Desvendado ! Por: Luiz Ruben

Luiz Ruben, Narciso Dias, Antonio Amaury, Jairo Luiz e Jorge Remídio, no Cariri Cangaço 2013

Aos amigos pesquisadores do cangaço compartilho uma importante “descoberta”. A matéria a seguir chegou às minhas mãos através de uma troca de documentos feita com Marcos Edilson, Doutor em História e autor do livro: Lampiões Acesos - O Cangaço na Memória Coletiva, atualmente residindo em Palmas Tocantins. Esse intercâmbio aconteceu em 2010 e só agora, em 2014, redescobri essa importante informação que estava em minhas mãos, publicada no Jornal de Alagoas em novembro de 1938.

Na identificação das cabeças cortadas, na famosa foto tirada nas escadarias da Prefeitura de Piranhas em 28 de julho de 1938, o cangaceiro que está entre Cajarana e Diferente, na última fileira, (de baixo para cima), tendo Enedina na outra extremidade, é citado como “não conhecido”. 

Na matéria do Jornal de Alagoas ele é identificado como sendo Luiz de Thereza. Segue a matéria na íntegra, apenas com a ortografia atualizada. Também a foto das cabeças na escadaria e o fac-símile do Jornal de Alagoas.Espero que esse achado tenha eliminado mais um dos “mistérios de Angico”.

  
TRANSCRIÇÃO DO JORNAL:

Jornal de Alagoas, 9 de novembro de 1938
QUEM ERA O BANDIDO QUE NÃO FOI IDENTIFICADO 
NO SUCESSO DE ANGICOS.

Quando a força policial sob o comando geral do capitão João Bezerra, no feliz reencontro de “Angicos”, fulminou o facínora “Lampeão” e os mais temíveis de seus asseclas, um dos cangaceiros não fora identificado. Surgiram até, comentários em torno do bandido desconhecido, pensando algumas pessoas que se tratasse de um aventureiro que houvesse se incorporado ao grupo sanguinário do “Rei do Cangaço”. Assim, por muito tempo ficou constituindo uma interrogação a identidade do mesmo. Entretanto, agora, chegam ao nosso conhecimento informações a respeito do famigerado desconhecido, enfim sua identificação.


UMA CARTA AO CEL. CAMARGO.
Ontem, lemos uma carta ao cel. Teodureto Camargo do Nascimento, comandante do Regimento Policial Militar, a qual lhe fora dirigida pelo senhor Sr. Mauricio Ettingen, residente no município “São Paulo”, no estado de Sergipe, de onde é filho o bandido desconhecido, assim, passamos a transcrever um trecho da referida carta, para ciência dos nossos leitores:

“Era meu desejo escrever-lhe, logo que me chegou às mãos a fotografia dos bandidos que foram mortos no feliz combate de “Angicos”, a fim de identificar o “cabra” desconhecido, o que faço no momento.

FILHO DE “SÃO PAULO” DE SERGIPE
O referido bandido era filho deste município, tendo nascido no lugar denominado “Pulga”, próximo a Carira. Era casado e tinha vários filhos. Incorporou-se ao grupo de “José Sereno”, na noite do último São João, após uma animada dança de que fez parte. Não sei o seu nome por extenso, mas era conhecido aqui, de todos, por “Luiz de Thereza”.

INDIVÍDUO DE MÁ ÍNDOLE.
“Sempre demonstrou ser um indivíduo de má índole, o que se verificava em suas atitudes habituais. Depois que se tornou assecla do grupo, muitas pessoas daqui, ficaram muito apreensivas, uma vez que o cabra conhecia bem o lugar, como também vários proprietários de quem fora empregado.”

ALGUMAS OBSERVAÇÕES:
- O município “São Paulo” no estado de Sergipe, citado na matéria, hoje se chama Frei Paulo.
- O cargo do Coronel Theodureto Camargo era de Comandante Geral do Regimento, mas ele era oficial do exército brasileiro.

- “Angicos”, refere-se a Fazenda Angico, local do combate no estado de Sergipe, onde Lampião morreu.

Luiz Ruben
Economista e Turismólogo
Pesquisador do Cangaço e Ferrovias
Paulo Afonso-BA

Nenhum comentário: