Uma Nova Onda no Cangaço Por:Honório de Medeiros

.
Kydelmir Dantas, Professor Pereira e Honório de Medeiros, no Cariri Cangaço

Em entrevista concedida ao escritor Franklin Jorge (www.franklinjorge.com), depois gentilmente transcrita por Jânio Rego (www.blogdafeira.com.br), defendi um estudo do fenômeno do cangaço firmado em paradigmas diferentes daqueles que, ainda hoje, são notoriamente utilizados na produção pré-científica em relação ao tema.Descrevi o que seria essa nova “onda”, assim batizada por força da falta de uma expressão melhor, e calculadamente inspirada, a expressão, na obra homônima de Alvin Toffler, guru americano na moda em meados da segunda metade do século passado, “expert” em projetar o futuro.

Os paradigmas são simples e poucos: utilização do método científico na pesquisa do imenso acervo de dados existentes acerca do cangaço, hoje, e utilização da teoria da evolução de Darwin, na análise do material disponibilizado pela pesquisa. Entre os argumentos elencados na defesa de minha proposta está uma constatação óbvia: hoje quase não temos fontes primárias a serem pesquisadas, e as poucas restantes – personagens que participaram diretamente do ciclo do cangaço – delas já se extraiu o possível e o impossível. Ressalvei a possibilidade de ocorrer, extraordinariamente, o que aconteceu em relação a Plácido de Castro, ou seja, a descoberta de papéis de um lugar-tenente seu, em um lugar remoto do interior do Rio Grande do Sul, alusivos ao período no qual o gaúcho lutou pelo Acre. Se acontecer algo assim, como por exemplo, a descoberta de um diário perdido do Coronel Floro Bartolomeu, será uma verdadeira festa para os pesquisadores do cangaço e coronelismo, mas, com certeza, absolutamente inesperado. Um exemplo para explicar o que seria a “nova onda” em relação ao cangaço é a teoria do “escudo ético”, de Frederico Pernambucano de Mello, com certeza um dos nossos mais importantes e originais pesquisadores. Segundo essa teoria, calcada em metodologia científica – uma conjectura, portanto, exposta à refutação – os cangaceiros construíam um “escudo ético” para justificar sua senda criminosa: diziam agir como agiam como conseqüência de um sentimento de justiça oposto à injustiça de ações contra si ou sua família cometidas, tudo calcado em um ancestral código de conduta tipicamente sertanejo. Podemos não concordar com a teoria de Frederico Pernambucano, mas não podemos negar que ela resulta do tratamento científico dado ao resultado – os “dados brutos” – obtido com as pesquisas realizadas durante a “onda antiga”, que coletava informações e as repassava, a grande maioria das vezes, sem qualquer checagem quanto aos fatos arrolados. 

Quanto ao darwinismo, penso em sua utilização no âmbito das ciências sociais como a grande ruptura com os modelos anteriores, tais como o marxismo e o funcionalismo americano, o estruturalismo francês e Weber. O darwinismo é uma macro-visão da realidade, incluindo, aí, o campo social, a única a resistir à virada do milênio, esse mesmo milênio que deu contornos bem mais limitados ao pensamento de Freud e Marx. Darwin é o grande sobrevivente. Evidentemente quando abordo o darwinismo rechaço o assim chamado “darwinismo social”, que nem é darwinismo, nem é social, e somente existe hoje no cérebro de quem, realmente, não conhece a obra de Darwin. Criticar o darwinismo a partir do “darwinismo social” é, mais ou menos, como criticar a democracia pelos desvios ideológicos que ela possibilita. Típica do desconhecimento acerca do darwinismo é uma questão que foi formulada por um dos comentadores da entrevista: “a lei do mais forte, então, justificaria socialmente o cangaço?” A ciência não justifica nada; a ciência explica.


Uma “nova onda” em relação ao cangaço permitiria, por exemplo, demonstrar por que Lucas da Feira não foi cangaceiro. Aliás, a filosofia pode fazer isso: se Lampião é o paradigma, basta compararmos Lucas a ele e nos indagar se eram semelhantes. Obviamente não. Nem todo bandido rural era cangaceiro. Como permite a “nova onda” rir da afirmação feita por outro comentador de que eu nego “aos integrantes das camadas populares a capacidade de elaborar estratégias de vida por meio de operações intelectuais...” Nunca tinha visto nada tão disparatado. A lei da evolução confirma que desde a ameba, até o Homem, ou seja, qualquer ser vivo, sobrevive graças à capacidade de elaborar estratégias de sobrevivência. Está em Karl Popper, de quem recomendo a leitura. A habilidade “política” de Lampião – penso que o comentarista quer dizer habilidade guerreira – é algo concreto: não fosse assim ele não teria sido quem foi. Entretanto devemos colocar essa habilidade em seu contexto específico, qual seja, o jogo de poder inerente ao coronelismo que permitiu sua sobrevivência durante tantos anos no Sertão inóspito.

Enfim, nada mais interessante do que essas polêmicas que nos permitem aprofundar e redimensionar nossas opiniões. Não por outra razão elas me interessam vivamente. Ao contrário de quem não gosta de ser contrariado em me perfilo com D. Hélder Câmara: “me enriquece quem de mim discorda”. Nada tão belo. Nem tão correto, epistemologicamente pensando.

Honório de Medeiros
;

8 comentários:

José Mendes Pereira disse...

Um excelente texto escrito pelo professor Honório de Medeiros, revendo coisas passadas.

José Mendes Pereira - Mossoró-Rn

Anônimo disse...

Temos que respeitar essa colocação do dr Honório de Medeiros sobre a Nova Onda, isso não quer dizer descredenciar as abordagens históricas, que na verdade são a verdadeira base, a meu ver, para essa Nova Onda.

Marcílio Lemos Aguiar

Anônimo disse...

Temos que respeitar essa colocação do dr Honório de Medeiros sobre a Nova Onda, isso não quer dizer descredenciar as abordagens históricas, que na verdade são a verdadeira base, a meu ver, para essa Nova Onda.

Marcílio Lemos Aguiar

ADERBAL NOGUEIRA disse...

Amigo Honório, que bom podermos sugar um pouco de seu conhecimento. Mas amigo, a h
istória nos prega muitas peças. Aderbal Nogueira

NETO disse...

Parabéns ao amigo Honório de Medeiros, realmente um belo texto para refletirmos o porque alguns homens procuraram entrar no cangaço para vingar os seus familiares assinados e outros preferiram esperá que a justiça fosse feita pelos responsáveis em estabelecer a ordem pública.

Demetrius Calvin disse...

Parabens ao escritor Honorio de Medeiros pelo texto e pelas reflexões.
Demetrius

Anônimo disse...

Dr Honório, um grande abraço.
Paulo Alcântara Rios

Tabuleiro Grande RN

Honório de Medeiros disse...

Muito obrigado a todos que leram o texto. Obrigado a Zé Mendes, a quem um dia espero conhecer; a Marcílio, a Neto, a Demétrius. Um abraço em Paulo Alcântara. Um abraço afetuoso no meu amigo Aderbal Nogueira que sabe, mais que ninguém, o quanto a história nos prega peças.

Honório de Medeiros