O Livro do Filho de Chico Pereira Por: Francisco Frassales Cartaxo

Francisco Frassales Cartaxo 

Primeiro, chegou o padre. Depois, pouco tempo depois, apareceu o livro “Vingança, não”. Muito antes, o povo do sertão já sabia quase tudo sobre o cangaceiro Chico Pereira. O trabalho, as brigas, o amor, as andanças, a aliança com Lampião, os malfeitos protagonizados por ele, a morte envolta em mistério e insinuada traição política. Cresci ouvindo minha mãe contar, em gotas homeopáticas, episódios cheios de violência, ternura e dúvidas que corriam na boca do povo. 

Dona Isabel, minha mãe, cearense de Várzea Alegre, carregava no coração o sentimento despedaçado por lembranças de perseguição política, de injustiças, sua família escorraçada do Cariri pelas improvisadas milícias dos partidários do padre Cícero e Floro Bartolomeu. Terminou por esbarrar em Cajazeiras. Com apenas dez anos de idade, ela colara à poeira da fuga marcas fortes de vingança. Mais fortes do que a perda dos bens que seu pai, Zuza da Inácia, vendera a preço de ocasião, ao sair de São José de Lavras, contrariado, carregando no bolso um salvo-conduto assinado pelo patriarca do Juazeiro.

Chico Pereira

Dona Isabel leu o livro “Vingança, não”, de Francisco Pereira Nóbrega, como quem repassa a vida, a lembrar do próprio pai, escondido nas matas, dormindo fora de casa com receio de ser preso, agredido ou morto em pleno desenrolar da “guerra entre Crato e Juazeiro”, em 1914. Parece até que agora revejo minha mãe deitada na rede, a claridade da manhã surpreendendo seus olhos pregados nas últimas páginas do livro-depoimento de padre Pereira. 

— Mamãe, a senhora não dormiu a noite toda...
— Dormir é perder tempo, meu filho.

Relembro a cena, ocorrida há mais de 50 anos, ao reler o mesmo exemplar que as mãos de minha mãe viraram página por página (Livraria Freitas Bastos, 2ª edição, 1961), o coração acelerado, a memória avivada, a forte sensação de que os mortos estão vivos. Os mortos do padre Pereira. E os meus.

Primeiro, chegou o padre. Jovem, preparado, inteligente, fala mansa, ar de alheamento, a querer, quem sabe, decifrar no interlocutor a intenção de descobrir nele um gesto, uma ponta de fio que conduzisse à herança do pai cangaceiro. Padre Pereira chegou a Cajazeiras carregado de novidades. Formou a Juventude Estudantil Católica (JEC) e a Juventude Independente Católica (JIC). Não guardo lembrança da JOC. A JUC, certamente não, pois no meado do século vinte só havia ginásio e escola normal na minha cidade. Trouxe métodos de evangelização até então estranhos à Igreja local. Reuniões em sítios, debaixo de árvores, quebrando a distância entre orientador e orientado, abrindo debates francos, retirando de todos nós, jovens católicos, o ranço de que tudo é pecado. E labareda, fogo do inferno a queimar os pecadores. Padre Pereira mal falava no inferno...


O estigma de filho de cangaceiro ia se esvaindo, sob o manto e a suave presença de sua mãe, dona Jarda. A gente olhava para Jarda e enxergava Maria, a mãe de Jesus. Nem todos, porém, viam assim. Outros alimentavam receios de serem contestados. Algumas novidades introduzidas na prática religiosa pelo jovem sacerdote desagradaram aos poderosos. O prefeito de Cajazeiras, o médico Otacílio Jurema, por exemplo, ao ouvi-lo explicar, do púlpito, o porquê de um gesto considerado afrontoso aos donos do poder, teria dito: não ouvi o padre, ali falou o filho do cangaceiro. 

Primeiro, chegou o padre. Mobilizou a juventude e a sociedade em torno de um assunto tabu — o cabaré de Cajazeiras. Conto como foi. Jornal de João Pessoa publicou uma carta assinado por um desconhecido caixeiro-viajante, Duarte Resende, lamentando a presença do meretrício em local inadequado. Cajazeiras crescera e o cabaré permanecia, bem ali, atrás do cemitério Coração de Jesus, pertinho do Colégio Dom Moisés Coelho. Uma afronta às famílias da terra do padre Rolim. Antes de ser publicada a carta, já estávamos nós, os rapazes da JEC, de posse de sua reprodução em forma de panfleto para distribuir de casa em casa, numa operação, absolutamente, sigilosa. Exigência do padre Pereira para, entre outros objetivos, seduzir os meninos da JEC... Divididos em grupos de duas pessoas, cada dupla foi destacada para agir em um bairro, alta hora da noite, colocando o papel por baixo da porta ou da janela. Neném Moésia (Deus o guarde) e eu enfrentamos um imprevisto. Mal começada nossa tarefa - na atual Rua Engenheiro Carlos Pires de Sá -, alguém pensando que se tratava de ladrões, abriu a janela e meteu bala... Corremos sem olhar para trás... E sem cumprir a missão, claro, pois quem espera por tempo ruim é lajeiro... 

Chico Pereira

Corri até minha casa, o coração saindo pela boca, as pernas feito vara verde, garganta seca, voz entrecortada de angústia e medo. Meus pais, que estavam à minha espera na calçada, riram à beça. Vivi minha primeira experiência de ação clandestina. Uma luta inglória, talvez de pouco sentido social. Porém, isso não conta. Importa realçar a liderança do padre Pereira. Ele era assim, corajoso, inovador, carismático, ousado, cheio de novidades. E mistérios.

E o livro? Não deu tempo. Primeiro o padre, depois o livro.   

Esta crônica, publicada no jornal Gazeta do Alto Piranhas, Cajazeiras, nº 324, de 25/02 a 03/03/2005, foi revisada e ampliada para divulgação no www.cariricangaco.blospot.com.br

Francisco Frassales Cartaxo 
Recife, Pernambuco

4 comentários:

Leandro Souza disse...

Excelente texto. Gostaria de saber se o livro já foi publicado, e como fazer para comprá-lo. Me interessei pela história. Dá para fazer link's com outras história de cangaço da região do Cariri Cearense.

CARIRI CANGAÇO disse...

Caro Leandro, essa Obra é um clássico da literatura do cangaço, "Vingança Não" de Padre Pereira, inclusive é muito difícil de adquirir, mas te peço que mande um email para nosso amigo Prof. Pereira: franpelima@bol.com.br e veja com ele se tem para venda.
Abração
Manoel Severo

Fabricio Ferreira Ferreira disse...

Muito bom

Milene Pimentel disse...

Excelente texto. Sou sobrinha neta de Chico Pereira. Comparto do seu sentimento em relação as memórias contadas por sua mãe. As histórias relatadas por minha vó pareciam que tinha sido há tão pouco tempo de tanto que era carregada de sentimentos.