A Espetacular Triunfo... Por:Manoel Severo

O Lago e o Teatro Guarani, marcas registradas da bela Triunfo

Quem visita a serra da Baixa Verde, encravada bem na divisa entre os estados de Pernambuco e Paraíba, vai encontrar um cem números belezas distribuídas pela natureza exuberante, vegetação própria e fontes de água límpida, espalhadas por todos os lugares. É aqui, no alto de seus 1.010 metros de altitude que se encontra a bela Triunfo. 

Seus primeiros habitantes foram os índios Cariris; depois de fazenda, arrendada por Domingos Pereira Pita e em 1870, através da Lei Provincial nº. 930, passou a freguesia de Nossa Senhora das Dores, desmembrada de Flores, e elevou a povoação de Baixa Verde à categoria de vila, com a denominação de Triumpho. Em 13 de junho de 1884 através da Lei Provincial nº. 1.805, foi criada a comarca de Triunfo e com isso a vila da Baixa Verde foi elevada à categoria de cidade. Seu nome teve origem a partir de uma luta ocorrida entre a poderosa família dos Campos Velhos, da cidade de Flores, e os habitantes desda mesma povoação da Baixa Verde.

Família Cariri Cangaço em visita à Casa Grande das Almas em Triunfo
Heldemar Garcia e o Castelo, anexo à Casa Grande das Almas

Neste último mês de Julho de 2014, a Caravana Cariri Cangaço, formada por seu curador; Manoel Severo, Heldemar Garcia, Ingrid Rebouças, Narciso Dias, Jorge Remígio e Jair Tavares; foram recebidos em Triunfo pela pesquisadora e escritora Diana Rodrigues;  uma das mais destacadas memorialista de Triunfo. Foi uma visita de trabalho incrivelmente proveitosa além de termos tido a oportunidade de revisitar e matar a saudade das belezas do lugar, como a Casa Grande das Almas.

A Casa Grande das Almas, propriedade emblemática do inesquecível Assis Timóteo, é visita obrigatória para quem vai a Triunfo. Como um museu vivo, a Casa Grande das Almas, a partir da hospitalidade e amabilidade de Assis Timóteo, sempre acolheu a todos que ali chegam. Hoje, já não temos o estimado amigo e confrade Assis Timóteo entre nós, mas sua energia e aura, continuam presentes em cada canto, em cada detalhe; desde a arquitetura robusta, mobília e obras de arte, de todas as naturezas, rebuscada; passando pelos suntuosos jardins, singela capela e espetacular mausoléu; onde hoje repousa seu corpo; até seu mais recente sonho, inacabado, o Castelo da Casa Grande das Almas. Assis permanece, na verdade em nosso coração.

Ingrid Rebouças e Diana Rodrigues

Nossa visita foi de trabalho, mas não poderíamos deixar de registrar um momento de reconhecimento. Uma das virtudes que procuramos cultivar ao longo dessa firme caminhada do Cariri Cangaço, é a gratidão. Gratidão é na verdade virtude que precisa ser exercitada, praticada... Quem acompanhou o nascimento de nossa grande família de Vaqueiros da História, não poderá deixar de reconhecer o empenho e a dedicação de Diana Rodrigues; essa mulher sem igual, intelectual de primeira linha, um ser humano ímpar; dessa forma nossa visita a Triunfo também marcou a entrega do Diploma de Amiga do Cariri Cangaço a Diana Rodrigues.

Jair Tavares, Manoel Severo, Narciso Dias e Jorge Remigio na entrega do Diploma a querida Diana Rodrigues
Casa Grande das Almas, o espírito de Assis Timóteo, guardado nos mínimos detalhes
Capela e Mausoléu, simplicidade e beleza
Jorge Remigio e o Mausoléu da Casa Grande das Almas

A bela e aconchegante Triunfo se destaca em todo o vale do Pajeú; sua altitude acaba nos proporcionando uma temperatura média em torno de 19 graus, entretanto na quadra chuvosa, entre maio e julho, chegamos a 8, 10 graus, se traduzindo numa verdadeira suíça pernambucana; o lago que marca a entrada da cidade com o majestoso Teatro Guarani nos dão a dimensão exata da beleza de triunfo.

Família Cariri Cangaço nos belos jardins da Casa das Almas
Narciso Dias

Na verdade, estar em Triunfo é um privilégio espetacular; não só por todas as belezas naturais e seu clima sem igual, mas e principalmente pela amabilidade dos triunfenses, pela energia vibrante daquela terra e por termos ali amigos verdadeiramente queridos.

Manoel Severo
Curador do Cariri Cangaço

Um comentário:

Francisco de Assis Alves dos Santos disse...

Aí estive em três ocadiões diferenciadas, a mais nova este ano,(2017) antes havia estado por duas vezes em 1998. É realmente um lugar explendoroso.