A Vida Breve e Vertiginosa do Cangaceiro Massilon Por: Enéas Athanázio


A existência do célebre cangaceiro Massilon se envolve em mistérios e lendas. Nem sempre é possível separá-los da realidade biográfica. As dificuldades começam pelo nome. Para alguns seria Antônio Massilon Leite, para outros Massilon Leite, Massilon Diógenes, Macilon ou Benevides. O historiador Honório de Medeiros, depois de longas pesquisas e intensa peregrinação no rastro do cangaceiro, chegou à conclusão de que ele, na verdade, se chamava Floriano Gomes de Almeida, conforme certidão do registro de óbito obtido em cartório e na qual constam os nomes corretos de seus país (*). Não obstante, foi como Massilon que fez carreira no cangaço e se tornou conhecido.
Os pesquisadores Hilário Lucetti e Magérbio de Lucena, em livro muito minucioso, descrevem o cangaceiro, integrante do bando de Lampião, como uma figura singular no cangaço. Dizem que Massilon foi um homem sofisticado, sempre bem trajado, que usava bússola para se orientar na caatinga e sabia dirigir automóvel. Segundo eles, depois que se desligou do grupo de Lampião passou a assaltar fazendas, atividade em que se deu bem, e, com o dinheiro, fugiu para o Rio Grande do Sul, onde mudou de nome, alistou-se na polícia e chegou a oficial. Mais tarde, já nos anos 1950, teria sido visto no Ceará, num caminhão novo, de sua propriedade, visitando parentes e amigos. Dizia na ocasião residir em algum recanto remoto do Brasil central. Ao ingressar no bando de Lampião, Massilon, oriundo do Rio Grande do Norte, já teria 26 ou 29 mortes nas costas por ter sido pistoleiro de aluguel. Foi um dos idealizadores do frustrado ataque à cidade de Mossoró (**).
Embora instigante e curiosa, a historia de vida do cangaceiro é bem mais singela. No livro mencionado, resultado de criteriosas pesquisas bibliográficas, documentais, entrevistas e intensas visitas aos locais onde o cangaceiro viveu e atuou, Honório de Medeiros chegou a conclusões muito diversas e elencou, com base nos fatos, tudo que está comprovado a respeito dele. Concluiu que a vida bandida de Massilon, embora vertiginosa, durou apenas quatro anos e que todas as mortes que lhe atribuíam não ocorreram, inclusive por falta de tempo, embora tenha cometido inúmeros homicídios, assaltos a vilas, fazendas e sítios, tudo comprovado. Em 1927, Massilon ataca Apodi, Gavião e Itaú, todas no Rio Grande do Norte, Estado onde não havia cangaço. Foi bem sucedido e o sucesso serviu de estímulo para novas ações. 
Nesse mesmo ano é apresentado a Lampião, que não o conhecia, e têm início as sugestões para o saque de Mossoró, a segunda cidade do Estado e a mais rica do interior. Lampião reluta. Tinha por norma só invadir cidades com uma só torre de igreja apontando para o céu e Mossoró tinha quatro. Mas acabou cedendo e o bando atacou a cidade. Mas a população, indignada, pegou em armas e se defendeu com unhas e dentes. Fracassada a tentativa, com o orgulho ferido e o rabo entre as pernas, Lampião e sua cabroeira se retiraram para Pernambuco. Na luta morreu o cangaceiro Colchete e Jararaca, ferido e preso, foi executado, havendo notícia de que teria sido sepultado vivo. Massilon se despede de Lampião e ruma para o Maranhão. Em março de 1928, no Sítio Granjeiro, interior do município de Caxias, Massilon morre em consequência de um “sucesso.” Brincava com um amigo negro chamado Vicente, que dizia ter o corpo fechado, e foi baleado de maneira mortal. Tinha presumíveis 30 anos de idade (1898/1928). Media cerca de 1,60m de altura e raríssimas são suas fotos. O autor reproduz apenas uma em que ele posa só, de fuzil em punho, e a célebre fotografia do bando de Lampião, em Limoeiro, onde Massilon aparece. 
Na foto individual ele está com um dos joelhos no chão, segurando a arma longa, e usa o chapéu de couro típico dos cangaceiros, embora sem abas muito largas e enfeites. Tem o rosto redondo, algo “bolachudo”. Nem de longe parece o sanguinário que foi.
O livro aborda inúmeros outros aspectos, inclusive analisando o fenômeno do cangaço, e contém um delicioso conjunto de crônicas relatando as viagens do autor na incansável busca pelo misterioso Massilon.
Fonte http://www.riototal.com.br/ - CooJornal nº 856
Enéas Athanázio,
escritor catarinense, cidadão honorário do Piauí
e.atha@terra.com.br
Balneário Camboriú - SC
Gentileza da Postagem Facebook : Sálvio Siqueira

E de 25 a 28 de Julho
Cariri Cangaço Piranhas


Nenhum comentário: