Homenagem ao soldado Adrião Parte I - Por Paulo Brito

..
Esta homenagem, abaixo, está contida no livro “Como Dei Cabo de Lampião” de autoria do, há época, Capitão João Bezerra da Silva, intitulada como “Homenagem Póstuma do Autor”, logo no início da 1ª Edição do livro, em 1940 e mantida nas duas outras edições.


O soldado Adrião Pedro de Souza, componente da volante do Aspirante Francisco Ferreira de Melo, veio a ser morto, infelizmente, logo no início do combate de Angico. Com a subdivisão da tropa comandada pelo Tenente João Bezerra, para a execução do cerco ao acampamento de Lampião, o grupo liderado pelo Aspirante Ferreira, foi quem primeiro teve contato com os cangaceiros, ao ponto de se verem forçados a dar início a ofensiva. Cessado o combate, constatou-se a morte do soldado Adrião, ferimento no braço do soldado Guilherme Francisco da Silva e ferimento transfixiante na mão e na coxa, com a bala se alojando no quadril do comandante da volante. Em seu livro, o comandante faz o seguinte comentário: “Sofrendo então muitas dores, baleado como estava na perna e na mão, perdendo muito sangue, cansado e sem dormir há mais de 24 horas, via-me em dificuldades para resolver vários problemas que necessitavam ser resolvidos com a máxima urgência.



Foi um momento de agonia aquele! Estávamos num local de difícil acesso à margem do rio São Francisco. Tudo se apresentava com inumeráveis dificuldades. Teríamos de remover enormes obstáculos para nos transportar carregando um soldado morto e outro ferido, e ainda, para maior desgraça, eu não podia andar, tendo de ser carregado pelos meus valentes companheiros. Troquei idéias com o aspirante Ferreira de Melo, assentando que o soldado morto de qualquer maneira não ficaria ali. Mesmo que isto nos custasse os maiores sacrifícios, ele seria transportado para receber as honras da sua dignidade de combatente viril tombado heroicamente na defesa da ordem jurídica, no cumprimento sagrado do dever militar.” Daí, segue-se uma série de procedimentos e de ações paralelas, em decorrência da dimensão do feito e euforia por parte de todo o contingente humano das mais diferentes áreas, sem se negligenciar os procedimentos devidos ao bravo militar morto, conforme citações abaixo:
 
BOLETIM DO II BATALHÃO, Nº 175, DE 30 DE JULHO DE 1938, III ITEM:

“EXCLUSÃO POR FALECIMENTO – Exclúo do estado efetivo dêste Btl. e 4ª Companhia, por falecimento, o soldado nº 665, Adrião Pedro de Souza, por ter quando em combate junto às forças volantes que extinguiram o celebre rei do cangaço o famigerado “Lampeão”, e mais dez comparsas, sido atingido pelas balas mortais dos facínoras bandoleiros, deixando gravado nos corações de todos os seus companheiros o inédito exemplo de heroísmo, de amôr ao trabalho, perdendo a vida pela paz do sertão e engrandecimento de sua corporação, que tão sobejamente deixou gravada a sua recordação. “

 Aspirante Ferreira de Melo

DO DIÁRIO OFICIAL Nº 7.443, de 04 de Agosto de 1938:

“I - ÁTO DO INTERVENTOR FEDERAL – O INTERVENTOR FEDERAL NO ESTADO, por átos de ontem, promoveu, por ato de bravura e na fórma regulamentar, ao posto de 3º sargento o soldado do Regimento Policial Militar Adrião Pedro de Souza, morto na manhã do 28 de julho próximo findo, em combate contra o banditismo; ...”.

CONTINUAÇÃO DO BOLETIM REGIMENTAL Nº 179, DE 12 DE AGOSTO DE 1938: “Não se enganou, portanto, o Exmº. Snr. Interventor Osman Loureiro, nem tão pouco êste comando. A perseguição se iniciou de fórma tenaz e vigorosa, e não tardou a raiar a manhã do 28 de julho, onde um punhado de 45 bravos comandados pelos Capitão João Bezerra da Silva, 1º Tenente Francisco Ferreira de Melo e Aspirante a oficial Aniceto Rodrigues dos Santos, numa arrancada de heróis, atacaram de surpreza, na fazenda “Angicos”, município de Pôrto da Fôlha, no Estado de Sergipe, o grupo do famigerado “Lampeão”, composto de nada menos de 58 bandidos e com êles numa luta tremenda conseguiram abater onze sicários, inclusive o REI DO CANGAÇO, pondo os demais em debandada, sem que tive ssem tempo, os restantes, de conduzir do campo de luta os seus petrechos e material de guerra que abandonaram.

Paulo Britto e esposa, Ane Ranzan

Infelizmente, não há vitoria sem luto e este luto é devéras lamentavel, por que na refrega perdemos um bravo, o soldado Adrião Pedro de Souza, que, por isso, foi promovido, por áto de bravura e na fórma regulamentar, ao posto de terceiro sargento; - para êle imorredouras saudades e um minuto de silencio, em sua memoria, pelos bélos exemplos que nos legou e que servirão de lição aos que aqui militam e aos que nos sucederem. O Capitão Bezerra, comandante geral da tropa recebeu um ferimento, assim como o soldado Guilherme Francisco da Silva, e por pouco, aquêle não ficou no campo da luta, estando ambos sob os cuidados médicos...

Congratulando-me convosco e, muito especialmente com louvôr, com os que tomaram parte na encarniçada luta acima relatada, mando que, nos livros do assentamentos de cada um, se façam constar os elogios a que fizeram jus, ao mêsmo tempo que os concito a prosseguirem, com fé, na luta ingente de libertar, quanto antes, o sertão de Alagôas da hórda remanescente de bandidos que ainda o infesta, convictos de que dias melhores nos esperam e de que a história Militar da Polícia de Alagôas será enriquecida com mais esse serviço à Sociedade Alagoana e, consequentemente, ao Brasil.

Camaradas! Para a frente, por que a vitória é nossa. Slve Alagôas!
Salve a Patria redimida! SALVE!”

Continua...

Paulo Britto
.

8 comentários:

Helio disse...

Espetacular estar revendo o senhor Paulo Britto, um gentliman de marca maior. Grande abraço doutor Paulo e esperamos que o senhor possa nos dá o prazer de vir ao Juazeiro de meu padim, nesse cariri cangaço.

Professor Mario Helio

Anônimo disse...

Adrião tinha o nome em algum monumento em angicos, onde morreu lampião?

Rosa de Saron

Lima Verde disse...

Dr Paulo Britto, receba meus parabens pelo belo artigo,

Fernando Cesar Lima Verde

José Mendes Pereira disse...

Parabéns ao Dr. Paulo Brito pelo excelente artigo.

José Mendes Pereira - Mossoró-Rn

ADERBAL NOGUEIRA disse...

Amigo Paulo, o amigo tem papel importante como guardião das histórias do cangaço. O amigo, sendo filho do LENDÁRIO Ten. João Bezerra, tem mais é que lutar pela memória dessa história tão brutal que foi o cangaço.
Um abraço e espero nos encontrarmos em breve.

Aderbal Nogueira
Doa a quem doer. Justa homenagem a Adrião.

IVANILDO SILVEIRA disse...

AMIGO PAULO BRITO,

PARABENIZO-O PELO EXCELENTE ARTIGO, ACIMA POSTADO, O QUAL FAZ O RESGATE PARA A HISTÓRIA, DAS INFORMAÇÕES ALUSIVAS Á ATUAÇÃO/MORTE DO VALENTE SOLDADO ADRIÃO, BEM COMO A HOMENAGEM FEITA PELO BRAVO CORONEL JOÃO BEZERRA, AOS PARTICIPANTES E MORTOS DA BATALHA DA ANGICOS.
QUERO REGISTRAR, A FORMA ÉTICA COM QUE O AMIGO "PAULO BRITO" SE PORTA E ENFOCA OS TEMAS RELACIONADOS AO CANGAÇO, DEFENDENDO SEUS PONTOS DE VISTA, DE FORMA FUNDAMENTADA, E SEM ARRODEIOS....SEMPRE VAI NO CERNE DA QUESTÃO..
AS MEMÓRIAS E LUTA DO CORONEL JOÃO BEZERRA IN " COMO DEI CABO DE LAMPIÃO ", PRECISAM SER REESCRITAS PELO AMIGO, EM FACE DE "FATOS NOVOS E INFORMAÇÕES" QUE SURGIRAM APÓS A PUBLICAÇÃO DAS MESMAS.

UM ABRAÇO E PARABÉNS AMIGÃO.

IVANILDO ALVES SILVEIRA
Colecionador do cangaço
NATAL - RB

Anônimo disse...

Ao Dr Paulo Brito nosso agradecimento por justa e merecida homenagem aos combatentes da Grota de Angicos e especialmente para aqueles que tombaram no cumprimento do dever para com a lei e a ordem. Nossas imorredouras homenagens e respeito. Parabens pelo trabalho apresentado. Alfredo Bonessi - GECC - SBEC

eliane simões disse...

Olá Paulo:

Com prazer li seus escritos e vi fotos de sua bela família.
Parabéns pela elegancia dos escritos.
Eliane Simões
Garanhuns-PE