Sobre o depoimento de Candeeiro...

.
Ex-cangaceiro Candeeiro

Na noite anterior ao ocorrido, ou seja, 27 de julho de 1938, Lampião reuniu seus homens e assim falou: ““-Amanhã cedinho vou viajar. Vou embora para Minas ou Goiás. Quem quiser ficar, fica, quem quiser ir comigo se prepare.”” Continua o chefe cangaceiro:”“-Não posso mais ficar por aqui, pois, vou começar a matar até meus amigos; voltar para Pernambuco, não volto, pois, lá só tenho inimigos e a matança vai continuar. Assim o melhor é terra nova, onde ninguém me conhece””...”.

Paulo Britto: Podemos dizer, portanto, que em todo o texto, esta é a única informação precisa, adquirida de viva voz do cangaceiro Candeeiro que relata ter ouvido esta decisão bombástica a ser dada ao seu grupo pelo chefe maior, de que findava ali, abruptamente, o seu reinado no nordeste?
Por que o bando estando já há alguns dias em Angico, só na véspera da “partida”, esta notícia bombástica é comunicada por Lampião, sem abrir espaço para uma avaliação melhor por parte dos atônitos cangaceiros? Acredito que o impacto de uma notícia dessas, teria sido maior que o ataque da volante, uma vez que a estes ataques já estavam acostumados.
O cangaceiro Candeeiro, não se refere à reação do bando? E por que os outros cangaceiros sobreviventes não comentaram esta informação?

"vamos ao estado de Sergipe e lá você encontrará os elementos que lhe darão o norte de toda a história. Não sou o dono da verdade, porém, não quero lhe deixar enganado, nem tão pouco morrer na ignorância, na mentira. A história do povo nordestino e dos cangaceiros é outra, não se iluda. Caso o leitor não fique satisfeito, farei um outro artigo ainda mais contundente sobre o episódio. Chega de tanto embuste”.

Paulo Britto: Do episódio de Angico até hoje, lá se vão mais de 70 anos, e com toda a literatura já existente, inclusive por respeitados e renomados escritores, o pesquisador descobriu que toda a verdade, não é a verdade, e que difere de tudo o que já foi escrito? Num lampejo de lucidez, reconhece que não é dono da verdade, mas não quer deixar mais ninguém na ignorância e na mentira, mas em seguida, a mente volta a ficar embutida e diz que “a história do povo nordestino e dos cangaceiros é outra, não se iluda”.

Já não basta a dificuldade para se convencer pesquisadores renitentes e discordantes de carteirinha, tem-se agora que recontar a história de Canudos e tantas outras que compõem a história do povo nordestino? E, por favor, uma nova matéria, mais contundente para esclarecer o embuste, será um martírio para todos aqueles que conhecem a história do cangaço, e que tal, ao invés de se tentar confundir os leitores, deixar a história ser contada por quem sabe e por quem levou anos realmente pesquisando... Existem vários escritores e historiadores sérios e respeitados.Este último momento prende-se apenas a uma colocação referente à entrevista do cangaceiro “Candeeiro” ao pesquisador Paulo Gastão.

Prezado pesquisador, tenho pelo Senhor o mais profundo respeito, e a imagem que fazia do fundador da SBEC, instituição esta que acredito ser abalizadora da verdade histórica do cangaço, que em momento nenhum merece ter em sua pessoa o idealizador desta matéria. Não gostaria de ter que reformular a minha avaliação e vê-lo enveredar por um caminho que não o levará a nada.

E por que querer denegrir, só por denegrir a imagem de um autêntico militar, que dedicou a sua vida em garantir a justiça e a ordem, em defesa do povo nordestino? Um militar que destacou-se, entre outras missões e atividades, também como delegado, prefeito interventor e nas revoluções em que participou de 1925, 1930 e 1932 e só angariou o respeito e admiração de todos aqueles com quem conviveu, seus pares do Estado de Alagoas e dos demais Estados, maçonaria, amigos e familiares. Denegrir por denegrir? De antemão, classifico este artigo “Angico, por Paulo Gastão” um equívoco, plenamente superável. Continuo a hipotecar o meu respeito ao cidadão Paulo Medeiros Gastão.
Paulo Britto
.

2 comentários:

James Fonseca disse...

Concordo plenamente com o texto de Paulo Britto. A história do cangaço não pode ser reinventada por novos "achismos" e suposições corriqueiras. Pessoas muito valiosas estão envolvidas nesse tema e não é justo manchar a honra desses vultos da história tantos anos depois, atribuindo-lhes características de pensamento de nossa época, apenas para satisfazer o ego de certos pesquisadores frustrados.

O fato é que João Bezerra comandou a volante alagoana que pôs fim a Lampião, Maria Bonita e mais onze valentes cangaceiros, e isso sim foi comprovado em angicos por todos os moradores da região na época.

Fato é fato, não sofre mutação e contra ele não há argumentos que o façam deixar de ter acontecido.

Obrigado pela resposta Paulo Britto.

Anônimo disse...

CONCORDO, PAULO.
VOCÊ ESTÁ CERTO E A HISTÓRIA TAMBÉM.