Caravana Cariri Cangaço e os Nazarenos Por:Manoel Severo

Caravana Cariri Cangaço em Nazaré do Pico

A manhã de 20 de setembro de 2014; uma sexta-feira de clima quente e pouca brisa; marcou mais uma visita da Caravana Cariri Cangaço a um dos mais emblemáticos cenários do Cangaço no estado de Pernambuco; o distrito de Nazaré do Pico, município de Floresta, berço dos mais ferrenhos perseguidores de Virgulino Ferreira da Silva, Lampião: Os Nazarenos.

"Voltar a Nazaré em tão pouco tempo; já que estivemos aqui no mês passado; é um grande privilégio" diz Heldemar Garcia, assessor de marketing do Cariri Cangaço. "Realmente Nazaré guarda um encantamento que só sabe que vem visitar e ver de perto o solo que foi pisado pelos grandes Odilon Flor, Manuel Flor, Euclides Flor, Manoel Neto, Davi Jurubeba e tantos outros que se notabilizaram na luta contra o cangaço" afirma Narciso Dias, um dos componentes da caravana Cariri Cangaço em Nazaré.


Jair Tavares, Narciso Dias e Jorge Remigio: Busto de João Gomes de Lira em Nazaré
Ulisses Ferraz "Flor" e Manoel Severo

O grupo, formado pelo curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo; pelo Conselheiro Narciso Dias, pelos pesquisadores Jorge Remigio e Jair Tavares e ainda Heldemar Garcia foram recebidos pelo filho de Euclides Ferraz, senhor Ulisses Ferraz e pelo neto de Hildebrando Nogueira; Hildebrando Nogueira Neto, Netinho; para dois de dias visitas técnicas ao principais cenários do cangaço na região. 


Odilon e Luis Flor em foto de 1928
Ildefonso Flor, Manoel Gomes, João de Sá e João Jurubeba

Na verdade os anfitriões fazem parte de um dos mais tradicionais ramos familiares de Nazarenos "da gema", os descendentes de João de Souza Nogueira; ou, João Flor. O "Flor" vem do nome de sua mãe, dona Florência Felismina de Sá, então era o "João da Flor", ou "de Flor" e daí nasceu os Flor de Nazaré, linhagem à qual pertenceram os filhos de João Flor: Euclides, Manuel, Odilon, Ildefonso, Américo, Luis e Hildebrando, todos, ferrenhos combatentes contra o cangaço.


Netinho Flor, Jair Tavares, Zezinho Nogueira, Narciso e Jorge 

A notícia se confunde com o jornalista...Heldemar Garcia e a homenagem a João Gomes

A atual Nazaré do Pico, já foi Carqueja, que já foi Nazaré. A vila que nasceu da antiga fazenda Algodões, foi o resultado de um sonho do filho do professor Domingos Soriano Ferraz, Manuel; que via nascer naquele lugar uma vila. Dali até a realização do sonho foi rápido. Ao sonho se uniram outros jovens e entre esses, os filhos de João Flor, era agosto de 1917 quando foi inaugurada a primeira feira de Nazaré.

Depois dos primeiros embates entre os "filhos de Zé Ferreira" com Zé Saturnino, a família mudou para os arredores de Nazaré, já estamos em 1919 e a fazenda Poço do Nêgo era a nova morada do futuro rei do cangaço. Dali para frente o conflito entre Virgulino e seus irmãos com o povo de Nazaré só aumentaria e viria a se tornar uma verdadeira saga, envolvendo mais de 100 integrantes do afamado vilarejo que entraram na luta contra o cangaço.


 Força Volante de Nazarenos sob o comando de Manuel Flor
Odilon Flor, Euclides Flor, Manuel Jurubeba e Pedro Tomaz

"Hoje aqui ninguém chora !" 
Dizia Virgulino...
"Olha que chora, nem que seja baixinho" acompanhava Levino...
"Se chorar eu acalanto" 
completava Antonio Ferreira.
Provocação dos filhos de Zé Ferreira aos homens de Nazaré em 1919
"O Canto do Acauã" de Marilourdes Ferraz


"Os antigos dizem que os mais valentes eram Odilon Flor e Manel Neto e o mais estrategista era Euclides Flor, mas na verdade todos eram muito valentes e destemidos, umas feras", afirma Netinho Flor. "Esse pessoal antigo aqui dos Nazarenos, Manel Flor, Euclides, Manel Neto, esse pessoal não conversava sobre a campanha do cangaço não, eles não falavam, parece que era uma página virada na vida deles", acentua Zezinho Nogueira, que é sobrinho direto dos irmãos flor e também de Manoel Neto.

Se você gosta do tema cangaço e ainda não conhece a espetacular Nazaré do Pico, não perca tempo. Ali, por entre seu casário, portas e janelas, cores e sons, e acima de tudo, a partir de seu povo bom e hospitaleiro, se esconde umas das mais sensacionais histórias de combate ao cangaço por esses que foram conhecidos por "encardidos nazarenos..." Vale a pena conhecer !

Manoel Severo
Curador do Cariri Cangaço
19 de Setembro de 2014, Nazaré do Pico

4 comentários:

Verluce Ferraz disse...

Adorei ver as fotos - Quando garota, Manoel Neto visitava nossa casa, eu achava-o muito grande e até tinha medo dele (imagina, ter medo de nosso primo)...

Anônimo disse...

Amigo Severo!!!

Ficou bacana a matéria. Mande para o meu e-mail (netonogueira1977@hotmail.com) as fotos da Fazenda Jenipapo e as filmagens de João Lucas.

Grande abraço!!!

Netinho

Anônimo disse...

Amigo Severo!!!

Estamos bem próximos de adquirir uma casa em Nazaré para concretizarmos o sonho de instalar o Museu das Forças Volantes de Nazaré. Dou mais detalhes posteriormente.

Grande abraço!!!

Netinho

Anônimo disse...

Realmente, essa família que estuda e vivencia em loco, a história do cangaço, é fantástica. Viciante por assim dizer. Fui A Nazaré, em um intervalo de menos de dois meses, fiz imagens e fotos, que ficaram eternizadas em minha vida. E o mais importante, é estar vivenciando de perto e criando novos laços de amizades. Obrigado amigo Netinho, esposa e seu Filho João Lucas por tanto carinho e atenção. Voltaremos com certeza, muitas e muitas vezes a ainda a Nazaré e continuaremos a construção e fortalecimento de nossas amizades e do culto a nossa nordestalidade. Abração. Heldemar garcia