2018 já chegou: Cariri Cangaço São José de Belmonte e a Pedra do Reino

Cariri Cangaço chega a São José de Belmonte

O último sábado de novembro; dia 25, marcaria o inicio do ano 2018 para os empreendimento com a marca Cariri Cangaço, explico: Na manha deste ultimo sábado aconteceu nas dependências do surpreendente e majestoso "Castelo Armorial" no centro da cidade pernambucana de São José de Belmonte, a primeira reunião de trabalho para a realização do Cariri Cangaço São José do Belmonte em 2018.

O Curador do Cariri Cangaço estava acompanhado dos conselheiros, Manoel Serafim de Floresta, Sousa Neto da cidade de Barro, Professor Pereira de Cajazeiras e Louro Teles de Calumbi, além dos pesquisadores Luiz Ferraz Filho, Cícero Aguiar e o presidente do IHGP - Instituto Histórico e Geográfico do Pajeú; Augusto Martins, além de Socorro Martins e Ingrid Rebouças. O grupo foi recebido pelo pesquisador e escritor, Valdir José Nogueira, pelo proprietário do Castelo Armorial, Clécio Novaes, por Clênio Novaes, Edízio Carvalho e Cícero Moraes.


 Valdir José Nogueira anfitrião do Cariri Cangaço em São José de Belmonte
  Recepção de Luxo no Castelo Armorial por Clécio Novaes

"É realmente uma grande honra estarmos hoje nesta manhã de sábado, 25 de novembro, realizando um sonho antigo, trazer o Cariri Cangaço para São José de Belmonte, sem dúvidas agradecemos ao curador do Cariri Cangaço, nosso amigo Severo e todos os que fazem a família Cariri Cangaço, tenham certeza que iremos realizar um evento marcante e inesquecível!" Ressalta Valdir José Nogueira.

Para Manoel Severo, "hoje estamos sem dúvidas dando o primeiro passo na consolidação de um antigo desejo do Cariri Cangaço, que era chegar a emblemática e mistica São José de Belmonte, a terra da Pedra do Reino e cenário eletrizante dos embates dos Pereira contra os Carvalho... Acho que palavras serão desnecessárias, agora é, como sempre; trabalhar, trabalhar e trabalhar muito. A hospitalidade do povo de São José do Belmonte já sentimos desde hoje com essa recepção de luxo, então que venha o Cariri Cangaço São José de Belmonte 2018".


 Clênio Novaes e Manoel Severo
 Valdir Nogueira, Sousa Neto, Professor Pereira e Manoel Serafim
 Primeira reunião de trabalho para o Cariri Cangaço São José de Belmonte 2018

O encontro e a reunião de trabalho aconteceu nos salões do Castelo Armorial, propriedade de Clécio Novaes, tendo prosseguimento em um almoço na chácara de Clênio Novaes. Nos dois momentos foram tratados os prenúncios do grande Cariri Cangaço São José de Belmonte; período, temáticas, infraestrutura, programação artística, visitas de campo, enfim, todos os pontos que prometem proporcionar a todos os vistantes e também às famílias de Belmonte, um evento simplesmente único e inesquecível. No encontro o Conselho do Cariri Cangaço empossou o pesquisador e escritor Valdir José Nogueira como Presidente da Comissão Organizadora Local do evento, que conta ainda com a participação da Associação Cultural Pedra do Reino, dos irmãos; Clênio e Clécio Novaes, de Cícero Moraes, de Edízio Carvalho, além de Denis Carvalho, que por motivo de força maior não pôde comparecer à reunião; dentre outros companheiros.


 Professor Pereira, Manoel Serafim, Valdir Nogueira, Sousa Neto, 
Louro Teles e Cicero Moraes 
Socorro e Augusto Martins, Luiz Ferraz Filho e Cícero Aguiar
Louro Teles, Clécio Novaes e Cícero Moraes


"Depois de um lucido e maravilhoso debate, encontramos e definimos a data para o Cariri Cangaço São José de Belmonte, sera dos dias 11 a 14 de outubro de 2018, data essa de consenso entre a Associação Cultural Pedra do Reino, o Cariri Cangaço e os demais participantes do encontro, temos certeza que sera um marco para toda essa região" acentua Valdir José Nogueira, presidente da Comissão Organizadora Local em São José de Belmonte e continua Valdir: "A acolhedora cidade sertaneja de São José do Belmonte, Terra da Pedra do Reino, começou a testemunhar na manhã deste último sábado, dia 25 de novembro a consolidação de uma das mais esperadas agendas Cariri Cangaço para o ano de 2018."

Louro Teles, Manoel Serafim, Augusto Martins, Manoel Severo, Valdir Nogueira, Sousa Neto, Cícero Aguiar, Edizio Carvalho, Clênio Novaes, professor Pereira e Luiz Ferraz Filho
 Família Cariri Cangaço em Belmonte...
Augusto Martins, Manoel Severo e Valdir Nogueira

"O Conselho Alcino Alves Costa já está inteiramente à disposição da Comissão Local para o que precisarem, tanto eu, como o Professor Pereira, como o Serafim e o Louro Teles, além de outros companheiros do Conselho, como o amigo Jorge Remígio, Dr Leandro Cardoso, estaremos ao lado da Comissão na construção desse grande evento" revela o Conselheiro Cariri Cangaço, pesquisador e escritor de Barro, Sousa Neto.

Clênio Novaes, um dos organizadores do Cariri Cangaço São José de Belmonte em 2018, confirma: "As temáticas serão: - Ariano Suassuna e a Pedra do Reino  e a Saga Carvalhos e Pereiras; estaremos todos comprometidos em fazer um grande evento, será uma honra para todos nós. " Já Clécio Novaes, proprietário do surpreendendo Castelo Armorial: "Podem contar conosco e com o Castelo Armorial para o que for preciso, São José do Belmonte viverá um momento ainda mais rico de cultura e tradição com a chegada do Cariri Cangaço".



"O local onde hoje se situa São José do Belmonte, era uma fazenda de criação denominada “Maniçoba”, por causa dessas árvores, muito abundantes na região. Esta pertencente a José Pires Ribeiro. Em meados de 1856, surgiu na região uma doença que se alastrou por grande parte do sertão, ceifando vidas. Era denominada de Cólera Morbus. José Pires, muito católico, prometeu fervorosamente a São José que caso a fazenda Manissobal, que era a sua propriedade, não fosse atingida, ele ergueria uma capela tomando como patrono São José, e este fato aconteceu.No ano seguinte, com a ajuda de Frei Cassimiro de Mitello, erigiu a igreja, dando início ao povoamento.Na ocasião o frei Cassimiro de Mitello mudou a denominação de “Maniçoba” para Belmonte, isto devido a topografia da povoação, situada em uma elevação"





"A região que engloba a cidade de São José do Belmonte-PE é uma das mais ricas no tocante às ocorrências que envolveram o fenômeno Cangaço. E ainda, um dos mais importantes eventos para historiografia do Brasil, que foi a concentração de fanáticos na Pedra do Reino no ano de 1838. Pernambuco despertou para importância dos eventos desse seminário Cariri Cangaço. Tenho certeza que será um dos maiores desde a sua criação em 2009. Estou em contagem regressiva" fala o Conselheiro Cariri Cangaço Jorge Remígio.

"Pedra do Reino e Casarão do coronel Luiz Gonzaga, seria ele, "aquelas cinzas" que Sinhô Pereira mandou Virgolino apagar? A questão com Maroto foi mesmo uma das motivações para o homicídio? Afinal quem o matou? Livino ou Maroto? Lampião nesse momento, já era o chefe do bando, ou ainda, estava sob comando de Pereira? E a Pedra do Reino ficção ou realidade?O certo é que tudo se encontra lá, desde o casarão até os monumentos da Pedra do Reino, passando pela misteriosa e importantíssima Lagoa do Vieira, em que ocorreu o fogo com a volante de Theophanes Ferraz, e ensejou na lesão no pé de Lampião e sua aproximação com Sabino Gomes e Marcolino Diniz, que venha o Cariri Cangaço São José do Belmonte" provoca o pesquisador Geziel Moura.


 Recepção com almoço na chácara de Clênio Novaes
 Valdir Nogueira e os "senões" da morte de Padre Pereira...

"Estamos hoje, neste primeiro momento, elencando as principais providencias e entendimentos para a consolidação do evento; principalmente com  a presença de Severo. A Comissão Local com o Valdir, Denis, Clênio, Clécio, Edizio, Cicero, enfim, vão construindo a agenda de visitas, conferencias e debates, passo a passo vamos formatando e possibilitando ao Brasil mais um Cariri Cangaço fantástico" revela o Conselheiro Cariri Cangaço, Professor Pereira.

"Obrigado mestre Severo, hoje tive uma aula de Cultura e dos eventos históricos do sertão. Agradeço a gentileza em participar da reunião para a realização desse grande Cariri Cangaço. Que bom que o Cariri Cangaço aconteça em Belmonte, mais que merecido." Confessa o pesquisador, filho de São José de Belmonte, Cícero Aguiar.


Valdir Nogueira, Luiz Ferraz e Sousa Neto: Pacto para novo Livro


"Um dos momentos mais que importantes dessa nossa visita foi o pacto; ou seja; o compromisso assumido pelos pesquisadores Valdir Nogueira, Sousa Neto e Luiz Ferraz Filho, em escrever uma obra que possa nos ajudar a elucidar os muitos mistérios que envolvem a presença forte do cangaço na região de Belmonte; Pereiras, Carvalhos, morte de Gonzaga, enfim...Sensacional." Diz Manoel Severo


Louro Teles, Luiz Ferraz, Clênio Novaes, Sousa Neto, Prof. Pereira, Cicero Aguiar, Manoel Serafim, Augusto e Socorro Martins, Valdir Nogueira e Manoel Severo
Manoel Severo, Valdir Nogueira, Luiz Ferraz Filho, Sousa Neto, Clécio Novaes
Valdir Nogueira e Ingrid Rebouças
Conselheiros Cariri Cangaço, Manoel Serafim e Sousa Neto

"A conversa foi tao boa que o tempo passou rápido demais, e nós que agradecemos Mestre Severo a grande oportunidade de participar da construção desse evento mais que importante, que já é sucesso absoluto" ressalta o pesquisador e um dos mais importantes genealogistas do Pajeú, Luiz Ferraz Filho.

Cícero Aguiar e Edizio Carvalho
Augusto Martins, Sousa Neto, Professor Pereira e Louro Teles

Clênio Novaes, Manoel Severo, Manoel Serafim, Sousa Neto e Edizio Carvalho

Cariri Cangaço São José do Belmonte
1ª Visita de Trabalho - Castelo Armorial
25 de Novembro de 2017, São José de Belmonte-PE

Um comentário:

Francisco de Assis Alves dos Santos disse...

Este marcará demais. Estive na cidade por ocasião da cavalgada, conheci de perto o castelo, estive com o filho de Ariano Suassuna, o Dantas, com a esposa do Ariana, e fiz o romance em Cordel do Reino encantado, algo totalmente novo, inédito. Lançaremos se Deus quiser por ocasião do Cariri Cangaço na cidade.Abraços e rumemos. Ao idealizador do Castelo, Cléssio, Sucesso.