Quem mentiu em Angico? Por:Alcino Alves Costa

.

Portanto repito, eu nunca discordei de nada. Quem discordou e quem mentiu em profusão alarmante e jamais imaginada foram os que estavam lá, desde o soldado e os oficiais graduados, passando pelos coiteiros, até chegar aos cangaceiros. Detectar todas essas mentiras que muitas delas podem desaguar em mistérios insondáveis, não quer dizer que eu e todos os que concordam com esse meu velho pensamento, sejamos “conspiracionistas”. Que não somos capazes de separar a verdade da mentira e, em assim agindo, além de não aceitar a “história oficial”, que realmente eu não aceito, nós não passamos de maus intencionados caçadores das “Mentiras e mistérios de Angico” – assim somos classificados.

Eu pergunto ao Dr. Leandro e a todos os nossos confrades: como é que se compreende que em uma distância de 50 metros, acontece um disparo e quase imediatamente mais dois tiros, os de Panta de Godoy, desferidos em Maria Bonita e depois, segundo testemunho de Abdom, eles correram até tão próximo de Lampião que tiveram que recuar, se amparar por detrás de umas pedras para, aí sim, atirar em Lampião. Estas declarações de dois dos principais personagens de Angico são reais? São verdadeiras? Ou são mentirosas?

Meus queridos confrades, eu peço a cada um de vocês que, por favor, acreditando ou não na tese que eu defendo, cada um se digne a comentar e registrar a sua opinião. É isto que os que gostam e procuram se aprofundar na saga do cangaço e de Lampião querem. Os nossos leitores são pessoas inteligentes e nós precisamos despertar ainda mais o seu interesse por esse extraordinário passado de nosso povo sertanejo e nordestino.

Alcino Costa e Aninha Lúcia do Ó

Será mesmo que na Grota de Angico não tem mais nada para se falar? Todavia, eu pergunto a você meu estimado companheiro do rastejar dos bandos cangaceiros: Que segredo Lampião tinha que só Pedro de Cândido podia saber? Por que os dois, na noite da terça-feira, dia 26, ficaram por mais de uma hora, sozinhos, na calada da noite, no meio da caatinga, numa conversa altamente sigilosa? Que assunto tão delicado era esse?

Quem foi o coiteiro, que na tarde da quarta-feira, dia 27, foi ao encontro de João Bezerra, no trajeto Pedra de Delmiro - Piranhas, coiteiro que João Bezerra já esperava e que o mesmo diz em seu livro "Como dei cabo de Lampião", pg 207, "Assim juntou-se a sopa no mel". Quem foi este coiteiro que o resto da volante não viu? Será que esta afirmação do próprio matador de Lampião é mentirosa? Se for mais uma das grandes mentiras, em quem acreditar?

Por que os que defendem a "história oficial" fazem questão absoluta de não falar, comentar, escrever e registrar, nada sobre a ida de Bida e Elias buscar Pedro de Cândido? Como se sabe, o mesmo, primeiramente, não atendeu a intimação do comandante da volante e na segunda vez, por incrível que possa parecer, o famoso coiteiro veio por terra, ele e Bida, caminhando por uma estradinha deserta naquela hora avançada da noite. O soldado Elias, coitado, teve que retornar para o Remanso na canoa. Se isto não é também uma grotesca mentira, na minha amalucada opinião eu acho que aquela caminhada redunda em um fantástico mistério.



Já estou cansado em dizer e me vejo obrigado a repetir. Como é que se pode acreditar que após três tiros, um deles em Amoroso, os outros dois em Maria Bonita e, segundo Panta de Godoy, a distância do coito para o Poço do Tamanduá, o local onde Amoroso foi apanhar a água, está entre 50 e 100 metros? O Dr. Leandro calcula em 50 metros. E como no coito, apesar da reza e de quase todo o bando acordado, ninguém escutou os tiros? Quem é que acredita nesta aberração? E tem mais. Mesmo após o tiro em Amoroso, Maria Bonita continuou caminhando para o poço até receber os dois tiros – durma-se com uma zoada dessa.

Será que não houve os tiros com esta distância? Será que não houve a reza? Em seu depoimento, registrado no livro de Antônio Amaury, pg 110, Abdom diz esta maravilha: "...Daí nóis avancemo i caimo im cima du meio di ondi tava Lampião i nóis recuemo di Lampião pra trais um pouco". E continua: "Quando nóis recuemo um pouco nóis si intrincheiremo i mandamo bala nos cangaceiro i aí o pau quebrou...".

Será que foi assim mesmo? Será que nós somos os conspiradores da trama de Angico? Ainda mais. Quem matou Maria Bonita? Foi Panta ou Noratinho? Em que lugar está o verdadeiro chapéu de Lampião. E o seu famoso mosquetão? Aguardo respostas.

Obrigado e me desculpem pelo abuso.

Alcino Alves Costa
O Caipira de Poço Redondo, o Decano!


 

7 comentários:

Julio Cesar disse...

Grande amigo Alcino...defendendo suas ideias incansavelmente e sempre bem fundamentado.... e sempre trazendo mais um desafio.

Abraços meu amigo

Juliana Ischiara disse...

Mestre Alcino,
o celebre poeta Fernando Pessoa em seu poema ‘pecado original’ disse:

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido?
Será essa, se alguém escrever,
A verdadeira história da humanidade.

Vou me atrever a responder: NÓS, todos os pesquisadores sérios e comprometidos com a verdade. Essa verdade pode até não ser alcançada em sua totalidade, mas não podemos desistir ao menos de tentar chegar perto dela.

Parabéns pelo o artigo e pela provocação.

Saudações Cangaceiras

Juliana Ischiara

prof. Aninha disse...

Realmente são muitos mistérios que envolvem o cenário de horror da Grota de Angicos.As controvérsias existem e estão aí para serem discutidas e com certeza merecem ser discutidas, para que os fatos possam ser desvendados de forma clara, é isso que move todos nós, pesquisadores, levantar dados, analisar e discutir. É isso aí, Alcino, parabéns pelo artigo.

PEDRO LUÍS disse...

PREZADO ALCINO, FOI UMA HONRA CONHECÊ-LO PESSOALMENTE;
NUNCA SERÃO ENFADONHAS SUAS OBSERVAÇÕES SOBRE ANGICO, SEU CONHECIMENTO SOBRE LUGARES, PESSOAS E FATOS É IMPRESCINDÍVEL PARA QUE A VERDADE (0U ALGO PRÓXIMO...) SURJA!!!
PARABÉNS PELO TEXTO!!!

PEDRO LUÍS - CRATO/CE

Chico Braúna disse...

Sou de Porteiras - Ce, e a família da minha mãe é do município de Serra Talhada. Portanto meus tios conviveram com a família de Lampião. Tenho um tio que ainda vive e mora em uma fazenda neste município e sabe muito sobre a vida do Rei do Cangaço. Em Serra Talhada mesmo tenho parentes próximos que são família de Lampião e afirmam categoricamente que nunca o pegaram, como conta a história oficial. Sugiro aos pesquisadores do Cariri Cangaço a cidade de Serra Talhada - Pe e adjacências. Certamente irão encontrar um vasto material sobre o assunto em pauta.

BLOG DO ESCRITOR disse...

Olá, prezado Blogueiro!

Apreciei deveras o seu Blog, que traz importantes informações. Fiquei feliz em conhecer histórias e estórias aqui narradas e, principalmente, ao me deparar com o artigo de Alcino Alves Costa, de Poço Redondo. Nao o conheço em pessoa, mas é meu amigo de longa data, através de correspondência e também por telefone. É um escritor extraordinário, e gostaria imensamente em conhecê-lo pessoalmente. Por favor, visite o Blog do Escritor: www.recantodoescritor.com.br

Norton disse...

Prezado, boa noite. Dá uma olhada no livro Lampião o Invencível de José Geraldo Aguiar. Acho mais lógico do que a Estória( porque assim acho) original.

Um abraço.

Norton