi composta por causa de Tio Heli. Caetano havia chegado a Teresina para um show, estava muito triste. Retornava pela primeira vez à cidade onde havia nascido um de seus principais parceiros na Tropicália e seu grande amigo, o poeta Torquato Neto, meu primo, que havia se suicidado em 1972. Caetano procurou Tio Heli, pai de Torquato. Já se conheciam do tempo em que Tio Heli ia a Salvador ver Torquato, que estudava na mesma escola de Caetano. Levou Caetano pra casa, serviu-lhe uma cajuína, e procurou consolá-lo, pois Caetano chorava muito, convulsivamente. Em determinado instante, Tio Heli saiu da sala e foi ao jardim, onde colheu uma rosa-menina, que deu a Caetano ("pois quando tu me deste a rosa pequenina/vi que és um homem lindo..."). Ali mesmo os versos de “Cajuína” começaram a surgir, entre antigas fotos do menino Torquato, penduradas pelas paredes.

Tio Heli era dessas pessoas inesquecíveis. Alto, magro, empertigado, adorava caminhar pelas ruas da cidade. Era um caminhador dedicado. Só ultimamente, em razão da idade avançada e do crescimento da cidade, passou a andar de carro. Era avistá-lo ao longe, vindo com suas largas passadas, e logo ele abria os longos braços, preparando o abraço aconchegante, o pedido de bênção (sim, todos em Teresina, jovens e velhos tomavam-lhe a bênção). Xingava amorosamente o abraçado (“seu F...da...P..., não tem vergonha, se esqueceu de mim?”). Fazia um agrado e seguia caminho.


Espírita, amigo pessoal de Chico Xavier, Tio Heli foi um dos mais fiéis seguidores de Kardec, que centrou sua doutrina na caridade. Montou diversas creches em Teresina, salvou a vida de algumas centenas de crianças. Era de vê-lo entrando no Palácio de Karnac, sede do Governo do Piauí, para exigir do governador “leite para minhas crianças”. Não admitia histórias sobre empenhos, prazos para liberação de verbas e outras mutranhas da burocracia. Sabe-se lá como saía de lá com os mantimentos, ou com o dinheiro para adquiri-los. Promotor público aposentado, depois da morte de Torquato passou a usar integralmente o dinheiro da aposentadoria para custear as creches onde salvava as crianças desamparadas. As que chegavam sem registro ganhavam nomes de parentes ou de amigos. Uma vez me disse que havia uns três ou quatro paulos josés por lá...

Este foi o homem que nos deixou. Uma espécie de Quixote sertanejo, de gestos largos, de largos delírios, de intensas efusões de carinho. Um homem feito de afeto. Há pessoas que já chegam ao mundo eternas. Tio Heli é uma delas. Correu a notícia de que teria morrido, no que não acredito. Como acreditar que uma pessoa eterna tenha morrido? Tenho a mais absoluta certeza de que, na próxima visita à minha Teresina, ao entrar na Félix Pacheco, vou avistá-lo, com suas pernas longas e os passos largos e rápidos, a descer a rua, de braços abertos, vindo ao meu encontro. Eu me aconchegarei dentro de seu abraço, beijarei seu rosto cheiroso a loção de barba, e lhe tomarei a bênção. 

Paulo José Cunha

Cortesia nos enviada pelo amigo Wilson Seraine
Teresina PI
.

4 comentários:

Anônimo disse...

Sensacional este artigo do Paulo José Cunha, conheci o famoso Tio Heli andando pelas ribeiras do Poti, um ser humano com certeza inagualável, homenagens sinceras e mais que justas, só nos resta o sabor da maravilhosa cajuina.

Rita Germano Amaral
Altos PI

Anônimo disse...

Que história! Quantas iguais a essa poderíamos ter o prazer de compartilhar. Muito bom , abraços ao Wilson Seraine.

Marcos Silva Jr
Teresina

Marcos Assunção disse...

Realmente o Seraine nos envia um artigo de fino gosto, pela sutileza que nele está enserido, Este senhor Tio Heli, peça rara pelo que pudemos notar, merece as homenagens tanto na eterna "Cajuina" de caetano como no artigo em tela.

Assunção

João de Sousa Lima disse...

Paulo Cunha,
lendo seu texto(quase uma oração)me reportei ao passado, revivi velhas lembranças que trago encravada na alma, senti saudades dos "Helis" que também tive na vida. Como é bom ter amado alguêm que lhe deixou doces lembranças e eternas saudades.
Caetano "Meu Rei", tú és grande, maior que a grandeza de tuas palavras. És como tantos tios Helis, Eterno, amável, adorável...

parabéns Paulo, pelas sentimentais e belas palavras,

um abraço
joão de sousa lima