A Saga de Benjamim Abrahão Parte II Por:Rostand Medeiros

.
Rostand Medeiros

O libanês esperto se encontrava em Juazeiro, quando no dia 4 de março de 1926 chega à urbe sagrada o famoso cangaceiro Lampião e todo o seu séquito. O bandoleiro das caatingas vem a “cidade santa” para se juntar aos membros de uma força militar denominada “Batalhão Patriótico”, com a intenção de combater uma coluna de revoltosos comandados por Luís Carlos Prestes, Isidoro Dias Lopes, Siqueira Campos e outros oficiais rebelados do Exército Brasileiro contra o governo de Arthur Bernardes, então Presidente da República.

Lampião recebe uniformes, armas novas, se encontra com Padre Cícero, concede entrevistas e se deixa fotografar. Segundo o pesquisador Frederico Pernambucano de Mello (op. cit.), a figura que coordena o assédio ao “Rei do Cangaço” não é outro se não o próprio Benjamim Abrahão. Afirma o pesquisador que a partir deste encontro surgiu uma amizade entre o libanês e o cangaceiro, bem como o germe da ideia de ser realizada uma película mostrando a vida de Lampião.

Apesar do autor de “Guerreiros do sol” haver entrevistado Lauro Cabral de Oliveira, uma das pessoas que esteve com Lampião naquela ocasião para realizar entrevistas e fotografá-lo, que teve seu acesso ao cangaceiro garantido por Abrahão, acreditamos que a ideia surgiu na cabeça do libanês algum tempo antes.

Em 1925 foi produzido “Joaseiro do Padre Cícero”, um filme que buscava contar a vida e o trabalho do Padre Cícero Romão Batista. Rodado em película de 35 milímetros, a um custo de 40 contos de réis, esta obra tinha o objetivo de criar uma propaganda positiva em relação à ação política e social do padre, além de mostrar o desenvolvimento da cidade de Juazeiro. Nesta época o Padre Cícero sofria na imprensa dos grandes centros do Brasil uma feroz enxurrada de críticas e comentários negativos sobre a sua figura, a sua trajetória política e a mistificação que se criava em torno de sua pessoa.

 Fachada do Cine Moderno em Fortaleza

A direção do filme coube ao cearense Adhemar Bezerra de Albuquerque e sua primeira exibição ocorreu no mesmo ano de sua produção. O local escolhido foi o Cinema Moderno, em Fortaleza, um empreendimento que foi inaugurado em 1921 e ficava na Praça do Ferreira. Depois de seu lançamento, a película foi apresentada em várias capitais brasileiras, chamando a atenção da crítica e do público. Certamente um dos que se impressionou com o sucesso da obra foi Benjamim Abrahão.  Provavelmente o diretor Adhemar Bezerra de Albuquerque, seguramente um dos principais pioneiros e expoentes do cinema cearense, que produziu muitos documentários em 35 milímetros, deve ter criado laços de amizade com o libanês durante a produção deste filme e certamente o imigrante participou de alguma maneira da concretização desta produção.
 
Ao longo dos anos o libanês continuou com o seu trabalho ao lado do Padre Cícero, mas em julho de 1934, aos 90 anos o seu patrão e protetor faleceu. É provável que sem maiores perspectivas ressurja na cabeça do libanês a ideia de mostrar ao mundo o cangaceiro Lampião, entrevistá-lo e conseguir assim se tornar o primeiro homem a filmar o “Grande Rei do Sertão”.
 
Ademar Albuquerque
 
No ano seguinte Abrahão busca na capital cearense um empreendedor que o ajude nesta empreitada. Este apoio surge na pessoa do velho conhecido Ademar Albuquerque, agora proprietário da empresa Aba-Film, que tinha apenas um ano de funcionamento. Ademar percebe que o libanês é suficientemente arrojado (ou maluco) para procurar Lampião no “Oco do Mundo” e se ele não morresse tentando, a distribuição deste documentário poderia render um bom dinheiro.

Percebemos que não é de hoje que a figura de Lampião alavanca negócios. O proprietário da Aba-Film lhe cedeu uma câmera, que segundo Frederico Pernambucano de Mello (op. cit.), seria de 35 milímetros, da marca Ica. Rolos de filmagem da empresa Gevaert-Belgium, um tripé e uma câmera fotográfica desenvolvida pela empresa alemã de produtos óticos Carl Zeiss, até hoje uma conceituada marca no meio fotográfico.

Benjamim estava munido com máquinas de conhecida qualidade e portabilidade, que certamente lhe trariam um ótimo resultado visual. Evidentemente que o imigrante libanês não seria tão louco a ponto de comentar quem o ajudou nesta empreitada. Mas seria praticamente impossível ele chegar próximo a Lampião sem a ajuda dos grandes coronéis do interior de Pernambuco. Ele teria buscado o apoio de Audálio Tenório de Albuquerque, então o todo poderoso comandante da cidade de Águas Belas e de outros coronéis da região próxima ao rio São Francisco. Esta hipótese se baseia na informação transmitida por Frederico Pernambucano de Mello, que nos seus últimos anos da vida de Lampião, teria sido o coronel Audálio Tenório uma pessoa com forte aproximação com este chefe cangaceiro. (Mello, op. cit., pág. 325).

De toda maneira Benjamim Abrahão conseguiu seu intento. No jornal Diário de Pernambuco, nas edições de 27 de dezembro de 1936 e 12 de janeiro de 1937, Abrahão relatou detalhes dos seus encontros com Lampião e seu bando.

Juriti, à esquerda, e Mergulhão à direita

Em narrativa franca e aberta, o libanês demonstra ao seu entrevistador, com certo orgulho, que a sua empreitada havia durado mais de um ano, precisamente 18 meses. Informava que havia passado pelos estados da Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas e Bahia. Ele entrou no sertão com uma roupa de “brim azulão” e suas máquinas a tiracolo. Afirmou que passou “fome e sede”, mas trouxe “um punhado de notas suficiente para seu livro de impressões”. Aparentemente estas impressões estariam contidas em seus diários.

O contato inicial de Abrahão com o bando de Lampião, segundo suas afirmações para o Diário de Pernambuco, foi num dia bastante quente e os primeiros com quem ele esteve foram os cangaceiros Mergulhão e Juriti.

Continua...

Rostand Medeiros
Pesquisador e Escritor
.

6 comentários:

Anônimo disse...

Oi! Sou Elisabeth Camelo e estou parabenizando vocês pelo grande trabalho.

Sou estudante de arquitetura e urbanismo da Unama (Universidade da Amazônia), Belém-Pará, estou pesquisando para o meu TFG, então busco mais informação sobre a fundação da cidade de Almeirim-Pará. Através desse e-mail estou pedindo a autorização do proprietário ou pessoa responsável pelo blog (Cariri Cangaço) para usar as informações citadas nele sobre a cidade de Almeirim, sou filha de Almeirim e achei muito interessante as informações de seu blog.

Espero obter resposta.
Mais desde já grata pela atenção.

ELISABETH CAMELO
BELEM PARÁ

Anônimo disse...

Bom dia amigo Severo.

Nesta matéria do confrade Rostand Medeiros, a Saga de Benjamim Abrahão, parte II, aparece numa foto dois cangaceiros, o da esquerda, está corretamente identificado como sendo o cabra Juriti, já o da direita penso ter havido algum engano; está identificado como sendo o cabra Mergulhão. Veja:o primeiro Mergulhão, aquele que atravessou o São Francisco junto com Lampião em agosto de 1928, morreu logo depois, sendo o primeiro cabra a morrer na Bahia. Já o segundo Mergulhão, aquele que era irmão da Sila, quando entrou no cangaço, Benjamim já havia encerrado suas atividades junto aos cangaceiros, portanto, não existe nenhuma foto desse cabra tirada por Benjamim. O cangaceiro que aparece na citada foto ao lado de Juriti, trata-se do cabra Quinta Feira.

Deixo meu abraço a Rostand e espero ter colaborado com o excelente trabalho.

De um leitor assíduo desse excelente blog.

Abração do amigo
Sabino Bassetti
São Paulo

Lima Verde disse...

Caro amigo Severo e confrades da SBEC, em especial ao professor Rostand, gostaria de parabenizá´los pelo excelente trabalho, com certeza vcs estão fazendo valer o valor da história de nosso nordeste.

E a matéria de Rostand Medeiros é por demais oportuna uma vez que estamos entrando no ano do centenário do Juazeiro, e Benjamim Abraão foi um personagem marcante de muitos episódios da meca cearense, infelizmente muitas vezes esquecido.

Abraços,

Fernando Cesar Lima Verde

Anônimo disse...

Parabens ao escritor Rostand Medeiros pelo espetacular trabalho de pesquisa.

Rita de Cássia Meneses
Natal RN

Xico Turco disse...

Rostand, Benjamim era um homem a frente de seu tempo, fazer o que ele fez, dispondo apenas do engenho de sua mente e sagacidade, era fenomenal e o mundo do cangaço deve muito a este libanês meio louco.

Francisco Turco

José Mendes Pereira disse...

Este é mais um dos seus trabalhos que todos os estudantes do cangaço deveriam parar para fazer uma boa leitura. Muito bem elaborado pelo escritor. Parabéns pela excelente postagem.

Desejo ao escritor e todos os seus familiares: “Um Feliz Natal, e que o ano de 2011 seja repleto de felicidade, saúde e muita paz para todos.

José Mendes Pereira - Mossor-Rn.