Lampião em Caririaçu Por:Marcos Borges


Caririaçu no Ceará

Fiquei feliz com esse convite e também esse desafio do Editor da Tribuna da Serra, o jovem Isac Silva, já que sou apenas um simples e leigo pesquisador do assunto Cangaço bem como da historia e acontecimentos do Nordeste e seus personagens, quero aqui deixar exposto que estou sempre às ordens para contribuir com assuntos que venham a enriquecer o conhecimento daqueles que se interessam por nossa historia. Sem mais delongas, vamos aos fatos.

Para entender melhor essa rápida passagem do bando de Lampião por Caririaçu, mais precisamente pela Serra do Góes, tem que retroceder um pouco na historia para que ate mesmo os mais leigos no assunto possam absolver com mais clareza e facilidade esse fato inusitado acontecido nesta terra de São Pedro.

Virgulino Ferreira da Silva terceiro filho do casal José Ferreira e Maria Lopes, pequenos proprietários na ribeira do Riacho São Domingos, antiga Vila Bela atual Serra Talhada, foi o maior bandido em atividade do nosso País e há quem diga da América Latina entre as décadas de vinte e trinta, basta apenas frisar que o mesmo tinha em seu encalço os contingentes Policias de sete Estados da Federação que não mediam esforço para agarra-lo vivo ou morto, no entanto ele resistia a tudo e a todos, em uma mistura de coragem que muitas vezes atingia as raias da loucura.
Inteligência, frieza, fúria, desapego à vida e astucia de sobra.

Município de Caririaçu, região do cariri cearense

Durante toda sua vida na criminalidade tinha outro fator que o destacava dos outros, o rei vesgo do cangaço, o mesmo era vaidoso, foi tema de livros ainda em vida, foi filmado em seu habitat natural pelo Sírio-Libanês Benjamin Abrahão Botto. Teve seu apogeu no ano de 1926, quando teve sua “promoção a Capitão do Batalhão Patriota” para combater a Coluna Prestes; a coluna Prestes foi um movimento entre os anos de 1925 e 1927, encabeçados por líderes tenentistas. Pois bem, saindo da Meca Nordestina com o que havia de mais moderno em armas e munição, teve condições para duplicar o seu poder de fogo e aumentar com isso seu contingente de facínoras para mais de uma centena de asseclas a seu comando. 

Lampião dificilmente realizava ataques no Ceará, especialmente no Cariri, pois, segundo o próprio cangaceiro, não tinha inimigos no estado e respeitava a região por ser a terra de Padre Cícero, de quem era devoto. Se por um lado não tinha inimigos cearenses, por outro sobravam "coiteiros", como eram designados aqueles que davam abrigo e proteção aos cangaceiros. O principal "coiteiro" de Lampião no Cariri era o Coronel Isaías Arruda, do Município de Missão Velha e Aurora. Influenciado por esse poderoso chefe político, Lampião parte de Aurora para seu mais ousado e fracassado plano: assaltar a Cidade de Mossoró no Rio Grande do Norte, a segunda maior do Estado e uma das maiores do nordeste.

Parte do bando de Lampião que atacou Mossoró

Em 13 de junho de 1927, os cangaceiros invadiram Mossoró, mas foram recebidos a bala, e após cerca de quarenta minutos de intenso combate, bateram em retirada rumo a Limoeiro do Norte no Ceará. Fortalecida após a vitória, a Polícia potiguar, com apoio das Polícias da Paraíba e do Ceará, partiu no encalço do bando. Acuado, o bando rumou para o Cariri. Houve confrontos nas localidades de Riacho do Sangue (Jaguaretama), Cacimbas (Icó), Ribeiro e Ipueiras (os últimos em Aurora). 

O bando seguiu para a Serra do Góes (Caririaçu, no Ceará), nessa viagem as pressas o chefe maior do cangaço pára na Fazenda Góes do Coronel Antônio Pinheiro Bezerra de Menezes. Basta imaginar que tal noticia deixou os moradores da pacata Vila de São Pedro em pavorosa. Pois bem, a Vila se preparou para receber a incomoda visita, com trincheiras nos becos e nas entradas de ruas, com fardos de algodão e sacos de areia, tendo a frente alguns valentes experientes em enfrentar cangaceiros, como João Gago, que já trocara tiros com o grupo de Lampião na Paraíba, Janjão de Ouro, homem de confiança de Maria Leal em são Matheus, atual Jucás, Antônio Delfino e Jose Neco, conhecido por Casa Velha. Tendo então o grande chefe de bando informações de que a vila o esperava desta forma, tira no rumo de Aurora evitando um confronto já que não lhe era vantajoso devido a tanta perseguição.

Após um período de alguns dias esperando a malta do mal e perdendo a paciência, seguem os chefes dos sitiados e mais alguns homens dispostos ao encontro do bando e se deslocam ate a Serra do Góes tendo por parte do vaqueiro do coronel acima referido a alegre noticia de que o bando já tomara outro rumo e que a terra de São Pedro estava fora de perigo, com essa noticia volta à paz e a tranquilidade a reinar nessa terra abençoada por Deus e protegida por nosso padroeiro São Pedro.

Cangaceiro Jararaca, preso em Mossoró

Queria, no entanto abri aqui um paragrafo para um assunto que descobri há algum tempo e que ainda não notei ninguém dar alguma atenção e valor ao fato que narrarei logo em seguida. Como um pesquisador vive da historia e dos fatos nela encontrados e também como um assunto puxa outro, registro aqui nessas simples linhas um fato interessante e desconhecido. Nesse malsinado ataque a Mossoró o rei do cangaço perdeu dois de seus homens de maior e inteira confiança, Colchete ferido mortalmente no inicio da luta e Jararaca que foi ferido e capturado, depois de alguns dias foi enterrado vivo por ordem das autoridades locais. Chamava-se Jose Leite de Santana natural de Buíque Pernambuco, homem de inteira confiança de Lampião. Após o ingresso desse bandido de alta periculosidade ao bando de Lampião sua família passou a ser perseguida diariamente.

Chegou ao ponto de seu avo o velho Zuza como era mais conhecido ter sido ameaçado de ter seu cavanhaque arrancado pelo por pelo, seu tio por nome de Francelino, não suportando mais tanta perseguição por parte da policia junta a família e os poucos pertence que possuía em lombo de burros e se larga no oco do mundo indo para onde o destino lhe chamava. Quando o dia ia dando seus primeiros raios de Sol o tio de Jararaca já estava longe, chegando a terra do Padre Cicero, consegue uma audiência com o Santo do Nordeste e conta sua situação, é aconselhado a seguir com toda família para residir e trabalhar na Serra de São Pedro hoje Caririaçu, aqui ficando por muitos anos. Segundo alguns pesquisadores, quando os mais velhos foram morrendo os filhos e netos foram morar em Juazeiro onde ainda hoje possuem alguns remanescentes morando na ladeira do horto. A história é, antes de tudo, um divertimento: o historiador sempre escreveu por prazer e para dar prazer aos outros. Mas também é verdade que a história sempre desempenhou uma função ideológica, que foi variando ao longo dos tempos.

Marcos Borges
Caririaçu, Ceará

Um comentário:

Destaque VM disse...

Marcos Borges, estaremos indo gravar uma edição do programa #Partiu da Tv Verdes Mares em Caririaçu. Gostaria de gravar com você falando da relação Caririaçu e o cangaço... meu e-mail: amenhotepr@hotmail.com