As Incursões Retóricas de Antônio Conselheiro Por:Barros Alves



Ruínas da Igreja de Canudos


Antônio Vicente Mendes Maciel, o lendário místico quixeramobinense que exerceu sua apocalíptica pregação nos sertões da Bahia, ao contrário do que muitos imaginam, não era um iletrado. O Historiador João Brígido, contemporâneo daquele visionário que inscreveu o nome na história-pátria como Antônio Conselheiro, informa que ele cursara rudimentos de Latim com o Professor Antônio Ferreira Nobre, na terra natal. A formação escolar dele constara também de estudos da Língua Portuguesa, Aritmética, Geografia e Francês.


O Conselheiro, desde jovem propenso ao eremitismo, propensão esta que se exacerbou em razão de desilusão amorosa, era leitor da Bíblia, do "Lunário Perpétuo", das "Horas Marianas" e das "Práticas Mandamentais", livros sacros cuja leitura era piedosamente feita por quase todos os letrados católicos que habitavam os sertões nordestinos no século XIX. De par com essas leituras, durante quatro an os, Antônio Vicente Mendes Maciel acompanhou o Pe. Ibiapina, ex-advogado e orador fluente, que se tornara padre e missionário a construir hospitais, casas de caridade e cemitérios nos mais adustos lugarejos do Nordeste brasileiro. Há de se aceitar que de Ibiapina o futuro "Conselheiro" recebeu profunda influência, tornando-se ele próprio, além de construtor de igrejas e cemitérios, um orador exaltado e convincente, cujo discurso messiânico foi apreendido com fervor por milhares de seguidores.



Casa do Conselheiro em Quixeramobim;  hoje Museu.


Não apenas no púlpito ou em conferências particulares, sabia o Conselheiro admoestar e convencer com autoridade. Ao escrever ele conseguia expressar suas estranhas ideias com clareza e precisão, deixando explícito seu antirrepublicanismo nos "Discursos sobre a República", assim como orientações de caráter anticlerical nas "Prédicas Canudenses". O Conselheiro "escrevia muito", conforme depoimento dado ao historiador José Calasans por Pedro Nolasco, o Pedrã o, um dos pretorianos da guarda pessoal de Antônio Conselheiro. E a escritura dele era "normal, límpida e de pessoa letrada", segundo o testemunho de Gustavo Barroso.


Caído o arraial de Canudos sob o fogo raivoso de 5 mil soldados, foram encontrados dois textos manuscritos assinados pelo "Peregrino" Antônio Vicente Mendes Maciel - ele não se autointitulava "Conselheiro" -, os quais se subordinavam aos seguintes títulos: "Tempestades que se Levantam no Coração de Maria por Ocasião do Mistério da Anunciação" (Belo Monte, 12.01.1897) e "Sobre o Santo Evangelho de Jesus e Apontamentos dos Preceitos da Divina Lei de Nosso Senhor Jesus Cristo". Nesses trabalhos, o Conselheiro apresenta sua cosmovisão do mundo, especialmente no respeitante à Política e à Religião.



Prisioneiros de Canudos



Combatentes do governo e prisioneiro.


Quanto à oratória do místico rebelde, ela era "seca e rígida no que diz respeito ao homem nas suas relações com o sagrado". Na apreciação do Professor Bartolomeu de Sousa Men des, autor de importante obra sobre o tema, foi exatamente esse aspecto real da oratória do Conselheiro "que apavorou as autoridades e os detentores do poder econômico da época, mas por outro lado, atraiu para sua órbita a grande massa da população que vivia subjugada a um sistema oligárquico e perverso". Com efeito, foi graças à sua oratória que o Conselheiro conseguiu transmitir de maneira convincente suas mensagens de justiça e condenação dos desmantelos do mundo, não apenas aos milhares de sertanejos incultos, mas também a algumas personalidades letradas, conseguindo destes um devotamento que persistiu até o último momento, quando Canudos caiu, a 5 de outubro de 1897, 12 dias depois da morte do cenobita revolucionário. Todavia, como bem disse Euclides da Cunha no clássico "Os Sertões": Canudos caiu, mas não se rendeu.



Barros Alves, Angelo Osmiro e Ivanildo Silveira, no Cariri Cangaço 2009


Barros Alves
barrosalvescoisaetal.blogspot.com


NOTA CARIRI CANGAÇO: Em sua edição 2010, o Cariri Cangaço estará promovendo uma conferência sobre Antônio Vicente Mendes Maciel, ou simplesmente Antônio Conselheiro, de Canudos; com o pesquisador e professor Múcio Procópio do Amaral.


9 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns ao jornalista e poeta Barros Alves pelo excelente texto, nos trazendo um lado pouco explorado da vida desse grande filho de nosso Quixeramobim.

Francisco de Assis Lopes - Quixeramobim Ceará

Anônimo disse...

Caro Severo, gostaria de dizer de minha agradável surpresa por todos os temas que já dispontam para discussão no Cariri 2010. Antônio Conselheiro em toda sua dimensão com certeza será uma palestra vibrante e só temos a ganhar. Parabens ao amigo e esperamos esta presentes em todos os momentos do evento.

Cícero Brandão - Fortaleza.

Anônimo disse...

Amigos do blog. Canudos sempre vai ser tema especialmente importante. O messíânico Conselheiro precisa ser recontado e recontado mil vezes, tamanho significado ele representanta para o povo do nordeste.
Aqui também bem perto, aliás aí no cariri temos um pequeno Canudos, a Serra dos Cavalos, quando o massacre foi ao encontro do povo do beato Zé Lourenço, depois de Baixa dantas e caldeirão.

Parabens ao jornalista Barros pelo texto, muito bom mesmo.
Obrigada

Ana Dantas , SOUSA

Honório de Medeiros disse...

Excelente trabalho. Parabéns, Barros Alves. É a "terceira onda" no cangaço.

IVANILDO ALVES DA SILVEIRA disse...

Parabéns ao amigo jornalista/escritor/poeta "BARROS ALVES" pela excelente postagem.

O estudo de CANUDOS/ANTONIO CONSELHEIRO é um capítulo de grande significância , e que não poderia deixar de ficar de fora do CARIRI-CANGAÇO.

Parabéns SEVERO pela inclusão do Tema, e que, com a maestria de Múcio Procópio (profundo conhecedor)será destaque no próximo evento.

Um abraço a todos.
IVANILDO ALVES DA SILVEIRA
Colecionador do cangaço
Natal/RN

Helio disse...

Dr Ivanildo quem assistiu sua palestra no Teatro do Crato no Cariri Cangaço do ano passado , não pode aceitar que o senhor se autodenomine COLECIONADOR. O amigo é do mais alto gabarito, com certeza mestre Severo irá trazê-lo novamente junto com feras como Sergio Dantas, Amaury, Honório e tantos outros. Parabéns ao grande pesquisador Ivanildo.

Poeta Barros Alves grande postagem, parabens

Professor Mario Helio

Anônimo disse...

Parabéns pelo excelente texto.

Vejo com muita satisfação a inclusão do Tema.

CARIRI/CANGAÇO/CANUDOS/CONSELHEIRO/CALDEIRÃO, tem tudo a ver. É a consolidação do SUCESSO DO CARIRI CANGAÇO.

Um forte abraço do confrade e amigo.

Assis Nascimento // Mossoró (RN)

Manoel Severo disse...

Grande amigo Assis, satisfação reencontrá-lo. Com certeza o tema sobre Canudos é palpitante. Esse ano o subtítulo do Cariri Cangaço é: Coroneis,Beatos e Cangaceiros; dessa forma o grupo de palestra versará a partir dessas temáticas.

O Pesquisador e Professor Múcio Procópio nos trará uma conferência sobre o Perfil de Antônio Conselheiro, com certeza um momento imperdível, como todos os outros, do Cariri Cangaço 2010.

Abraços,
MANOEL SEVERO

Mendes e Mendes disse...

Parabéns poeta Barros Alves, pelo excelente trabalho que você nos entrega. Eu já conhecia histórias de Antonio Conselheiro, mas esta muito me fortaleceu para continuar estudando o lendário. José Mendes Pereira - Mossoró - Rio Grande do Norte.