Lampião Comunista Por:Junior Almeida


Sobre o maior cangaceiro de todos os tempos, alguns conceitos são bem variados. A maioria acha que Lampião foi bandido, outros, no entanto afirmam que Virgulino foi um herói. Lampião foi herói e foi bandido, dependendo o lado da história em que se estava. Perguntaram certa vez ao coronel Audálio Tenório, de Águas Belas, Pernambuco, amigo e coiteiro do cangaceiro, como ele definia Lampião. O potentado respondeu sem pestanejar, demonstrando toda a sua admiração pelo Rei do Cangaço, disse ele:
-Lampião era um homem extraordinário, um homem de
uma [grande] resistência, dos nervos de aço. Um monstro,
uma fortaleza, homem de uma delicadeza sem igual com
os companheiros.
Ainda da região Agreste de Pernambuco, coronel Zezé Abílio, de Bom Conselho, também era amigo de Virgulino, portanto para ele o cangaceiro teria sido um herói. Em alguns casos, para alguns Lampião foi herói e depois bandido, em curto período de tempo. Foi o caso dos coronéis, Petro, da Bahia, Zé Pereira, de Princesa Izabel, na Paraíba, além de Izaías Arruda no Cariri cearense.
Esses eram amigos do cangaceiro, e o tinham como herói, afinal lucravam com essa amizade, mas tendo rompido com Lampião, e só depois disso, Virgulino passou então a ser para eles um perigoso bandido. O coronel do Ceará, por sinal, pagou com a vida o “desentendimento” com Lampião, seu ex-amigo e seu ex-herói. Zé Pereira e Petro escaparam da ira do cangaceiro, mas tiveram inúmeros prejuízos por conta da rixa com Lampião.

Antonio Vilela, Assisão, Junior Almeida e José Tavares
Ao contrário dos admiradores de Lampião, existiram os que não só o tinham como bandido cruel, como destemidamente o combatia. É o caso dos nazarenos. Qualquer pessoa de Nazaré do Pico, distrito de Floresta, Pernambuco, dos antigos que se empenharam na luta ao banditismo, ou mesmo seus descendentes e moradores atuais, dificilmente alguém tenha dito que Lampião foi um herói.
Padre Frederico Bezerra Maciel, glamourizou muitos dos atos do cangaceiro, muitas vezes com relatos de ações que ninguém ouviu falar e até mesmo de sicários que nunca existiram. Padre Frederico através de suas palavras transformou, para muitos, Lampião em herói.
Já disseram também que Lampião teria sido uma espécie de Hobin Hood, aquele lendário personagem inglês que roubava dos ricos para dar aos pobres, quando na verdade, quem tem alguma noção do que foi o cangaço, sabe que era justamente ao contrário. Herói, bandido, e até como revolucionário já descreveram Lampião, só faltando, porém, descrever a causa da sua revolução, mas a descrição mais curiosa que fizeram de Virgulino Ferreira da Silva foi de que ele era comunista. Isso mesmo. Comunista, daqueles sempre associados a anti-cristos, invasores de terras e até comedores de criancinhas.

Frederico Pernambucano de Mello, citando o jornal Gazeta de Notícias de 26 de agosto de 1936, nos conta em seu “Estrelas de Couro a Estética do Cangaço”, que “o secretário do Interior e Justiça do Ceará, Martins Rodrigues, membro da poderosa Liga Eleitoral Católica, a LEC, movimento direitista simpático ao governo, em visita à cidade de Juazeiro do Norte no mês de agosto de 1936, em discurso às lideranças locais, disse com ares de mistério que tinha consultado ‘certos documentos’ no Rio de Janeiro, que lhe permitiam sustentar que os dirigentes do extremismo vermelho não tinham escrúpulos de lançar mão de todos expedientes e elementos, até mesmo de cangaceiros como Lampião, para serviço de seus sinistros planos.”
Como podemos perceber nas declarações à imprensa do ilustre secretário, para ele Lampião era um comunista a serviço da esquerda brasileira e, portanto os católicos da direita, inimigos naturais dos comunistas, deveriam se precaver contra o avanço da dita “praga”.

Junior Almeida
Pesquisador e Escritor do Cariri Cangaço
Capoeiras, Pernambuco

Nenhum comentário: