Manoel Benício Por:Narciso Dias


Manoel Benício da Silva, nascido em 17 de novembro de 1884 na cidade de Santa Luzia do Sabugi na Paraíba, Tenente-Coronel da reserva (falecido). Ingressou na Polícia Militar da Paraíba, logo como Aspensada em 1908 (antigo posto entre o soldado e o Cabo), o presidente do estado era o Dr. João Machado. Foi Delegado em quase todas as cidades do interior do Estado e desde o posto de Sargento comandou o banditismo no sertão do Estado. Sempre falou com euforia de suas constantes lutas contra os cangaceiros, que infestavam a Paraíba e o Nordeste na época de sua mocidade, e cada episódio é um motivo de glória pela sua tenacidade e coragem; porém não se sentiu realizado, apenas por não ter completado o rosário de 100 orelhas de bandoleiros. Com Lampião teve dezoito combates e em um deles chegou a brigar duas vezes no mesmo dia, foi na cidade de Princesa Isabel-PB, onde o Rei do cangaço perdeu dois de seus cabras: Jararaca e Coruja, sendo que esse Jararaca foi o primeiro integrante do bando e não o José Leite de Santana que morreu em Mossoró-RN.

Narciso Dias, Manoel Severo e Capitão Marins 

O Tenente-Coronel Manoel Benício alcançou quase todos os degraus hierárquicos da Polícia Militar sem possuir nenhum curso de especialização exigido para o oficialato de hoje; subia de posto pela sua inédita coragem pessoal. Em 1912 o então Sargento Benício à frente de 22 comandados encontrou um grupo de cangaceiros do Dr. Augusto Santa Cruz no município de São João do Cariri-PB, tal fato se deu por ele ter perdido a trilha no meio do mato. Usando de sua astúcia ao encontrar os cangaceiros foi logo dizendo: “Somos seus companheiros é que perdemos a trilha!” Enquanto isso o Cabo Damião avançava com onze homens fingindo ser do mesmo bando, em meio a conversa apareceu um negro forte que desconfiou da atitude do Sargento, gritou: São “macacos” e não amigos, ameaçando-o com um fuzil, então fez com que Benício tomasse uma atitude decisiva quando falou com serenidade, porém pronto para tudo: ”Sou o Sargento Benício, da força do tenente Raimundo Rangel”. E juntando a ação à palavra fulminou com um tiro o atrevido cangaceiro dando início a um intenso tiroteio, conseguindo sair ileso devido à debandada dos cangaceiros. Manoel Benício quando já estava com idade avançada e sofrendo a sexta intervenção cirúrgica mantendo o bom humor disse ao médico que o assistia: “Pode cortar doutor, pois todo tipo de operação eu já fiz sem nunca ter sido médico”.Numa apreciação mais rigorosa, em qualquer tempo se poderá verificar que naquela época do trabuco não havia muita diferença entre cangaceiros e policiais, não somente no modo rústico de guerrear, mas porque tanto uns como outros pouco sabiam o significado da palavra “crime”. Manoel Benício ganha posição de destaque entre os bravos militares combatentes do cangaceirismo na Paraíba. Esse estado de tranqüilidade passou, mas não passará tão cedo a preocupação dos estudiosos do assunto em pesquisar com profundidade esses fatos que se transformaram em fenômeno social na história do nordeste brasileiro.

NARCISO DIAS
Sargento da Polícia Militar da Paraíba
Conselheiro do Cariri Cangaço
Fonte: “CANGACEIRISMO DO NORDESTE”
Autor: Antonio Barroso Pontes

8 comentários:

Aderbal disse...

Grande Narciso, bom ver voce em ação. Voce e Marins são PEDRA 90.
Aderbal Nogueira

Anônimo disse...

Muito bom caro Narciso, parabens e seja sempre bem vindo ao Cariri Cangaço do nosso Ceará.


Pedro Brito
Cratinho de açucar

Narciso disse...

Caro Aderbal que satisfação reencontrá-lo mesmo que virtualmente,grande abraço meu amigo.
Pedro grande abraço e o que tenho a dizer é que o cariri é maravilhoso, me encanto toda vez que o visito,como é bom estar com essa gente tão hospitaleira.

David Maia disse...

Tem alguma informação sobre onde o Cel Manoel Benício faleceu?

Narciso disse...

Caro Davi, o coronel Benício faleceu aos 86 anos no hospital do câncer em João Pessoa na Paraíba.

Rafael Noberto disse...

Sou bisneto do Coronel Manoel Benício da Silva, fiquei sabendo disso a pouco tempo, pois meu Pai (José Riomar) disse que minha vó, ou seja sua Mãe (Maria Noberto) era filha dele, aí eu fui pesquisar, gostei bastante da história, é bom saber um pouco dos meus antepassados.
Herdei o sobrenome Noberto do meu avô (Antônio Noberto) que se casou com a filha do Coronel Manoel Benício.

Anônimo disse...

Alguém sabe informar se o coronel Manoel Benício era casado? Quantos filhos ele teve? Se ele tinha irmãos?

Lúcia disse...

Alguém pode me informar também,se ele tinha filhos,meu pai chamava Ruberval Benício da mata.estou a procura de parentes.