O Exu da Caiçara, de Barbara, de Luiz e do Barão...

Quanta memória povoa o universo de nossas raízes e de nossa historia. Desde bem jovem me acostumei a ouvir os relatos e a lenda em que acabaria se tornando a primeira presa politica do Brasil: Bárbara de Alencar. Depois o nordeste encantador cantado pelo Mestre, grande Rei, o Lua Gonzaga, maior e mais precioso embaixador do sertão no planeta, viria a fazer parte de minha vida... Não mais que de repente nos encontramos em Exu, no alto da magnifica Chapada do Araripe, solo pernambucano, berço desses dois personagens emblemáticos e cheios de força: Bárbara de Alencar e Luiz Gonzaga.
Esse final de semana de 22 de abril, dentro do esforço de construção da Programação Final de nosso Cariri Cangaço Exu-Serrita 2017, partimos do centro da cidade por volta de 9 da manha deste sábado; eu, Ingrid Rebouças e Rodrigo Honorato; para a checagem geral e final de nossas visitas técnicas para o evento de julho.
Rodrigo Honorato e Manoel Severo na Fazenda Caiçara, berço de Bárbara de Alencar e Luiz Gonzaga
Museu de dona Bárbara

Acho que 13 km, talvez menos, nos separavam de nossa primeira parada: Fazenda Caiçara, berço exatamente desses dois grandes personagens da historia. Ali na casa grande da Fazenda Caiçara, nascia em 1760 a heroína Bárbara Pereira de Alencar e bem perto onde hoje temos o Museu Bárbara de Alencar, quase na cozinha da casa grande da Caiçara, vamos encontrar o "marco" da casa onde nasceu em 1912 o Rei do Baião. Ali também, na Caiçara viria a nascer em 1822, um sobrinho de dona Bárbara, Gualter Martiniano de Alencar, futuro Barão do Exu, que mais tarde iria se estabelecer na pomposa Fazenda Araripe, segunda parada de nossa caravana.
Rodrigo Honorato e Manoel Severo no marco da casa de Luiz Gonzaga

 Ingrid Rebouças e os caminhos da Caiçara de Bárbara e Gonzaga
"Meu nome é Luiz Gonzaga, não sei se sou fraco ou forte, só sei que, graças a Deus, té pra nascer tive sorte, apois nasci em Pernambuco, o famoso Leão do Norte.Nas terras do novo Exu, da fazenda Caiçara, em novecentos e doze, viu o mundo a minha cara.No dia de Santa Luzia, por isso é que sou Luiz, no mês que Cristo nasceu, por isso é que sou feliz."
Luiz Gonzaga.

Era sábado, o sol deste 22 de abril ensaiava ainda seus primeiros raios no meio daquela manha quase chuvosa... clima ameno, o sertão chovido e viçante, o verde da caatinga e o azul do céu tornavam o cenário precioso daquele pedaço de história do nordeste inesquecível. A fazenda Caiçara com toda sua historia e significados pareciam se tornar ainda mais gigantes diante de tanta beleza. A fazenda Caiçara, o Museu de dona Bárbara de Alencar e o Marco da casa onde nasceu Luiz Gonzaga serão algumas da maravilhosas visitas imperdíveis do Cariri Cangaço Exu 2017.

A fabulosa Fazenda Araripe... 


Apenas 800 metros separam a Fazenda Caiçara de outro cenário deslumbrante e cheio de história, a lendária Fazenda Araripe e sua vila. Aqui vamos nos defrontar com a pequena entrada da vila, onde desponta por entre casinhas de um lado e de outro a escolinha municipal Luiz Gonzaga; começávamos a voltar no tempo...

A estradinha de pouco mais de 600 metros nos levam ao núcleo principal da Fazenda Araripe, não sem antes passarmos em um ponto obrigatório de visita: A Casa de Januário. Aqui nessa casinha amarela morava Januário e Santana, pais do Rei do Baião, e foi aqui o cenário inspirador para a famosa música "Respeita Januário", quando o já famoso filho, retorna a casa paterna.

  Manoel Severo e Rodrigo Honorato: A Casa de Januário no Araripe: "Luiz respeita Januário"...
 A espetacular Casa do Barão do Exu

O núcleo da Fazenda Araripe é realmente impressionante. A beleza do lugar se une a seu enigmatístico significativo. A casa do Barão de Exu, datada do século XIX se destaca pela imponência e beleza, a igreja de São João Batista com seu piso de tijolo batido e seu teto inigualável, a casa dos Alencar, berço do clã da família que fundou o município de Exu, um conjunto verdadeiramente encantador.

Aqui tudo nos remete a história dos Alencar, de Gonzaga e sua imensa repercussão na própria historia do nordeste. Na visita à igreja de São João Batista, ao lado da simpática Jamile Souza, entre uma revelação e outra, "víamos a hora" o Barão de Exu adentrar o solo sagrado da igreja, tamanha força e magnetismo do lugar.

 Ingrid Rebouças em terras da Araripe
 Igreja de São João Batista construída pelo Barão de Exu para pagar uma promessa



Jamile é filha de dona Raimunda Souza, neta de Jesus de Souza, primo de Januário. A igreja do Araripe, de São João Batista, desde seus avós é zelada por sua família. Jamile sempre com um sorriso aberto se emociona a cada visitante que busca conhecer a historia do lugar. Ali também mantemos contato com dona Amparo Alencar, "uma das maiores autoridades sobre a historia do clã Alencar" revela Rodrigo Honorato, quando tivemos a oportunidade de "beber da fonte" enquanto Dona Amparo se preparava para sair à feira da cidade de Exu.

 Amparo Alencar, Manoel Severo e Rodrigo Honorato
Guálter Martiniano de Alencar Araripe, primeiro e único barão de Exu foi coronel da Guarda Nacional além de deputado provincial do império, era filho de Luís Pereira de Alencar e de Ana Pereira de Carvalho, casou-se duas vezes, com Jacinta Xavier de Carvalho e com Alexandrina Ferreira Leite, mas não deixou descendência legítima. Era Sobrinho de Bárbara de Alencar, primo-irmão de Tristão Gonçalves e do senador José Martiniano de Alencar, pai do escritor José de Alencar e do Barão de Alencar.
 Manoel Severo e Jamile Souza, "guardiã da Igreja de São João Batista"
 Ingrid Rebouças e Rodrigo Honorato
 Ingrid Rebouças e Jamile Souza
 Mausoléu onde se encontram os restos mortais do Barão de Exu e de outros membros da família Alencar, entre eles Zito Alencar, ex-prefeito de Exu, morto no conflito familiar mais famoso do nordeste...

Alencar, outrora Alancar, Alanquar, Alamquer, Alenquer ligado a povoação portuguesa. Considera-se que o nome provém de Alan ( dos alanos) e Kerk ( templo ou igreja). Os Alanos eram povos nômades e guerreiros de origem árabe, da região do atual Irã, em virtude destas guerras acabaram dispersando-se por diversas regiões da África e Europa, e no Século V, d.C - chegaram a Portugal e fundaram pequenos povoados, entre eles a Freguesia de Alenquer ( nome adotado por Dorotéa de Alenquer = Alencar, mãe de Leonel de Alencar Rego, patriarca da Família Alencar no Brasil).

Tudo isso e muito mais no

Cariri Cangaço Exu
20 a 23 de Julho de 2017
EXU-SERRITA

Um comentário:

João Monteiro disse...

É maravilhoso ver as riquezas históricas do nosso sertão nordestinos, perceber a proximidade - apesar de separados temporalmente por mais de 100 anos - de dois grandes personagens que ligam perpetuamente Pernambuco e o Cariri cearense, Dona Bárbara de Alencar o Grande Luiz Gonzaga. Parabéns ao Cariri Cangaço por esse excelente trabalho de resgate e propagação da nossa história e cultura!