Moreno e Durvinha, os Últimos Cangaceiros estreia hoje em Fortaleza


Durante muitas décadas, não se falava sobre Lampião nem de brincadeira em uma fazenda do interior de Minas Gerais. Lá, o casal José Antônio Souza e Jovina Maria da Conceição seguia uma vida pacata, distante de qualquer referência ao mundo do cangaço. O estilo de vida dos pais - sem família e com um passado de lacunas - começou a gerar muitas perguntas dos filhos. A explicação parecia frágil: a de que os parentes haviam todos morrido nas grandes secas do Nordeste.

Mas quando José Antônio completou 95 anos, achou que era hora de, enfim, contar a própria história. O casal pacato era, na verdade, Moreno e Durvinha, dois cangaceiros sobreviventes do bando de Lampião. Com a revelação, os filhos foram descobrindo profundas marcas do cangaço nos pais: das marcas deixadas na pele de Durvinha por uma bala expelida a faca até a afamada valentia de Moreno, homem dos trabalhos pesados de Lampião.

A história do casal, que fugiu travestido de romeiro e mudou de identidade para escapar das forças volantes, é contada no documentário "Os Últimos Cangaceiros", que estreia nesta quinta-feira (28), no Cinema do Dragão do Mar. Por meio dos depoimentos de Moreno e Durvinha, de imagens de arquivo e das gravações feitas pelo cineasta Benjamin Abrahão na década de 1930, o filme mostra a vida no cangaço por um viés diferente. "Os Últimos Cangaceiros" ilumina detalhes do bando de Lampião para revelar sua arqueologia - com modos de vida, cultura, cotidiano e vestígios históricos.

Com trilha sonora de DJ Dolores, o filme é embalado por ritmos nordestinos, com a sobreposição da sanfona sobre melodias eruditas. É também pelo uso das imagens de arquivo que o filme chama atenção. As imagens feitas por Benjamin Abrahão, o único a filmar o Cangaço na época de atuação do grupo, ganham cores em um trabalho realizado frame a frame para o documentário de Wolney Oliveira, o que provoca realismo maior ao espectador.

Durvinha em foto de Benjamim Abrahão

Além disso, "Os Últimos Cangaceiros" se desdobra na tela como um filme de encontros. O documentário acompanha a busca de Moreno e Durvinha por seus familiares e os encontros com as pessoas com as quais cruzaram ao longo da vida em bando. Embora o filme revele que os últimos cangaceiros do bando de Lampião foram recebidos socialmente como heróis após revelarem suas identidades, ele não esconde o lado obscuro do Cangaço.

Uma coisa é certa: o longa é capaz de mostrar aspectos do bando de Lampião que seguem distantes das inúmeras ficções sobre o tema e da História oficial. Realizado com uma equipe integralmente cearense ao longo de cinco anos, o documentário tem 180 horas de filmagens editadas em 79 minutos. O projeto, iniciado para ser uma ficção sobre Lampião, se tornou um documentário sobre um casal de cangaceiros que ilumina também sutilezas do grupo - das vaidades dos integrantes ao cheiro de perfume que eles deixavam por onde passavam. A ideia de uma ficção futura, porém, ainda não foi abandonada pelo diretor.

Neli Conceição, filha do casal Moreno e Durvinha

"Os Últimos Cangaceiros" é fruto do interesse pelo Cangaço nutrido pelo diretor Wolney Oliveira desde os tempos em que o pai dele, cineasta Eusélio Oliveira, o levava para filmar as romarias de Juazeiro do Norte. "Em uma das viagens, meu pai me deu de presente o livro 'Milagre em Juazeiro', fiz até meu primeiro longa sobre isso. Pela primeira vez, me deparei profundamente com a figura fantástica e polêmica do Lampião. Depois meu pai me deu outro livro, chamado 'Memórias do Cangaço'. Essa história sempre ficou remoendo em mim", conta.

Quando conheceu a filha de Maria Bonita e Lampião, Vera Ferreira, em um festival de cinema, Wolney a convidou para apresentar, no Cine Ceará, trechos filmados por Benjamin Abraão. As conversas com Vera na época serviram de estímulo para que ele iniciasse o projeto de uma ficção sobre o líder do Cangaço. "Começamos a filmar o longa 'Lampião, governador do sertão'. O nome é resultado de uma carta que ele fez pro Governo de Pernambuco, propondo divisão dos territórios a serem governados pelos dois. Ele assinou dessa forma, daí veio o nome inicial", explica Wolney.

Wolney Oliveira

Durante as filmagens, a equipe descobriu que Moreno e Durvinha estavam vivos. Diante da novidade e do alto custo para realizar uma ficção de época, Wolney decidiu transformar seu filme em um documentário. "Eu pensei: Estou fazendo um filme sobre Lampião, que já está morto. Achei então que o filme não era mais sobre Lampião, mas sobre Durvinha e Moreno, que ainda estavam vivos", diz.

O filme foi finalizado em 2011 com um material importante para a memória do Cangaço. Exibido em 50 festivais nacionais e internacionais, contabiliza, até agora, oito prêmios. Quatro anos após a sua finalização, "Os Últimos Cangaceiros" enfim chega às salas de cinema de Fortaleza. Questionado sobre a demora para colocar o longa em circuito, Wolney Oliveira afirma que o grande nó ainda do cinema brasileiro é a distribuição.

"Eu me dou por feliz porque meu filme vai ser lançado nacionalmente, por um apoio da Secult ainda na gestão do ex-secretário Paulo Mamede. A Coelce é que vai bancar o lançamento por meio do edital Mecenato. Não havia sensibilidade do Poder Público para o audiovisual, embora hoje o Ceará seja um dos mais importantes produtores do Brasil. Eu acredito muito na palavra do governador Camilo, que criou um comitê da cultura e assumiu o compromisso de colocar 1,5% do orçamento para o setor", declara.

Mais informações:
"Os Últimos Cangaceiros" entra em cartaz a partir de 28 de maio de 2015. Haverá sessão especial em Fortaleza no dia 28 de maio, às 19h30, no Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco, seguida de debate com o diretor.

Jornal Diário do Nordeste
Beatriz Jucá

Repórter


Um comentário:

ivo marcelo de sousa cruz disse...

O filme estará em cartaz em Teresina-PI? Quando?