Monumento à Coluna Prestes em Floresta ? Por:Denis Carvalho


Túmulo de João Lopes Diniz

Tenho acompanhado durante toda a semana as discussões a respeito da alocação de um monumento dedicado a passagem da Coluna Prestes no município de Floresta – PE. Fica então a pergunta: qual o sentido dessa homenagem? Para quem não conhece, a Coluna Prestes foi um “movimento político-militar” liderado pelo comunista Luis Carlos Prestes, tendo percorrido mais de 20.000 km pelo interior do país. 

O mais estranho desse movimento é que, apesar de seus ideais serem indiscutivelmente louváveis, como a exigência do voto popular secreto e melhorias no ensino publico, jamais conseguiram o apoio popular, tendo concluído sua marcha sem ter conseguido cumprir nenhum de seus objetivos.Ora, se até mesmo o temido cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva (Lampião) conseguiu conquistar o respeito e a admiração de alguns sertanejos, por que não ouvimos nenhum dos que tiveram contato com a Coluna narrar algo de positivo ou admirável? 


O repúdio popular, na época, explica-se em decorrência do modus operandi com que os “revoltosos” utilizavam para fazer aderir os populares à causa. O uso da violência era constante: invadiam fazendas e casas, torturavam seus moradores, roubavam provisões e animais de carga; tudo isso em nome da “causa”. Qualquer sertanejo era taxado de “jagunço” e não havia o mínimo respeito com os habitantes dos locais por onde passavam.

Denis Carvalho, Leo Gominho, Marcos de Carmelita, João de Sousa Lima, 
Cristiano Ferraz e Manoel Severo

Lutar por uma causa justa com o uso de meios imorais e ilegais, a meu ver, não faz de ninguém um herói. Sei que muitos vão dizer que “os tempos eram outros”, mas nada justifica o uso de uma força com dezenas de homens contra simples sertanejos, que em nada deram causa à sua luta, muito menos poderiam esboçar qualquer forma de reação. Não vejo nenhuma necessidade de um monumento relacionado à Coluna Prestes em Floresta, afinal, esse monumento já existe...

Eis na imagem o túmulo de João Lopes Diniz, morto em 1926 na fazenda Campo Alegre durante a passagem do movimento. Seu corpo ficou exposto no terreiro de sua casa, tombado no local de seu assassinato, enquanto sua esposa e filhas choravam implorando que deixassem enterrá-lo. As respostas eram apenas ironias, seguidas de gargalhadas.
Hoje vemos nossos opressores virarem heróis, ao passo que nossos mortos são esquecidos. Enquanto seu túmulo jaz abandonado, engolido pela caatinga; seus algozes receberão uma homenagem em um dos lugares mais pomposos da cidade que sua família ajudou a construir.

Muitos outros marcos foram deixados por onde passaram, como cercas incendiadas, marcas de projéteis de bala e pessoas traumatizadas.
A construção dessa obra é, então, uma total falta de respeito e uma grande demonstração de que a história do município está sendo irresponsavelmente ignorada por seus dirigentes. E isso em nada me admira, afinal, vivemos em um país em que o crime compensa e que, em vez de penas, rendem-se homenagens aos criminosos.

Denis Carvalho
Pesquisador e colecionador, Floresta PE

3 comentários:

Costa disse...

de fato aconteceram diversos desvios de conduta por parte de alguns integrantes do movimento. Mas não eram com consentimentos dos "comandantes", pois os que desviavam em muitos casos foram punidos com a própria vida. Indico a leitura: Luiz Carlos Prestes
Um Comunista Brasileiro

Lauro Carvalho disse...

Em vez de monumento à Coluna Prestes em Floresta, restaurar a capela do túmulo do Sr. João Lopes Diniz e construir um monumento ao Padre Aristides de Piancó – PB, uma igreja ou uma modesta capelinha para a comunidade florestana rezarem confortavelmente em intenções do Sr. João Lopes e também em ações de graças nas interseções do padre a Jesus e Maria, sou devoto ao padre pela tradição da minha mãe e dos prodígios na interseção dele, sou testemunha nessa graças que alcancei.

Essa matéria está muito bem temperada, mais se quiser mais um salzinho eu posso dar. O Padre Aristides foi cruelmente assassinado pela Coluna Prestes, sobre sua face derramado o querosene da lamparina para atear fogo e por milagre uma mulher conseguiu impedir a crueldade final.

Veja:

Padre vítima da coluna Prestes fez milagre em Goiás.

Na década de 80 deixei o interior de Goiás para estudar na capital e minha mãe receosa com os riscos da cidade (concordo que seja mais fácil morrer assassinado na rua que por feras ou cobras na roça) me deu uma oração de Padre Aristides de Piancó para me proteger contra malfeitores, ela estava certa!

Uma década depois, no ofício de contador fui ameaçado por corruptos e durante uma auditoria próxima ao DF um inspetor possivelmente planejou me assassinar (semanas antes ele me ameaçou para ter cuidados para não aparecer com a boca cheia de formigas, eu respondi que o machado e a foice têm o mesmo risco).

A primeira noite na cidade foi marcada por um sonho e um acidente. Na minha visão durante o sonho vi minha avó Emilia (falecida há alguns anos), ela estava despida e com órgãos genitais masculino. Contei o sonho ao meu gerente e outros que estavam à mesa no café daquela manhã e todos deram risadas, fizeram duras críticas que eu estaria me revelando com sonhos eróticos com homens, fiquei sem graças e quase me entalava com o leite. Momentos depois um telefonema preocupou o gerente da empresa que teria atendido a esposa da vítima preocupada com o marido sem aparecer a mais de doze horas. Realizada buscas nas bases da PRF descobriu-se que um acidente havia destruído o veículo e o condutor teria morrido. Fomos ao IML do DF e ao abrir umas gavetas e outras em reconhecimento do corpo, o homem estava exatamente como contei que vi no sonho, ele estava despido no suporte de cadáveres com os órgãos genitais iguais ao que vi em minha avó sem nenhuma diferença de cor e forma. Na ocasião eu já era noivo de Cacilda e hoje atribuo à mediação das vocações dela ao santo (não canônico) Padre Aristides. Deus vos salve padre Aristides! Amem. Autor: Lauro Carvalho

Lúcio disse...

O maldito comunismo nunca deixou de existir entre nós. Agora está com outra roupagem, a enganar incautos, desavisados ignorantes de Ciência Política e História. Não quer mais a luta violenta, mas a luta silenciosa à la Antonio Gramsci, corrompe nossa cultura por dentro, deturpando a moral, os valores do povo, reinterpretando um criminoso convicto e reiterado como se fosse na verdade uma vítima (efeito Herbert Marcuse)que mata suas vítimas (principalmente pobres. Uma esquerda altamente autoritária e fascista que vive usando pobres, negros, homossexuais, mulheres como massa de manobra, mas sem nunca jamais se importar com eles. Prove o que digo: diversos negros, gays e mulheres que não fazem parte da esquerda são por ela difamados.
Ao querer reformar o Homem, o socialismo o impede de entrar em contato com a sua própria natureza humana: o capitalismo, ou para melhor dizer, o livre mercado, a liberdade em si. Pois que o livre mercado é a inclinação natural do Homem, tolhida pelo Estado gigantesco, artificial. É exatamente por isso que o socialismo só funciona através da força, da coerção e da ameaça. Não foi Rousseau, não foi Robespierre, nem mesmo Proudhon , que alcançaram o entendimento do Homem: antes, foram em muita coisa Alexis de Tacqueville e Frederic Bastiat. Atribui-se a Rousseau a frase segundo a qual o homem deveria ser obrigado a libertar-se, numa espécie de CATARSE inversa à dialética hegeliana: a mudança deveria partir de fora para dentro, forçada, ou seja, contra as inclinações naturais do Homem e por isso, anti-humano. Pois que o socialismo , como religião política, quer apontar ao Homem para onde deve seguir, na busca de um mundo novo, verdadeiro paraíso na Terra. Mas esse paraíso requer um preço alto: desunir-se, desligar-se da própria essência humana, o que é algo impossível. O socialista quer transferir para o outro, a sua concepção particular do que é justo ou injusto, lícito ou ilícito. Também os estados democráticos assim o fazem, mas há uma diferença essencial: na democracia, se cerceia e se pune as más inclinações humanas que , agindo livremente, prejudicam aos demais e tornaria impossível a vida em sociedade. Alem do que, nas democracias , a norma jurídica caminha muitas vezes, lado a lado com as concepções e convenções sociais morais daquilo que é certo ou errado; no socialismo , cerceia-se tão somente aquilo que o Homem tem, DESDE QUE não seja útil à causa socialista: se o homem for um assassino e isso servir ao socialismo, ele não será punido, mas sim amplamente aceito. Stalin era assaltante de bancos: Mao-Tsé, foi um estuprador. O Khmer Vermelho, era feito de assassinos. E no Brasil, há a visão da esquerda que o bandido é o novo revolucionário, que está roubando da burguesia aquilo que a burguesia espoliou ao proletário. Se ao contrário, for um religioso principalmente cristão, será atacado e punido até mesmo por sua fé. Pois que o Cristianismo e sua crença na responsabilidade pessoal individual humana, na propriedade privada, é um dos maiores entraves ao socialismo.É aí que o socialismo entra em atrito com o Cristianismo, pois não poderá haver duas religiões supremas: uma preocupada em servir sobretudo a Deus, e outra preocupada em doar-se de todo para o Estado.